Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection

50.º Aniversário da Fundação Calouste Gulbenkian

Exposição organizada em parceria entre a Fundação Calouste Gulbenkian e a sua subsidiária Partex Oil and Gas Corporation. Foram apresentadas peças pertencentes ao núcleo de Arte Islâmica da coleção reunida por Calouste Sarkis Gulbenkian ao longo da primeira metade do século XX e foi exposta em três locais diferentes, em anos distintos.
Exhibition organised by the Calouste Gulbenkian Foundation in partnership with its subsidiary Partex Oil and Gas Corporation. The show featured works from the collection’s Islamic Art section, gathered by Calouste Sarkis Gulbenkian during the first half of the twentieth century. The show was exhibited in three different locations in different years.

Nascida da colaboração entre a Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) e a sua subsidiária Partex Oil and Gas Corporation, a exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection» apresentou um conjunto de peças pertencentes ao núcleo de arte islâmica da coleção reunida por Calouste Sarkis Gulbenkian ao longo da primeira metade do século XX. A mostra foi exposta em três locais diferentes, em anos distintos, no sentido de promover a divulgação internacional da coleção pertencente à FCG: esteve patente na Abu Dhabi Cultural Foundation, no Bait Al Zubair Museum, em Muscat, e, por último, no Palais de la Culture Moufdi Zakaria, em Argel.

Além de promover a arte islâmica reunida na Coleção Calouste Gulbenkian, este projeto serviu para evidenciar o requintado gosto do seu colecionador, que, desde cedo, foi – como salienta Emílio Rui Vilar no texto de apresentação do catálogo – «both a pioneer of the oil industry and a great colllector of art». Calouste Sarkis Gulbenkian participou ativamente na criação da Royal Dutch-Shell e da Turkish Petroleum Company, detendo uma elevada percentagem das ações desta companhia petrolífera de Omã, com a qual a Partex estabelecia projetos de parceria desde 1972 (Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection, 2004, p. 13). Paralelamente, Calouste Gulbenkian reuniu uma das mais famosas e luxuosas coleções de arte, com peças de referência pertencentes a um arco temporal muito extenso, da Antiguidade ao século XX. O seu núcleo de arte islâmica, destacado nesta exposição, é um dos mais importantes e completos dentro da sua extensa coleção, devido à ligação emocional que mantinha com a cultura do Médio Oriente.

No referido texto de apresentação, Emílio Rui Vilar, presidente da FCG, refere-se a este gosto do colecionador: «He acquired pieces that appealed to his demanding personal taste and reflected the eclectic nature of the varied influences that Oriental and Western Cultures had on his life.» (Ibid.)

A mostra foi organizada em cinco núcleos, reunindo um conjunto de 55 peças (cerâmica, vidro, têxteis, manuscritos iluminados e encadernações) produzidas no Próximo e Médio Oriente entre os séculos XII e XX, objetos que se encontram habitualmente representados na exposição permanente do Museu Calouste Gulbenkian (MCG) em Lisboa. Além deste conjunto, a mostra incluiu ainda uma breve seleção de tapetes produzidos na Pérsia safávida e na Turquia otomana, bem como um conjunto de sedas e veludos da Pérsia, Índia, Turquia e Ásia Central, culturas que sempre interessaram Calouste Gulbenkian.

Comissariada por Maria Fernanda Passos Leite e Maria Queiroz Ribeiro, conservadoras do MCG, a exposição foi primeiramente apresentada no Abu Dhabi Cultural Complex, entre 17 de janeiro e 18 de fevereiro de 2004. De acordo com o diretor deste centro cultural, o xeque Zayed bin Sultan bin Khalifa Al Nahyan, esta exposição serviu para «promover o conhecimento das raízes árabes e islâmicas dos Emirados» (Relatório Balanço e Contas. FCG. 2004, 2005, p. 37).

Desde 2002 que a FCG e a Partex, representada pelo engenheiro Jorge Botelho, mantinham um contacto próximo com a Abu Dhabi Cultural Foundation e com os seus representantes, com o intuito de organizar uma exposição dedicada à arte islâmica. Em meados de março desse mesmo ano Emílio Rui Vilar já teria tido um encontro com Khalfan Ali Musabbeh, diretor da Abu Dhabi Cultural Foundation, no qual acordaram algumas questões relacionadas com a organização da mostra e com o respetivo catálogo (Carta de Khalfan Ali Musabbeh para Jorge Botelho, 24 mar. 2002, Arquivos Gulbenkian, MCG 03270).

Entre 16 e 19 de maio de 2002, Maria Queiroz Ribeiro, uma das comissárias da mostra, visitou esta fundação árabe, encontrando-se com Abdulla Al Rami, diretor da Art Section, devido à inesperada ausência de Khalfan Ali Musabbeh. No dia 18 desse mês, foi realizada uma visita acompanhada por Sawsan Almasqati, designer de interiores, e por Dalia Ahmed, a responsável pela sala que iria receber a exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection» (Relatório de Maria Queiroz Ribeiro, 23 mai. 2002, Arquivos Gulbenkian, MCG 03271).

Maria Queiroz Ribeiro aproveita esta oportunidade para fazer uma extensa e pormenorizada avaliação dos espaços propostos para receber a referida mostra e, «perante a realidade observada e embora esta não obedeça, com rigor, aos critérios museográficos recomendáveis», acorda-se que o melhor espaço seria a Sala II, pela sua dimensão considerável, havendo a necessidade de encontrar soluções que resolvessem algumas questões relacionadas com a luminosidade natural do espaço e com a própria disposição das peças nas vitrinas (Ibid., p. 3).

Meses mais tarde, o designer responsável pelo projeto museográfico, Mariano Piçarra, estudaria este complexo, elaborando um plano final para o projeto expositivo, que iria ser apresentado «no grande hall no nível térreo envidraçado para o exterior» (Relatório de Mariano Piçarra dirigido a João Castel-Branco Pereira, 14 out. 2002, Arquivos Gulbenkian, MCG 03263).

À data da inauguração, a exposição em Abu Dhabi contou com a presença de diversas entidades ligadas à Abu Dhabi Cultural Foundation, nomeadamente o xeque Zayed bin Sultan bin Khalifa Al Nahyan, Emílio Rui Vilar, João Castel-Branco Pereira (então diretor do MCG), Mariano Piçarra e as comissárias da mostra, Maria Fernanda Passos Leite e Maria Queiroz Ribeiro. Para esta instituição, o principal objetivo do projeto era «[to] broad intellectual and cultural awareness, and particularly […] to promote knowledge of our Arabic and Islamic roots» (Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection, 2004, p. 11).

Dois anos depois, em 2006, a arte islâmica da Coleção Gulbenkian foi apresentada no Bait Al Zubair Museum, em Mascate (sultanato de Omã), estando aí patente entre 18 de fevereiro e 18 de abril desse ano. Teve o alto patrocínio da Partex e inseriu-se no evento «Mascate, Capital da Cultura Árabe 2006». Desta feita, segundo o comunicado de imprensa, foram apresentadas 47 peças do conjunto selecionado para integrar a exposição, «que, demonstrando a qualidade superior do núcleo islâmico da Colecção Calouste Gulbenkian, confirma a nossa convicção de que a Cultura é uma das melhores formas de comunicação entre os povos» (Comunicado de imprensa, 2006, Arquivos Gulbenkian, MCG 03273).

Em Omã, o sucesso da exposição deveu-se ao trabalho de parceria entre Maria Fernanda Passos Leite, conservadora do MCG e cocomissária da mostra, e Sarah White, arts advisor and manager do Bait Al Zubair Museum, contando uma vez mais com o auxílio do designer Mariano Piçarra e do resto da equipa do MCG.

A inauguração da exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection» em Omã, no dia 18 de fevereiro 2006, contou com a presença de Nasser bin Khamis al Jashmi, secretário-adjunto do Ministério do Petróleo e Gás deste país, juntamente com outras individualidades políticas e com vários representantes da FCG: o seu presidente, Emílio Rui Vilar, as comissárias da mostra, Maria Queiroz Ribeiro e Maria Fernanda Passos Leite, e o diretor do MCG, João Castel-Branco Pereira.

Após a apresentação em 2004 na Abu Dhabi Cultural Foundation e, em 2006, no Bait Al Zubair Museum, em Omã, a exposição realizou a sua última itinerância no âmbito desta iniciativa apoiada pela Partex Oil and Gas Corporation. Desta feita, foi exposta em Argel, no Palais de la Culture Moufdi Zakaria, onde esteve patente entre 17 de dezembro de 2007 e 31 de janeiro do ano seguinte. Integrada na iniciativa «Argel, Capital da Cultura Árabe 2007», esta edição da mostra, intitulada «L'Art Islamique dans la Collection Calouste Gulbenkian», incluiu a publicação de um folheto que descreve, brevemente, a história da FCG, do seu museu e do grupo Partex, com o principal intuito de contextualizar a coleção de arte islâmica apresentada (L'Art Islamique dans la Collection Calouste Gulbenkian [folheto], 2007, Arquivos Gulbenkian, MCG 03269).

Em Argel, a exposição contou com o alto patrocínio de Abdelaziz Bouteflika, presidente da Argélia, José Sócrates, então primeiro-ministro de Portugal, e Khalida Toumi, ministra da Cultura da Argélia.

Todas as mostras aqui referidas foram acompanhadas pela publicação de um catálogo editado pela FCG. Cada uma destas três publicações integra textos de apresentação do presidente da FCG, Emílio Rui Vilar, e do diretor do MCG, João Castel-Branco Pereira, e ainda um ensaio redigido pelas comissárias da exposição, Maria Queiroz Ribeiro e Maria Fernanda Passos Leite, no qual abordam o percurso e o gosto de Calouste Sarkis Gulbenkian enquanto apaixonado colecionador de arte e grande empreendedor na indústria do petróleo. Quanto às demais publicações, o catálogo da mostra de Abu Dhabi inclui um texto de apresentação assinado por Mohammed Ahmed Al Suweidi, secretário-geral da Abu Dhabi Cultural Foundation; o de Omã conta com apresentação de Sayyid Haitham bin Tariq Al Said, ministro da Cultura e Património daquele país; e, por último, o catálogo da mostra em Argel é assinado pela ministra da Cultura da Argélia, Khalida Toumi.

Por ocasião da exposição nos Emirados Árabes Unidos, Mohammed Ahmed Al Suweidi, secretário-geral da Abu Dhabi Cultural Foundation, salienta, no texto de apresentação do catálogo, a importância desta exposição para o conhecimento da civilização islâmica no mundo oriental e ocidental, enaltecendo «the dedicated and high quality work carried out by the Calouste Gulbenkian Foundation to preserve and study the Islamic art collected by its founder» (Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection, 2004).

Joana Atalaia, 2019

Born of the collaboration between the Calouste Gulbenkian Foundation (FCG) and its subsidiary Partex Oil and Gas Corporation, the exhibition “Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection” featured a selection of pieces from the Islamic art collection assembled by Calouste Sarkis Gulbenkian during the first half of the 20th century. The exhibition was staged in various locations in different years, with the aim of increasing the international profile of the FCG collection: the Abu Dhabi Cultural Foundation, the Bait Al Zubair Museum in Muscat and, finally, the Palais de la Culture Moufdi Zakaria, in Algiers.

As well as promoting the Islamic art belonging to the Calouste Gulbenkian Collection, this project also highlighted the refined taste of a collector who was, from a young age – as Emílio Rui Vilar emphasises in his introductory catalogue text – “both a pioneer of the oil industry and a great collector of art”. Calouste Sarkis Gulbenkian played an active role in the foundation of Royal Dutch-Shell and the Turkish Petroleum Company, holding a large percentage of shares in this Omani oil company, with which Partex had established partnership projects since 1972 (Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection, 2004, p. 13). At the same time, Calouste Gulbenkian assembled one of the world’s most renowned and lavish art collections, featuring iconic works spanning a vast period, from Antiquity to the 20th century. His collection of Islamic art, featured in this exhibition, is one of the largest and most comprehensive areas of his entire collection, due to the emotional affinity he felt for the culture of the Middle East.

In the aforementioned introductory text, Emílio Rui Vilar, president of the FCG, refers to the taste of the collector: “He acquired pieces that appealed to his demanding personal taste and reflected the eclectic nature of the varied influences that Oriental and Western Cultures had on his life.” (Ibid.)

The exhibition was structured around five areas, containing a total of 55 pieces (ceramics, glass, textiles, illuminated manuscripts and books) produced in the Near and Middle East between the 12th and 20th centuries, objects that are usually on display in the permanent exhibition of the Calouste Gulbenkian Museum (MCG) in Lisbon. In addition to these works, the exhibition also included a small selection of rugs produced in Safavid Persia and Ottoman Turkey, as well as a collection of silks and velvets from Persia, India, Turkey and Central Asia, cultures that always fascinated Calouste Gulbenkian.

Curated by MCG curators Maria Fernanda Passos Leite and Maria Queiroz Ribeiro, the exhibition first went on display at the Abu Dhabi Cultural Complex from 17 January to 18 February 2004. According to the director of this cultural centre, Sheik Zayed bin Sultan bin Khalifa Al Nahyan, this exhibition served to “promote awareness of the Arabic and Islamic roots of the Emirates” (Statement of Accounts. FCG. 2004, 2005, p. 37).

The FCG and Partex, represented by engineer Jorge Botelho, had been in regular contact with the Abu Dhabi Cultural Foundation and its representatives since 2002, with the aim of organising an exhibition devoted to Islamic art. In mid-March that year, Emílio Rui Vilar held a meeting with Khalfan Ali Musabbeh, director of the Abu Dhabi Cultural Foundation, in which they resolved various issues relating to the organisation of the exhibition and its catalogue (Letter from Khalfan Ali Musabbeh to Jorge Botelho, 24 Mar 2002, Gulbenkian Archives, MCG 03270).

Maria Queiroz Ribeiro, one of the exhibition’s curators, visited this Arabic Foundation from 16 to 19 May 2002, meeting Abdulla Al Rami, director of the Art Section, due to the unforeseen absence of Khalfan Ali Musabbeh. On the 18th of that month, she took a tour of the space, accompanied by interior designer Sawsan Almasqati and Dalia Ahmed, who managed the room that would house the exhibition “Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection” (Report by Maria Queiroz Ribeiro, 23 May 2002, Gulbenkian Archives, MCG 03271).

Maria Queiroz Ribeiro seized this opportunity to undertake an extensive and detailed assessment of the space proposed to house the exhibition and, “in light of the situation observed and though it does not, strictly speaking, fulfil the ideal museological conditions”, she agreed that Room II was the best available space, due to its considerable size, though it was necessary to resolve certain issues related to natural light in the space and the layout of the pieces within the cases (Ibid., p. 3).

Months later, the designer responsible for the exhibition layout, Mariano Piçarra, would study the complex, drawing up a final plan for the exhibition, which was to be presented in the “great hall of the ground floor, with windows looking out to the exterior” (Report by Mariano Piçarra for the attention of João Castel-Branco Pereira, 14 Oct 2002, Gulbenkian Archives, MCG 03263).

The opening of the exhibition in Abu Dhabi was attended by representatives of a wide range of organisations linked to the Abu Dhabi Cultural Foundation, notably Sheik Zayed bin Sultan bin Khalifa Al Nahyan, Emílio Rui Vilar, João Castel-Branco Pereira (then director of the MCG), Mariano Piçarra and the exhibition’s curators, Maria Fernanda Passos Leite and Maria Queiroz Ribeiro. According to the institution itself, the primary aim of the project was “[to] broaden intellectual and cultural awareness, and particularly […] to promote knowledge of our Arabic and Islamic roots” (Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection, 2004, p. 11).

Two years later, in 2006, the Islamic art of the Gulbenkian Collection was showcased in another exhibition in the Bait Al Zubair Museum in Muscat (Sultanate of Oman), where it was on display from 18 February to 18 April of that year. It was sponsored by Partex as part of the “Muscat, Capital of Arab Culture 2006” initiative. According to the press release, 47 pieces from the collection were selected for the exhibition, “which, demonstrating the exquisite quality of the Islamic works belonging to the Calouste Gulbenkian collection, reinforce our belief that Culture is one of the best means of communication between peoples.” (Press Release, 2006, Gulbenkian Archives, MCG 03273).

In Oman, the exhibition’s success was largely thanks to the excellent cooperation between MCG curator Maria Fernanda Passos Leite, co-curator of the exhibition and Sarah White, arts advisor and manager of the Bait Al Zubair Museum, once again supported by designer Mariano Piçarra and the rest of the MCG team.

The opening of the exhibition “Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection” in Oman took place on 18 February 2006 and was attended by Nasser bin Khamis al Jashmi, under-secretary of the country’s Oil and Gas Ministry, as well as other politicians and various representatives of the FCG: its president, Emílio Rui Vilar, exhibition curators Maria Queiroz Ribeiro and Maria Fernanda Passos Leite and the director of the MCG, João Castel-Branco Pereira.

Following showings at the Abu Dhabi Cultural Foundation in 2004 and at the Bait Al Zubair Museum in Oman in 2006, the exhibition made its third and final appearance as part of this initiative backed by Partex Oil and Gas Corporation. This time, it went on display at the Palais de la Culture Moufdi Zakaria in Algiers, where it was open to the public from 17 December 2007 until 31 January the following year. Part of the “Algiers, Capital of Arab Culture 2007” initiative, this version of the exhibition, entitled “L'Art Islamique dans la Collection Calouste Gulbenkian” saw the publication of a leaflet briefly outlining the history of the FCG, its museum and the Partex group, in an effort to contextualise the Islamic Art collection on display (L'Art Islamique dans la Collection Calouste Gulbenkian [leaflet], 2007, Gulbenkian Archives, MCG 03269).

In Algiers, the exhibition received the patronage of Abdelaziz Bouteflika, president of Algeria, José Sócrates, prime minister of Portugal at the time and Khalida Toumi, Algerian minister of culture.

A catalogue produced by the FCG was published to mark the each of the exhibitions described. Each of these three publications featured introductory texts by FCG president Emílio Rui Vilar and the director of the MCG, João Castel-Branco Pereira, as well as an essay written by the exhibition’s two curators, Maria Queiroz Ribeiro and Maria Fernanda Passos Leite, in which they reflect on the life and taste of Calouste Sarkis Gulbenkian as a passionate collector of art and a great entrepreneur in the oil industry. As for the individual publications, the catalogue of the Abu Dhabi Edition included an introductory text by Mohammed Ahmed Al Suweidi, secretary-general of the Abu Dhabi Cultural Foundation; the Omani Edition featured an introduction by Sayyid Haitham bin Tariq Al Said, the country’s minister of culture and heritage; and, finally, the catalogue of the Algiers edition featured a piece by Algerian minister of culture, Khalida Toumi.

Writing about the exhibition in the United Arab Emirates, the catalogue text by Mohammed Ahmed Al Suweidi, secretary-general of the Abu Dhabi Cultural Foundation, highlights the significance of this exhibition in terms of knowledge of Islamic civilisation in the Eastern and Western worlds, praising “the dedicated and high quality work carried out by the Calouste Gulbenkian Foundation to preserve and study the Islamic art collected by its founder” (Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Collection, 2004).


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Coleção Gulbenkian

Desconhecido

1572-1595 / Inv. 1635

Desconhecido

c.1590-1600 / Inv. 812

Desconhecido

c.1354-61 / Inv. 1022

Desconhecido

c.1590-1600 / Inv. 852

Desconhecido

Século XIII-XIV / Inv. 1559

Desconhecido

c.1550 / Inv. 834

Desconhecido

c.1585 / Inv. 788

Desconhecido

c.1580-85 / Inv. 2318

Desconhecido

Século XIX / Inv. R36

Desconhecido

c.1535-1540 / Inv. 825

Desconhecido

c.1535-1550 / Inv. 808

Desconhecido

Final do século XII / Inv. 891

Desconhecido

final do século XII ou início do século XIII / Inv. 938

Desconhecido

Século XVII / Inv. 910

Desconhecido

c.1550 / Inv. M59

Desconhecido

Final do século XIX ou início do século XX / Inv. R15

Desconhecido

Inv. R25

Desconhecido

ca. 1584 / Inv. R44

Desconhecido

c.1570-80 / Inv. 1668

Desconhecido

final do século XVI ou início do século XVII / Inv. 1730

Desconhecido

Final do século XVI / Inv. 1680

Desconhecido

ca.1572 / Inv. 1688

Desconhecido

Século XIV / Inv. 890

Desconhecido

Século XIV / Inv. 2199

Desconhecido

Século XVII / Inv. 950

Desconhecido

Inv. 951

Alcorão

Desconhecido

Alcorão, c.1570 / Inv. LA182

Almofada de Veludo

Desconhecido

Almofada de Veludo, Inv. 2306

Almofada de veludo

Desconhecido

Almofada de veludo, Inv. 1432

Caparazão

Desconhecido

Caparazão, Inv. 1461

Casaca

Desconhecido

Casaca, Inv. 1454

Cena Galante

Desconhecido

Cena Galante, Segunda metade do século XVIII (c. 1770-1780?) / Inv. 2226

Fragmento de seda

Desconhecido

Fragmento de seda, Inv. 1379

Fragmento de seda

Desconhecido

Fragmento de seda, Inv. 1380

Fragmento de Veludo

Desconhecido

Fragmento de Veludo, Inv. 187

Panejamento

Desconhecido

Panejamento, Inv. 1501C

Panejamento de seda

Desconhecido

Panejamento de seda, Inv. 1504

Panejamento de seda

Desconhecido

Panejamento de seda, Inv. 1419

Panejamento de veludo

Desconhecido

Panejamento de veludo, Inv. 2042

Panejamento de veludo

Desconhecido

Panejamento de veludo, Inv. 1503A

Panejamento de veludo

Desconhecido

Panejamento de veludo, Inv. 1425

Panejamento de veludo

Desconhecido

Panejamento de veludo, Inv. 1513

Panejamento de veludo

Desconhecido

Panejamento de veludo, Inv. 1451A

Panejamento de veludo

Desconhecido

Panejamento de veludo, Inv. 1450

Panejamento de veludo lavrado

Desconhecido

Panejamento de veludo lavrado, Inv. 1426

Tapete

Desconhecido

Tapete, Inv. T67

Tapete

Desconhecido

Tapete, Inv. T60

Tapete "kouba"

Desconhecido

Tapete "kouba", Séc. XVIII (?) / Inv. T81

Tapete "Kumkapi"

Desconhecido

Tapete "Kumkapi", Inv. T95

Tecido de veludo

Desconhecido

Tecido de veludo, Inv. 1446

Tapete "kumkapi"

Hagop Kapoudjian

Tapete "kumkapi", Inv. T77

Tapete "Kumkapi"

Hagop Kapoudjian

Tapete "Kumkapi", Inv. T98

Khamsa (cinco poemas)

Nizami

Khamsa (cinco poemas), A.H.1000 ; c.1591 / Inv. LA171

Riza

Século XVI / Inv. M10

Kulliyat (Obras completas)

Sa'di

Kulliyat (Obras completas), 1635 / Inv. LA179


Publicações


Material Gráfico


Fotografias

Emílio Rui Vilar (à dir.)
Emílio Rui Vilar (à dir.)
Emílio Rui Vilar (à dir.)
Emílio Rui Vilar (ao centro, à dir.)
Emílio Rui Vilar (à dir.)
Emílio Rui Vilar (à dir.)
Emílio Rui Vilar (à dir.)
Emílio Rui Vilar (à dir.)
Emílio Rui Vilar (ao centro)
Emílio Rui Vilar (à frente, ao centro)
Emílio Rui Vilar (ao centro)
Mariano Piçarra (à esq.), Maria Fernanda Passos Leite (ao centro, à esq.), Emílio Rui Vilar (ao centro), Maria Queiroz Ribeiro (à dir.), Miguel Fumega (à dir.) e Rui Xavier (à dir.)
Emílio Rui Vilar (à dir.)
Eduardo Marçal Grilo
Mariano Piçarra (à frente, à esq.), Rui Xavier (atrás, à esq.), Emílio Rui Vilar (à frente, ao centro), Maria Queiroz Ribeiro (atrás, à dir.) e Maria Fernanda Passos Leite (atrás, à dir.)
Maria Fernanda Passos Leite (à esq.), João Castel-Branco Pereira (à esq.) e Emílio Rui Vilar (ao centro)
Emílio Rui Vilar
Eduardo Marçal Grilo (centro, dir.)
Maria Fernanda Passos Leite (ao centro) e João Castel-Branco Pereira (à dir.)
Isabel Alçada (à dir.)
Maria Queiroz Ribeiro (ao centro) e João Castel-Branco Pereira (ao centro)
Maria Queiroz Ribeiro (à esq.) e Emílio Rui Vilar (ao centro)
Pré-inauguração da exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Museum»
Pré-inauguração da exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Museum». Emílio Rui Vilar (ao centro) e Maria Queiroz Ribeiro (à dir.)
Pré-inauguração da exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Museum». João Castel-Branco Pereira (à dir.)
Pré-inauguração à exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Museum». Maria Fernanda Passos Leite (ao centro) e Mariano Piçarra (atrás, ao centro)
Pré-inauguração da exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Museum». Maria Fernanda Passoa Leite (à esq.) e Eduardo Marçal Grilo (à dir.)
Pré-inauguração da exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Museum». Mariano Piçarra e Emílio Rui Vilar (ao centro, à dir.)
Pré-inauguração da exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Museum». Maria Queiroz Ribeiro e Rui Emílio Vilar (à dir.)
Pré-inauguração da exposição «Islamic Art in the Calouste Gulbenkian Museum». João Castel-Branco Pereira (à dir.)
Mariano Piçarra

Documentação


Periódicos


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03227

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém documentação sobre o empréstimo das peças para a exposição na Argélia, correspondência de caráter organizativo entre as várias instituições envolvidas, orçamentos, montagem, transportes, recortes de imprensa, convites, faturas, notas internas e outra documentação. 2007 – 2008

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03271

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém documentação sobre a exposição em Abu Dhabi, fotografias das peças com tabelas descritivas, correspondência interna e externa, relatório da visita feita por Maria Queiroz Ribeiro ao complexo cultural, desenhos e fotografias das salas, recortes de imprensa e outro material fotográfico. 2012 – 2012

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03269

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém documentação sobre o retorno das peças após a exposição em Argel, informações sobre o transporte e seguros, nota interna sobre regresso das peças, planta de distribuição das peças e listagem completa das peças. 2008 – 2008

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03263

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém documentação de caráter organizativo sobre a exposição em Abu Dhabi, lista de peças, correspondência interna e externa, orçamentos, relatórios de viagens, material fotográfico, entre outros. 2002 – 2008

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03270

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém documentação avulsa relativa à exposição em Abu Dhabi, notas sobre o estado de conservação das peças e outros dados, transportes, seguros e desenhos técnicos da sala de exposição. 2012 – 2012

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03274

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém documentação sobre o empréstimo da exposição a Omã, correspondência entre as instituições, informações sobre transporte e seguros, comunicado de imprensa, textos sobre a exposição, entre outros. 2006 – 2006

Arquivo Digital Gulbenkian, Lisboa / ID: 154622

Coleção fotográfica, cor: inauguração (Abu Dhabi Cultural Foundation, Abu Dhabi) 2004

Arquivo Digital Gulbenkian, Lisboa / ID: 154657

Coleção fotográfica, cor: inauguração (Bait Al Zubair Museum, Mascate) 2006

Arquivo Digital Gulbenkian, Lisboa / ID: 154690

Coleção fotográfica, cor: pré-inauguração (Bait Al Zubair Museum, Mascate) 2006


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

Este website usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. Podendo também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.