Projetos – Domínio atuação B

Promoção dos valores democráticos, incluindo a defesa dos direitos humanos, dos direitos das minorias e da luta contra as discriminações

No âmbito deste Domínio de Atuação, o Programa apoia projetos que visam criar ou desenvolver mecanismos e instrumentos que visem, designadamente:

  • informar, sensibilizar e formar profissionais, agentes de educação e público em geral, na promoção da Cidadania Ativa
  • formar pessoas e organismos especializados na intermediação de questões de grupos desfavorecidos, com vista à plena integração desses grupos na comunidade
  • reforçar a participação ativa na sociedade e nas organizações de grupos desfavorecidos, de risco e sujeitos a discriminação e providenciar soluções para os seus problemas
  • promover o melhor acesso aos serviços públicos em geral, e àqueles particularmente relevantes para determinados grupos específicos
  • coordenar a informação e serviços de apoio a nível local para grupos desfavorecidos e grupos de risco
  • contribuir para a intervenção em setores da comunidade que se encontrem a descoberto em termos da participação na Sociedade Civil

Na tipologia “Grandes Projetos”, foram aprovados os seguintes projetos:


BagaBaga Studios e Nordland Research Institute
B11-200067

É DE GÉNERO? – Jovens para a igualdade de género, cidadania global e desenvolvimento

Promovido por RS – Rosto Solidário – Associação de Desenvolvimento Social e Humano
Parceiro: Rede Inducar

Tendo como objetivo a sensibilização dos grupos de jovens para a igualdade de género e cidadania global, pretende-se proceder à formação de agentes juvenis, através de metodologias de educação informais, com vista a implementar ações de sensibilização acerca destes temas. A formação será dada a 20 voluntários com perfil de líder por 2 formadores qualificados, sendo abordados os temas da cidadania global, igualdade de género e diversidade cultural. Após a formação, estes líderes juvenis serão responsáveis por formar outros jovens utilizando um kit pedagógico e material multimédia de suporte e tendo o apoio e acompanhamento de um tutor. Serão ainda promovidas ações de sensibilização através da exibição e discussão de filmes e documentários, debates e outros eventos relacionados com os tópicos abordados.

As duas ONG trabalham juntas desde 2011 em projetos ligados a programas de sensibilização de grupos de jovens para temas como os Direitos Humanos e a Cidadania. Contarão ainda com um conjunto de parceiros informais que colaborarão em atividades específicas.

Área-chave: Igualdade de género
Projeto iniciado em março de 2014
Apoio aprovado: 68.453€
Mais informação: http://www.edegenero.pt/
R. Mestre António Joaquim, 8
4520-239 Santa Maria da Feira


B11-200237

Justiça Para [email protected]

Promovido por IPAV – Instituto Padre António Vieira
Parceiros: Alto Comissariado para a Emigração e Diálogo Intercultural, Centro de Estudos Judiciários e Direitos Humanos – Centro de Investigação Interdisciplinar da Universidade do Minho

Procurando aumentar o nível de literacia da população juvenil no que respeita à Justiça e aos Direitos Humanos, o projeto visa promover os valores democráticos entre os jovens (dos 12 aos 25 anos), com particular atenção a grupos de risco ou desfavorecidos, através de ações de sensibilização, divulgação, workshops e jogos de simulação de casos em Tribunal. O projeto constitui uma proposta inovadora no campo de ação e metodologia utilizada, tendo início com um convite a escolas, centros educativos e estabelecimentos prisionais para a sua participação. Cada equipa escolherá um caso e preparará a simulação de um julgamento que será presidido por um verdadeiro juiz. Com uma duração de 24 meses, o projeto envolverá 4.870 jovens, 369 professores/profissionais da justiça e 246 instituições.

As três entidades parceiras possuem as ferramentas necessárias para a concretização do projeto e contarão com o apoio de outras entidades com vista à construção, promoção e continuidade de uma rede para a educação sobre a Justiça e os Direitos Humanos.

Área-chave: Promoção da democracia
Projeto iniciado em janeiro de 2014
Apoio aprovado: 111.821€
Mais informação: http://justicaparatodos.net/
Travessa das Pedras Negras, n.º 1, 4.º andar
1100-404 Lisboa


B11-200448

Biblioteca de livros digitais para a cidadania e interculturalidade – BLDCIDADANIA

Promovido por OLP – Observatório da Língua Portuguesa
Parceiro: Associação para o Voluntariado de Leitura

Com o objetivo de promover a inclusão de crianças em risco, para as quais escasseiam livros e outros recursos, pretende-se a criação de uma biblioteca de livros digitais sobre temas relacionados com a Cidadania, como o valor da democracia e da participação cívica, a defesa dos direitos das minorias e da igualdade de género, o combate contra discriminações e desigualdades sociais, o combate ao racismo, à xenofobia, à linguagem de ódio, entre outros. Será criada uma biblioteca composta por 15 volumes para crianças de três escalões etários (dos 5 aos 7 anos, dos 8 aos 11 anos e dos 12 aos 15 anos) cuja divulgação passará pelas escolas e redes sociais. Será ainda criado um clube de forma a estimular a escrita e a reflexão sobre os temas tratados.

Tendo como meta a projeção da língua portuguesa como veículo de transmissão dos valores humanísticos, o projeto pretende expandir a parceria a outras ONG, envolvidas em projetos similares.

Área-chave: Problemas das crianças e jovens
Projeto iniciado em janeiro de 2014
Apoio aprovado: 112.500€
Mais informação: www.observalinguaportuguesa.org
Campo Grande, nº 380
1700-097 Lisboa

  OLP - Observatório da Língua Portuguesa

B11-200609

Capacitar Hoje

Promovido por CAIS – Associação de Solidariedade Social
Parceiros: Fundação EDP, AGIR XXI – Associação para a Inclusão Social e Unicer Bebidas Sa

O projeto tem como objetivo primordial promover a inclusão social de pessoas em situação de exclusão, através da (re)integração profissional, viabilizada pela capacitação pessoal, social e profissional de grupos socialmente desfavorecidos. A atuação do projeto centra-se, por um lado, na formação dos técnicos e voluntários que apoiam os grupos-alvo, e por outro, no apoio aos grupos-alvo que se pretende reintegrar socialmente. Incluirá a (in)formação e sensibilização de pessoas em situação de exclusão social, a capacitação para a reintegração na sociedade e o apoio e acompanhamento dos destinatários na criação do seu próprio emprego ou na adaptação a novas oportunidades de emprego efetivo, junto de empresas ou pela prestação de serviços úteis e solidários.

O projeto será desenvolvido em articulação com um conjunto diversificado de entidades que pela sua natureza e área de intervenção contribuirão para a prossecução dos objetivos a atingir em cada fase do projeto.

Área-chave: Combate contra desigualdades sociais, pobreza e exclusão
Projeto iniciado em janeiro de 2014
Apoio aprovado: 104.398€
Mais informação: http://www.cais.pt/
Rua do Vale Formoso de Cima, nº 49-55
1950-265 Lisboa


B11-200613

CIC- CREARE IN CIVITAS

Promovido por Movimento de Defesa da Vida
Parceiros: Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Évora e Cáritas de Évora

Procurando promover a participação e encorajar as parcerias entre as ONG e as instituições públicas na defesa dos Direitos Humanos, nomeadamente na defesa das minorias, dos grupos desfavorecidos e de risco, pretende-se reforçar a participação ativa destes grupos na sociedade e nas organizações que os apoiam. Será implementado em Évora um projeto com ações e atividades dirigidas à redução de risco de exclusão social de crianças e jovens e suas famílias. O projeto incluirá a formação dos técnicos de acompanhamento das crianças em risco e suas famílias; a criação de um gabinete de encaminhamento onde será também realizado o acompanhamento psicológico; e ainda workshops e sessões de sensibilização e formação com grupos de pais, que contribuirão para a construção e desenvolvimento de redes de parceria.

As entidades parceiras possuem grande experiência local e pretendem reforçar sinergias já existentes, bem como fomentar a criação de novas redes de parcerias que deem resposta a este problema.

Área-chave: Problemas das crianças e jovens
Projeto iniciado em fevereiro de 2014
Apoio aprovado: 112.366€
Mais informação: http://www.mdvida.pt/
Rua da Beneficência nº 7
1050-034 Lisboa

  Movimento de Defesa da Vida

B11-200698

Denominadores Comuns

Promovido por Chapitô – Coletividade Cultural e Recreativa de Santa Catarina
Parceiro: Junta de Freguesia de Campolide

Utilizando a arte como ferramenta para a inclusão social, este projeto tem como objetivo a integração e a dinamização de redes sociais e culturais, intervindo em processos de socialização e desenvolvendo novas práticas na área da formação, autoexpressão e participação cívica. O projeto tem lugar em Campolide – Lisboa, com os seus bairros estigmatizados, e tem como grupo-alvo os residentes séniores e juniores desenraizados do seu território físico e humano, baseando-se em quatro eixos: linguagem, tempo, semelhante e identidade, definidos numa perspetiva transgeracional assente na cidadania ativa e na solidariedade. A matriz metodológica promove o diálogo intercultural, a tomada de consciência para os problemas da igualdade de género e de oportunidades e a criação de um ecossistema de sustentabilidade social em crescimento.

Com esta parceria pretende-se uma abrangência da intervenção social orientada a jovens em risco de vulnerabilidade e exclusão social, dando continuidade a um trabalho iniciado anteriormente pelos parceiros.

Área-chave: Promoção da participação cívica
Projeto iniciado em janeiro de 2014
Apoio aprovado: 98.164€
Mais informação: https://www.facebook.com/denominadorescomuns
Costa do Castelo, nº 1/7
1149-149 Lisboa


B11-200726

aTerra – Políticas Globais e Estratégias Locais para o Desenvolvimento Sustentável

Promovido por FEC – Fundação Fé e Cooperação
Parceiros: Ouremviva, Associação Casa Velha – Ecologia e Espiritualidade e ACTUAR – Associação para a Cooperação e o Desenvolvimento

Tendo como enfoque o Desenvolvimento Rural no quadro do Direito Humano a uma Alimentação sustentável, o projeto tem como objetivo aumentar a capacidade e encorajar pequenos agricultores e comunidades escolares do centro do país a adotar estratégias de desenvolvimento mais sustentáveis. Os grupos-alvo são os pequenos produtores e os jovens, junto dos quais será abordada a falta de sustentabilidade das pequenas propriedades, a fraca cooperação entre atores locais e a necessidade de estilos de vida mais saudáveis. Pretende-se a integração dos pequenos produtores em redes locais através de formação, a sensibilização e mobilização dos jovens através de workshops e ações de voluntariado e a dinamização das redes locais para o desenvolvimento sustentável com oficinas intergeracionais e um seminário nacional.

As atividades no âmbito do projeto serão repartidas entre o promotor, uma empresa municipal, uma associação sem fins lucrativos e uma ONGD.

Área-chave: Combate contra desigualdades sociais, pobreza e exclusão
Projeto iniciado em março de 2014
Apoio aprovado: 112.104€
Mais informação: http://www.projetoaterra.org/
Quinta do Cabeço, Porta D
1885-076 Moscavide


B11-200784

Uma Aventura no Mundo da Cidadania

Promovido por Grupo Aprender em Festa
Parceiros: Reencontro – Associação Social, Educativa e Cultural e Câmara Municipal de Gouveia

Partindo da necessidade de promover um maior grau de consciência e práticas de cidadania, envolvendo os cidadãos com as instituições da comunidade de forma a reduzir desigualdades, fortalecer relações inclusivas, solidárias e intergeracionais e alcançar desenvolvimento com base na participação democrática, o projeto visa a criação de 4 grupos de encontro de crianças, onde as mesmas tomam consciência dos seus direitos, aprendendo a dialogar e a respeitar os direitos dos outros; 7 grupos de encontro de jovens que desenvolvem competências pessoais e sociais e fomentam a solidariedade e participação cidadã e 8 grupos de pais para o desenvolvimento de competências pessoais, sociais e parentais conducentes ao fomento das práticas democráticas e solidárias e a participação na vida da comunidade. Será ainda pedido o apoio das instituições locais, ONG e cidadãos em geral.

As entidades parceiras somam experiência no acompanhamento de crianças, jovens, famílias e grupos vulneráveis e ambicionam fomentar a participação cívica.

Área-chave: Promoção da participação cívica
Projeto iniciado em março de 2014
Apoio aprovado: 100.154€
Mais informação: https://www.facebook.com/aventuramundocidadania
Rua Eulália Mendes
6290-327 Gouveia


B11-200829

exCHANGE | Ativar o Empreendedorismo Feminino

Promovido por PEEP – Plataforma para a Educação do Empreendedorismo em Portugal
Parceiros:  BagaBaga Studios e Nordland Research Institute

O projeto exchange – Ativar o Empreendedorismo Feminino tem como missão promover o empreendedorismo feminino emigrante em Portugal. Esta missão é implementada através de duas abordagens: capacitação de organizações locais que trabalham com mulheres emigrantes e/ou em situação de exclusão social e partilha de histórias de mulheres empreendedoras. Pretende-se que estas histórias se constituam como role-models para que outras mulheres se sintam inspiradas a empreender e que, simultaneamente, ajudem as organizações locais a melhorar as suas práticas de apoio ao empreendedorismo.

Os objetivos deste projeto passam pela promoção da igualdade de género e da inclusão das mulheres, nomeadamente desempregadas e de origem imigrante, no mercado de emprego e na sociedade; pela criação de uma rede que fomente a colaboração e a partilha entre mulheres/técnicos; pela sensibilização dos diferentes setores para a definição de uma estratégia nacional para o empreendedorismo feminino; e pela capacitação de ONG’s e organismos públicos para a concretização de projetos que promovam o empreendedorismo, a igualdade de género e a luta contra a discriminação.

Área-chave: Igualdade de género
Projeto iniciado em janeiro de 2014
Apoio aprovado: 44.269€
Mais informação: http://www.peep.pt/
Fac. de Econ. e Gestão da Univ. Católica Portuguesa, Centro Reg. do Porto, Rua Diogo Botelho, 1327
4169-005 Porto


B21-201021

Centro Anti Discriminação VIH/SIDA

Promovido por GAT – Grupo Português de Ativistas Sobre Tratamentos VIH/SIDA – Pedro Santos
Parceiros: Associação Portuguesa para a prevenção e Desafio à SIDA, Claim Happiness -­ Associação e Direção Geral de Saúde

O principal foco deste projeto é um tipo específico de discriminação – aquela que atinge as pessoas que vivem com VIH. O objetivo é realizar a formação de agentes educativos, assim como dos jovens e pessoas que vivem com VIH, em matérias de igualdade de género e de orientação sexual. Espera-se promover comportamentos saudáveis e de tolerância, e capacitar os professores para trabalhar com os seus alunos, através de atividades específicas, e do uso de atitudes e linguagem específicas.

Além dos professores, o projeto irá capacitar as pessoas infetadas e afetadas pelo VIH e os agentes nas áreas da saúde, laboral e social, para evitar situações de discriminação. Para as pessoas portadoras do VIH, objeto de discriminação, será disponibilizado aconselhamento e apoio jurídico, para que possam defender os seus direitos. Será ainda modernizado e alargado um centro de informação e documentação, e propostas alterações legislativas, com base na sistematização das discriminações reportadas.

Área: Defesa dos Direitos Humanos e das minorias
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 108.553€

  Centro Anti Discriminação VIH/SIDA

 

B21-201136

Vidas Ubuntu

Promovido por IPAV – Instituto Padre António Vieira
Parceiros: Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, gestor do Programa Escolhas, Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais e Associação Aprender e Agir

Este projeto apresentará histórias de vida na primeira pessoa, de jovens provenientes de contextos sociais vulneráveis e de risco. As histórias de vida destes jovens são, muitas vezes, marcadas por grande sofrimento, dificuldades de integração e variados tipos de discriminação.
Estas questões marcantes serão trabalhadas nos workshops e atividades desenvolvidas no projeto. A utilização da metodologia personal storytelling permite uma integração positiva do passado, através de um processo formativo e de consciencialização que valoriza a identidade, reforçando a autoconfiança e promovendo uma cultura de acolhimento, respeito e entreajuda. A equipa de formação interpares é composta por jovens que participaram na Academia Ubuntu, projeto de educação não formal para capacitação de jovens provenientes de contextos de exclusão social.
Os parceiros do projeto participarão, nomeadamente, na mobilização dos jovens beneficiários, na realização de atividades de divulgação e formação, na disponibilização de espaços e no apoio à conceção de conceitos e conteúdos.Áreas: Jovens; defesa dos Direitos Humanos, incluindo os direitos das minorias
Projeto iniciado em Outubro de 2014
Apoio: 116.274€
https://www.facebook.com/pages/Vidas-Ubuntu/323103841216634

B21-201217

Tudo aos direitos – Programa de Promoção da Cidadania e dos Direitos Humanos

Promovido por Agência Piaget para o Desenvolvimento
Parceiros: Instituto de Apoio à Criança e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto

Os jovens chegados aos lares de infância e juventude carecem muitas vezes das condições mínimas necessárias a um crescimento saudável, de competências pessoais e sociais, bem como de figuras de referência para o seu desenvolvimento. Este projeto pretende promover a cidadania junto destes jovens, assim como ajudar ao seu desenvolvimento pessoal e social.
Por outro lado, os técnicos que trabalham com estas crianças necessitam em muitos casos de melhorar as suas competências, e o projeto considerará ainda a sua capacitação, para a promoção da cidadania e da participação cívica dos jovens e para a transposição destes valores para outros contextos da vida.
A um primeiro momento de intervenção e formação junto destes dois grupos-alvo, segue-se uma fase de partilha de experiências e conhecimentos através da educação entre pares. Quer os jovens quer os técnicos irão disseminar os seus conhecimentos e experiências noutras instituições de acolhimento, bem como em seminários e encontros.Áreas: Jovens; promoção da cidadania ativa
Projeto iniciado em Setembro de 2014
Apoio: 69.008€
http://www.apdes.pt/

B21-201416

Laboratório dos Valores Democráticos

Promovido por iLIDH – Instituto Luso-Ilírio para o Desenvolvimento Humano
Parceiro: Voksne for Barn

O projeto pretende promover o desenvolvimento de competências pessoais, sociais e cívicas em crianças e jovens. A abordagem de valores fundamentais será a base para a compreensão, hoje muito necessária na Europa, de conceitos como diversidade, cidadania ou democracia.

O projeto irá recorrer a uma exposição interativa, pedagógica e inovadora, implementada com o apoio do parceiro norueguês. Este laboratório interativo pretende estimular a reflexão em crianças, jovens e suas famílias. Os visitantes serão convidados a fazer escolhas e exercícios, para testar as suas opiniões através de debate com os outros, e para chegar a soluções criativas.

Como o sistema de ensino atual se centra sobretudo nas dimensões técnicas do desenvolvimento de competências, o projeto considera a formação e a sensibilização dos agentes educativos. Estes podem desempenhar um papel importante na formação dos jovens, trazendo para as suas vidas a prática daqueles valores.

Áreas: Jovens; promoção da democracia
Projeto iniciado em Setembro de 2014
Apoio: 105.230€

  Laboratório dos valores democráticos

 
 
 

B21-201481

SEMEAR – Terra de Oportunidades

Promovido por BIPP – Banco de Informação de Pais para Pais
Parceiros: Frustock, Distribuição Alimentar SA e Café 3 – Restauração SA

O ponto de partida do projeto é a escassez de respostas para a integração profissional de jovens com deficiência intelectual e desenvolvimental, que origina desigualdade no acesso ao mercado de trabalho. Visando contribuir para a redução do problema, parceiros de diferentes áreas juntaram-se para criar uma alternativa sustentável de capacitação e inclusão profissional. As famílias dos jovens serão também envolvidas.

Um grupo de 36 jovens de Lisboa, rapazes e raparigas, será integrado numa instituição de ensino superior, da área da agricultura. Os alimentos produzidos serão comercializados numa cadeia de restaurantes, com menção da sua proveniência.

Espera-se passar a mensagem de que jovens com deficiência têm competências e podem contribuir para a sociedade, através de uma integração profissional digna. A visibilidade do negócio social e a sua sustentabilidade financeira vão permitir um novo posicionamento na elaboração de políticas, mais inclusivas, que tenham em conta as necessidades da pessoa com deficiência.

Áreas: Jovens; defesa dos Direitos Humanos, incluindo os direitos das minorias
Projeto iniciado em Setembro de 2014
Apoio: 118.964€
www.bipp.pt


B21-201494

Carry On – Serviços dos Ecossistemas e o seu papel nos processos de apoio a vítimas de Violência Doméstica

Promovido por Sociedade Portuguesa de Vida Selvagem
Parceiros: Câmara Municipal de Braga, Universidade do Minho e Grupo de Ação Social Cristã

O desenvolvimento de metodologias que contribuam para a recuperação de vítimas de violência doméstica é o principal objetivo deste projeto. Será promovida a sua inclusão social, a capacitação individual, a autoestima e o seu bem-estar físico e psicológico, bem como o desenvolvimento de estilos de vida sustentáveis.

O projeto, que decorrerá no norte do país, irá desenvolver atividades baseadas nos serviços dos ecossistemas, recorrendo às competências de um dos parceiros nesta vertente. A relevância dos serviços dos ecossistemas para o bem-estar humano, embora conhecida, é escassamente aproveitada em Portugal para processos de apoio e crescimento individual.

O projeto irá promover a cooperação de diversas entidades que, normalmente, não se associam, numa abordagem integrada e multidisciplinar que pode ser aplicada a outros tipos de grupos-alvo. A participação de entidades de diferentes setores sociais irá potenciar uma maior eficácia no envolvimento de toda a sociedade na defesa dos direitos humanos.

Área: Violência de género
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 93.532€
http://carryon.socpvs.org/


B21-201060

Estrelas do Mar  – Capacitar, Inovar e Integrar

Promovido por Rumo, Cooperativa de Solidariedade Social, Crl
Parceiros: Câmara Municipal da Moita e Câmara Municipal do Barreiro

Reunindo ações para diferentes públicos-alvo, o projeto tem como finalidade ultrapassar ou prevenir a exclusão social, atuando junto de comunidades em risco de pobreza, ONG e entidades públicas no Barreiro e na Moita. As ONG serão capacitadas para a participação nesta importante área de atuação das políticas públicas, sendo a produção e disseminação de conhecimento sobre esta questão uma das tónicas do projeto.

Será providenciada formação especializada na intermediação de questões em grupos desfavorecidos, dirigidos a equipas técnicas e a comunidades em situação de exclusão, e promovida a coordenação da informação e serviços de apoio a nível local, através da criação de uma plataforma intermunicipal de respostas integradas.

Para além dos parceiros formais do projeto, um leque alargado de stakeholders, incluindo nomeadamente a Cruz Vermelha Portuguesa, o Instituto da Segurança Social e o Centro Hospitalar Barreiro-Montijo, participará neste projeto.

Área: Capacitação das ONG
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 87.865€

Estrelas do mar

B21-201116

Aventura na Cidade

Promovido por ARISCO – Instituição para a Promoção Social e da Saúde
Parceiros: Município de Loures, Município de Odivelas e Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa

Nos últimos anos, a crise económica e social agravou os riscos associados à vulnerabilidade social, que agora ameaçam uma maior parcela da população. Este efeito tem-se sentido fortemente nos municípios de Loures e Odivelas, onde se realizará este projeto. Serão desenvolvidas competências sociais e emocionais em crianças do ensino básico, através de um instrumento – um jogo – que fomenta a autonomia e a responsabilização. Trata-se de uma abordagem lúdica e participada de várias temáticas no âmbito da cidadania e da participação cívica.

O projeto prevê, por exemplo, a exploração de temas como a governação no plano autárquico, o desenvolvimento sustentável ou a igualdade de género. O material de jogo inclui atualmente mais de 120 situações de jogo, e pretende-se criar um mínimo de 20 novas situações, envolvendo diferentes tarefas e desafios, relacionadas com a tolerância e compreensão intercultural, o racismo e a xenofobia, a homofobia, o assédio sexual e a violência contra as mulheres.

Áreas: Jovens; promoção da cidadania ativa
Projeto iniciado em Outubro de 2014
Apoio: 89.441€
www.arisco-ipss.org/aventura


B21-201117

Parentalidades

Promovido por Associação Fernão Mendes Pinto
Parceiros: Comissão de Proteção de Crianças e Jovens da Figueira da Foz, Associação Projeto Criar e Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Montemor-o-Velho

O projeto surge da necessidade de abordagens inovadoras para a construção de relacionamentos não-violentos com base na igualdade de direitos entre géneros e para a prevenção da exposição das crianças à violência doméstica. A promoção de novos modelos de organização familiar ajuda a prevenir a violência de género e interrompe a perpetuação de modelos familiares disfuncionais. A construção de novos papéis para homens e mulheres é necessária para o desenvolvimento de relações baseadas na igualdade de direitos e deveres, onde as competências pessoais, sociais e parentais são igualmente valorizadas e assumidas entre géneros.

Existirão ações diferenciadas para os diversos grupos-alvo visados pelo projeto: uma campanha de informação e debate público sobre questões de relações de género; cursos de intervenção para a coparentalidade e desenvolvimento de competências parentais positivas; uma iniciativa para crianças expostas a violência doméstica, com o objetivo de mitigar os seus efeitos negativos; e formação para profissionais que prestam serviços nessas áreas.

Área: Igualdade de género
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 85.646€

 

B21-201318

We stand for Human Rights!

Promovido por Dínamo – Associação de Dinamização Sócio-Cultural
Parceiros: Escola Superior de Educação – Instituto Politécnico de Lisboa, Democracy and Human Rights Education in Europe e Câmara Municipal de Lisboa

O principal objetivo do projeto é reforçar a presença da educação para os direitos humanos a nível nacional, alargando de forma significativa o leque de atores sociais e promovendo uma melhor cooperação entre o sistema de ensino superior e as ONG. O projeto aposta na criação de parcerias oficiais e operacionais, para construir uma rede de cooperação ativa em Portugal, visando a capacitação sobre direitos humanos.
Tendo como principais grupos-alvo os jovens adultos, estudantes e as ONG, o projeto aposta em ferramentas educativas que formem sobre direitos humanos. Refira-se que irá introduzir em Portugal o manual “Compass”, de educação sobre direitos humanos, produzido pelo Conselho da Europa. Este trabalho será complementado com ações de sensibilização destinadas à comunidade escolar – nomeadamente aos professores – e às ONG. Incluirá ainda uma conferência nacional sobre educação para os direitos humanos.Áreas: Jovens; defesa dos Direitos Humanos, incluindo os direitos das minorias
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 64.990€
http://www.dinamo.pt/index.php/dinamo/515-we-stand-for-human-rights-info

We stand for human rights!

 

B21-201349

Ver pela arte

Promovido por Centro Nacional de Cultura
Parceiros: Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal, Escola de Música de Nossa Senhora do Cabo e Faculdade de Motricidade Humana

A música é uma arte acessível às crianças com deficiência visual e, por isso, representa uma forma de partilha e integração com os restantes colegas, mas em Portugal, esta prática é adotada com pouca frequência. Este projeto desenvolverá atividades de cooperação e entreajuda visando atenuar as desigualdades no acesso daquelas crianças e jovens à informação e à cultura. Com medidas apropriadas, estas crianças terão a oportunidade de desenvolver o seu potencial criativo, artístico e intelectual, para benefício próprio e para enriquecimento da Sociedade.

Serão estudadas experiências já realizadas nesta área e adaptado o conhecimento adquirido a um programa integrado que possa ser utilizado pelas escolas de música de todo o país. Outra vertente do projeto relaciona-se com o respeito pela diferença e com a tolerância – as crianças e jovens com visão normal serão sensibilizadas para as dificuldades com que os seus colegas com deficiência visual se deparam.

Áreas: Jovens; defesa dos Direitos Humanos, incluindo os direitos das minorias
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 42.692€


B21-201375

I CARE – Improve Children at Risk

Promovido por Movimento de Defesa da Vida
Parceiros: Junta de Freguesia do Bonfim, Comissão de Proteção de crianças e jovens em risco do Porto Oriental e Associação Democrática de Defesa dos Interesses e da Igualdade das Mulheres

Com este projeto pretende-se promover os valores democráticos, a defesa dos direitos das minorias, sobretudo de crianças e jovens em risco, na região do Porto, mas também das suas famílias, na maioria em situação de exclusão social. O projeto compreende o acompanhamento das crianças e jovens inseridos em contexto de violência e a realização de ações de sensibilização junto dos jovens para os ajudar a resolver os seus problemas sem violência.

A abordagem do projeto contempla ainda o acompanhamento das famílias, sendo de realçar a constituição de grupos de apoio com caraterísticas inovadoras a vítimas indiretas – e não só a vítimas diretas de violência – no âmbito do trabalho com os jovens e suas famílias. Procurar-se-á também estimular e reforçar a constituição de parcerias entre entidades, para aumentar a eficácia da intervenção das ONG sobre esta problemática.

Áreas: Jovens; violência de género
Projeto iniciado em Setembro de 2014
Apoio: 97.523€

I care

B21-201454

MGF, Não!

Promovido por Obra Gay Associação
Parceiro: Liga Portuguesa Contra a Sida

A Mutilação Genital Feminina (MGF) é um crime em Portugal, cometido exclusivamente contra crianças e jovens. Não pretendendo avaliar a cultura das comunidades, minoritárias em Portugal, em que a MGF é praticada, o objetivo deste projeto é diminuir esta prática e prestar apoio psicológico e social a vítimas e às respetivas famílias. Espera-se ainda reduzir o isolamento destas comunidades e promover a tolerância e compreensão intercultural.

Partindo de ações destinadas a romper o isolamento e a exclusão social vividos nestas comunidades, o projeto irá formar e informar acerca das consequências físicas, sexuais e psicológicas da MGF, prevenção da MGF, direitos humanos e das crianças, e sobre doenças sexualmente transmissíveis. Além dos elementos das comunidades, estas ações irão empoderar voluntários e profissionais do ensino e da saúde, para que estes possam implementar medidas de deteção e de prevenção da MGF. Será ainda criado um website e uma linha de apoio e aconselhamento.

Áreas: Jovens; defesa dos Direitos Humanos, incluindo os direitos das minorias
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 75.768€
https://mgfnao.wordpress.com/


B21-201572

Desporto com sentido

Promovido por APCAS – Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal
Parceiros: Direção Geral de Educação – Ministério da Educação e Ciência, Câmara Municipal do Seixal e Faculdade de Motricidade Humana – Universidade de Lisboa

Este projeto pretende melhorar as práticas relacionadas com o desporto adaptado (DA) em Portugal, dotando os stakeholders de ferramentas de excelência para a sua intervenção e diminuindo os obstáculos com que os alunos com necessidades educativas especiais se deparam para aceder às práticas desportivas.

Serão criados e disseminados vários materiais pedagógico-didáticos e desportivos essenciais (um manual generalista de abordagem ao DA e manuais detalhados de modalidades específicas), em literatura e vídeo. Estes recursos são escassos em Portugal e muito necessários para assegurar os direitos das pessoas com deficiência e a sua plena inclusão no sistema educativo e na sociedade.
Este projeto preconiza ainda a criação de um centro de treino de competências para o DA e de uma plataforma virtual com recursos e ferramentas, para apoiar a formação dos técnicos e facilitar o acesso a estudantes na área de desporto e reabilitação. Será ainda realizada uma importante ação de sensibilização para a necessidade da prática desportiva ser acessível a todos, sem exclusões, junto dos intervenientes no terreno e das escolas e comunidades.

Áreas: Jovens; promoção da participação cívica
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 96.733€


B21-201772

Pare, escute, olhe

Promovido por ADCMoura – Associação de Desenvolvimento do Concelho de Moura
Parceiros: Rota do Guadiana – ADI e Agrupamento de Escolas de Moura

Aproveitando a experiência dos parceiros na área da luta contra a discriminação, o projeto incluirá um programa de sensibilização para o problema da intolerância existente relativamente à etnia cigana, dando a conhecer a sua cultura e tradições e contribuindo assim para ultrapassar o desconhecimento que leva a ideias falsas sobre os ciganos.

A capacitação de agentes estratégicos criará condições para a difusão das formas adequadas de intervenção contra a discriminação das comunidades ciganas. Serão realizadas ações de esclarecimento que visam informar os ciganos acerca dos seus direitos. A participação de jovens voluntários ciganos no projeto é também considerada fundamental para a formação dos seus pares.

Outro objetivo é contribuir para a melhoria da linguagem técnica empregue na abordagem das questões relacionadas com estas comunidades. A utilização das tecnologias da informação e comunicação e das redes sociais permitirá ampliar o impacto das ações, do âmbito local para a abrangência nacional.

Área: Luta contra as discriminações
Projeto iniciado em Outubro de 2014
Apoio: 69.030€
http://adcmoura.pt/pareescuteolhe/

Pare, escute, olhe

B21-201773

Programa A PAR: Capacitação Parental e Direitos da Família

Promovido por A PAR – Associação Aprender em Parceria
Parceiros: Pro Dignitate – Fundação de Direitos Humanos e Associação Portuguesa de Apoio à Vítima

O projeto irá intervir, em vários pontos de Lisboa, junto de famílias em situação de fragilidade económica e social que se debatem com desestruturação familiar, dificuldade em aceder a iniciativas educativas de qualidade, insucesso e abandono escolar. Visa prevenir e combater estas situações, e o empoderamento destas famílias.

Serão providenciadas sessões semanais de uma hora, junto de grupos de famílias, abordando temas pertinentes para a educação das crianças e a resolução de problemas familiares, com o enquadramento de técnicos especializados e num ambiente de música, rimas, danças, jogos, “leitura a par” e narração de histórias entre pais e filhos.

As famílias beneficiárias irão melhorar a sua capacidade de apoiar o desenvolvimento dos seus filhos, pela forma de interagir, pela capacidade de os observar e de servir de modelo, pela criação de predisposições positivas para a aprendizagem e pela mitigação do absentismo escolar e da violência doméstica.

Áreas: Jovens; defesa dos Direitos Humanos, incluindo os direitos das minorias
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 80.446€

 Programa A PAR

Na tipologia “Pequenos Projetos”, foram aprovados os seguintes projetos:


 B12-200185

Novos Rostos

Promovido por Sementes de Esperança – Associação de Desenvolvimento do Concelho de Portel

O objetivo do projeto é trabalhar a prevenção e sensibilização relativa ao combate à violência doméstica e promoção da igualdade de género na comunidade do município de Portel. O projeto incluirá quatro campanhas, para o fortalecimento de valores de não-violência e o combate à violência doméstica. Incluirá também oito ações de sensibilização abrangendo 150 jovens e crianças em meio escolar, que abordarão o combate à violência, a igualdade de género e a violência no namoro. Três oficinas de aprendizagem permitirão alargar horizontes nas questões relativas à tolerância, liberdade, não discriminação e contra o racismo.

Finalmente será criado o Gabinete de Apoio à Vítima, o qual permitirá informar, aconselhar, acompanhar e encaminhar situações de violência doméstica pela intervenção individual e familiar. Serão estabelecidos protocolos para atendimento estandardizado de vítimas de violência doméstica, diagnóstico e acompanhamento nas grandes urgências hospitalares e na rede de cuidados de saúde primários.

Área-chave: Violência de género
Projeto iniciado em dezembro de 2013
Apoio aprovado: 21.104€
Mais informação: http://novos-rostos.webnode.pt/projeto-novos-rostos/
Rua do Álamo, 36 – 1º Andar – Apartado 16
7220-909 Portel


B12-200291

NÓS – Projeto de Ação Social e Artística

Promovido por Quarta Parede – Associação de Artes Performativas da Covilhã
Parceiro: Universidade da Beira Interior

Tendo como ponto de partida a necessidade de reflexão e intervenção sobre a problemática do desemprego feminino, este projeto visa incentivar a promoção da igualdade de oportunidades associada ao trabalho e ao emprego, implementar formas inovadoras de minimizar o impacto do desemprego na população feminina através de ações criativas e artísticas e sensibilizar a população do concelho da Covilhã para a importância da igualdade de oportunidades entre mulheres e homens. O projeto propõe 2 núcleos de ação: os Empowerment Labs, laboratórios de formação dirigidos com o objetivo de sensibilizar para a igualdade de género e incrementar as competências de procura/criação de emprego; e o Encontro EmpoderArte, que visa reunir agentes do poder, instituições, empresas, associações, media e a população local num espaço de promoção e reflexão sobre estes temas.

A parceria terá um papel fundamental no recrutamento de participantes e na dinamização das sessões e pretende estabelecer contactos com organizações como o Centro de Emprego da Covilhã (IEFP), o Teatro das Beiras e os media locais e regionais.

Área-chave: Igualdade de género
Projeto iniciado em novembro de 2013
Apoio aprovado: 21.415€
Mais informação: http://nosprojetoacaosocialeartistica.wordpress.com/
Rua Celestino David, Lote 4, R/C Dto.
6200-072 Covilhã

  NÓS - Projeto de Ação Social e Artística

B12-200318

Comunidades Ativas contra o Tráfico

Promovido por Associação de Estudos Estratégicos e Internacionais

O projeto tem como objetivo a criação de Comunidades Ativas Contra o Tráfico de Pessoas em Odemira e Odivelas, com redes de ação local permanentes compostas por entidades e indivíduos que atuam sobre o problema. O projeto piloto é baseado nas metodologias da Community in Action implementadas no Reino Unido. Através do estreitamento de relações entre instituições, pretende-se a criação de redes de ação local que desenvolverão sistemas de recomendação e planos de ação, ao mesmo tempo que se sensibiliza a comunidade e promove o seu envolvimento no combate ao tráfico humano. O impacto do projeto a longo prazo irá ajudar as vítimas de tráfico humano na comunidade, prevenir futuras vítimas e ao mesmo tempo contribuir para a capacitação de vítimas e outros atores-chave.

O projeto envolverá na sua implementação outras ONG com intervenção na proteção da vítima e companhas de prevenção do tráfico de pessoas.

Área-chave: Defesa dos Direitos Humanos e das minorias
Projeto iniciado em dezembro de 2013
Apoio aprovado: 22.402€
Mais informação: http://nsispt.blogspot.pt/2014/03/comunidades-ativas-contra-o-trafico-de.html
Alameda Roentegen, 6, 3º Esq
1600-759 Lisboa

  Comunidades Ativas contra o Tráfico

B12-200420

A Par e Passo

Promovido por Caritas da Ilha Terceira

O projeto, que visa favorecer o sucesso escolar, contribuir para a redução do absentismo e dos problemas disciplinares dos alunos e facilitar a aproximação à escola de alunos em situação de abandono escolar, irá decorrer na Escola Básica e Secundária Tomás de Borba, em Angra do Heroísmo. O projeto é constituído por ações de mentoring, envolvendo 3 mentores e 24 jovens que receberão acompanhamento individual semanal, mediação familiar e contacto com diretores de turma; oficinas de expressão artística, abertas a todos os alunos, com o especial cuidado de integrar alunos acompanhados pelo projeto e jovens em abandono escolar identificados na comunidade. Incluirá ainda oficinas de descoberta vocacional destinadas a aproximar informalmente os jovens às profissões.

As atividades do projeto serão articuladas com ações da rede de Centros de Desenvolvimento e Inclusão Juvenil, com programas regionais de ocupação de tempos livres da Direção Regional da Juventude, entre outros.

Área-chave: Problemas das crianças e jovens
Projeto iniciado em novembro de 2013
Apoio aprovado: 14.879€
Mais informação: http://caritas.pt/terceira/index.php/intervencao/cdij/projetos-cdij-cit/a-par-e-passo
Canada dos Folhadais, nº 54
9700-054 Angra do Heroísmo


B12-200434

Projeto Acolhida: Estamos aqui, e agora?

Promovido por Casa do Brasil de Lisboa

Tendo como meta principal a promoção da integração da população imigrante na sociedade portuguesa, nomeadamente no mercado de trabalho, pretende-se com o projeto desenvolver competências através da formação, sensibilização para o fenómeno da discriminação no mercado de trabalho e valorização da trajetória pessoal, como ferramenta de capacitação. As ações serão desenvolvidas em 4 áreas: ações de formação, para dar resposta a lacunas encontradas, como o domínio da língua inglesa ou ferramentas informáticas; ações de sensibilização dirigidas a empregadores, escolas e autarquias de modo a promover o tratamento igualitário; elaboração de guias direcionados à comunidade imigrante sistematizando a informação sobre direitos e deveres; e encontros de ajuda mútua onde se fomenta a troca de experiências relacionadas com a adaptação às novas realidades da imigração e do desemprego.

Prevê-se o estabelecimento de parcerias com outras associações, e ainda com juntas de freguesia, gabinetes de inserção profissional e demais instituições que possam vir a ser úteis para a prossecução dos objetivos definidos.

Área-chave: Promoção da cidadania ativa
Projeto iniciado em dezembro de 2013
Apoio aprovado: 22.294€
Mais informação: http://projetoacolhida2014.wix.com/projeto-acolhida-cbl
Rua Luz Soriano, 42
1200-248 Lisboa

  Projeto Acolhida: Estamos aqui, e agora?

B12-200462

Casa Aqui – Primeiros Passos

Promovido por Casa Qui – Associação de Solidariedade Social

As situações de violência doméstica motivadas por questões de orientação sexual e identidade ou expressão de género representam um risco para a saúde mental e inclusão de pessoas LGBT, tendo em conta a estigmatização que lhes está associada. É também problemática a desinformação persistente em relação a estes temas, inclusivamente por parte de técnicos de saúde, e que se traduz em práticas médicas desadequadas. O projeto vem assim estudar as experiências, respostas e necessidades das entidades de proteção de crianças e jovens e de apoio à vítima em casos de emergência e violência domésticas por motivo de homofobia, bifobia ou transfobia; e sensibilizar os profissionais das áreas de apoio à vítima, nomeadamente de crianças e jovens e da saúde mental, para as questões da orientação sexual e identidade ou expressão de género, para que as suas instituições adaptem as suas respostas às necessidades específicas desta população.

Área-chave: Luta contra as discriminações
Projeto iniciado em dezembro de 2013
Apoio aprovado: 22.419€
Mais informação: http://www.casa-qui.pt/index.php/missao/projetos/22-projeto-casa-aqui-primeiros-passos
Rua Dr. José Saraiva, Nº 42 3º Esq.
1800-183 Lisboa

  Casa Aqui - Primeiros Passos

B12-200465

[email protected]

Promovido por Associação Viver Campolide

O projeto envolverá ONG e poder local no sentido de promover a participação cidadã, o envelhecimento ativo e a solidariedade intergeracional entre a população do bairro Lisboeta de Campolide. O enfoque será dado aos cidadãos mais idosos e a uma abordagem que os capacite enquanto produtores e intervenientes nos processos decisórios, e não apenas enquanto consumidores de respostas sociais e culturais.

A criação de um grupo de teatro, recorrendo à metodologia do Teatro do Oprimido, servirá de pano de fundo à promoção da reflexão, debate e estímulo à ação. Ao longo das sessões de formação/ensaios, os cidadãos farão a identificação das problemáticas a trabalhar e procurarão criar soluções práticas que melhorem a sua vida quotidiana. De uma forma lúdica, dinâmica e emocional, os participantes serão envolvidos no processo de resolução de problemas comuns, o que tem efeitos positivos ao nível da sua autoestima e valorização social.

Numa fase posterior, a realização de sessões de trabalho com outros grupos locais, sobretudo de crianças e jovens, e a condução de apresentações públicas das peças criadas, permitirá o envolvimento e participação da comunidade no seu todo, enquanto agente ativo na criação de respostas que tragam efetiva produção e transformação social. A finalidade será a elaboração de propostas formais de ação a serem articuladas com as autoridades e ONG locais.

Área-chave: Promoção da cidadania ativa
Projeto iniciado em novembro de 2013
Apoio aprovado: 12.514€
Mais informação: https://www.facebook.com/AssociacaoViverCampolide
Rua de Campolide, 24B
1070-036 Lisboa

  Associação Viver Campolide

B12-200466

Laboratório para a Igualdade através do Teatro Fórum

Promovido por GTO LX – Grupo de Teatro do Oprimido de Lisboa
Parceiro: UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta

O objetivo central do projeto é a promoção da Igualdade de Género, centrando-se a ação num trabalho de empoderamento conjunto de vítimas de discriminação e violência de género e das técnicas sociais que lhes prestam assistência. A atividade principal passa pela criação de um laboratório, na forma de um grupo de partilha e reflexão, onde se abordam casos reais e se procura em coletivo entender e investigar o porquê de dinâmicas de discriminação, assédio e violência, e das reações das vítimas. No laboratório será elaborada uma peça de Teatro Fórum a apresentar publicamente em 3 locais distintos, provocando um diálogo com outras mulheres, e com o público em geral, e lançando a questão de como poderemos minimizar a injustiça e produzir mudança social nas atitudes e respostas a estas formas de agressão.

Após a apresentação e respetivos fóruns com os espetadores – “espet-atores” – será realizado um workshop para a elaboração de propostas concretas sobre o tema com as técnicas e o público, que resultará na redação de uma memória descritiva do projeto – um panfleto ativista pela Igualdade de Género.

Através do processo as técnicas serão capacitadas para funcionarem como multiplicadoras das mudanças a operar, ao aplicarem, no seu trabalho diário com as vítimas as técnicas e soluções aprendidas. Adicionalmente, conseguir-se-á a capacitação da ONG parceira que ficará na posse da metodologia do Teatro do Oprimido.

Área-chave: Igualdade de género
Projeto iniciado em outubro de 2013
Apoio aprovado: 22.500€
Mais informação: https://www.facebook.com/GTOLX
Travessa Corpo Santo, 21 2º
1200-131 Cais do Sodré – Lisboa

  Laboratório para a Igualdade através do Teatro Fórum

B12-200657

Imigração, Género e Cidadania

Promovido por Solidariedade Imigrante – Associação para a Defesa dos Direitos dos Imigrantes

O projeto pretende abordar uma importante questão de dupla discriminação – género e migrações – trabalhando junto de mulheres imigrantes no sentido de as sensibilizar, prestar informação acerca dos seus direitos e apoiá-las com soluções customizadas. A promoção da autonomia e capacitação destas mulheres para a reivindicação dos seus direitos passará por 3 tipos de atividades: atendimento personalizado, mobilização e sensibilização.

A primeira componente consiste na implementação de um gabinete de atendimento, onde estas imigrantes poderão encontrar alguém que domine a sua língua e cultura de origem e lhes preste apoio em questões de âmbito jurídico, social, etc. O promotor pretende, igualmente, formar um grupo de imigrantes voluntárias que sejam agentes ativas de sensibilização e transmissão de informação nos seus diversos contextos de vida – bairros, redes familiares e trabalho. Finalmente, estas mesmas cidadãs participarão na organização de um conjunto de ações formais de sensibilização.

O projeto é promovido por uma associação que opera na região de Lisboa e cujos colaboradores são maioritariamente imigrantes, o que exponencia as relações de confiança com o grupo-alvo.

Área-chave: Promoção da cidadania ativa
Projeto iniciado em novembro de 2013
Apoio aprovado: 22.499€
Mais informação:http://www.solimigrante.org/?cat=28 
Rua da Madalena, nº8, 2º andar
1100-321 Lisboa

  Imigração, Género e Cidadania

B12-200772

C.S.I – Conhecer, Socializar e Integrar

Promovido por Cruz Vermelha Portuguesa

O projeto é especificamente destinado às necessidades de dois grupos-alvo distintos na sociedade civil: migrantes e vítimas de Tráfico de Seres Humanos (TSH). Ambos são grupos desfavorecidos na sociedade Portuguesa que precisam ser integrados através de uma participação ativa e aumento de conhecimento e consciencialização acerca dos seus direitos.

Um dos objetivos é criar condições para que técnicos e voluntários possam fornecer informações relevantes e ajuda, garantindo o acesso a serviços de apoio relativos aos direitos e deveres destes grupos. Várias atividades no âmbito do projeto irão contribuir para melhorar a resposta da rede do promotor, de 152 delegações em todo o país, para as questões relacionadas com os grupos-alvo. Também serão realizadas sessões de informação junto de migrantes e vítimas de THB, e distribuídas informações impressas. Serão desenvolvidas atividades junto da comunidade escolar que sensibilizem sobre os Direitos Humanos e dos direitos das minorias envolvidas. Por último, será também realizada uma conferência sobre o tema.

Área-chave: Defesa dos Direitos Humanos e das minorias
Projeto iniciado em dezembro de 2013
Apoio aprovado: 22.473€
Mais informação: https://www.facebook.com/pages/CSI-Conhecer-Socializar-e-Integrar/
Jardim 9 de Abril de 1 a 5
1249-083 Lisboa

  C.S.I - Conhecer, Socializar e Integrar

B12-200774

3 Ds Direitos e Deveres pela Dignidade

Promovido por Cooperactiva – Cooperativa de Desenvolvimento Social
Parceiros: Câmara Municipal de Cascais e Direção Nacional da PSP – Divisão de Cascais

O projeto centrar-se-á na promoção da cidadania ativa e na defesa dos Direitos Humanos das vítimas de violência doméstica. Simultaneamente, procurará dar um contributo para a eficaz execução das políticas públicas nesta matéria, concorrendo para a melhoria da aplicação dos normativos nacionais e comunitários em matéria de prevenção, proteção e apoio às vítimas deste crime.

De forma a debelar o isolamento das vítimas e fragilidade no contacto com o sistema de justiça, o promotor investirá numa abordagem bidirecional. Num primeiro nível, o trabalho incidirá junto das vítimas, em particular de mulheres imigrantes de origem guineense, população entre a qual a problemática é agudizada por questões de âmbito cultural. O objetivo será melhorar o seu acesso à informação acerca do processo judicial de penalização da violência doméstica (elaboração de materiais informativos, ações de sensibilização, criação de grupo de ajuda mútua). A um segundo nível, haverá qualificação de recursos humanos, focada nos serviços públicos competentes, sobretudo os tribunais e a polícia criminal.

As atividades serão levadas a cabo no concelho de Cascais em parceria com autoridades públicas locais.

Área-chave: Violência de género
Projeto iniciado em dezembro de 2013
Apoio aprovado: 22.032€
Mais informação: https://www.facebook.com/3DDDignidade
Rua das Minas, lote 11 – Loja A. Bairro do Zambujal
2610-111 Amadora


B12-200835

Oficina da Diabetes – Projeto de formação em Diabetes para a inclusão social

Promovido por Fundação Ernesto Roma
Parceiros: Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal e Programa Nacional para a Diabetes

O projeto será um instrumento de promoção da igualdade de oportunidades no acesso ao emprego para mulheres imigrantes, potenciando a sua inclusão social e profissional através da qualificação para o desempenho de funções de assistência a crianças e idosos com diabetes. As suas atividades centrar-se-ão no desenvolvimento e implementação de 4 cursos de formação, de doze horas cada, e respetivos materiais pedagógicos. Os cuidados específicos a prestar a pessoas com diabetes, a atividade física e as práticas culinárias a eles adaptadas serão os temas focados por uma equipa de formadores especializados, de uma forma prática, que vise facilitar e motivar as aprendizagens.

O projeto será desenvolvido com o apoio de ONG locais que prestam apoio às cerca de 40 mulheres imigrantes a envolver, em parceria com uma associação especializada em formação na área da diabetes, em particular a diabetes pediátrica, e com o Programa Nacional para Diabetes que deverá contribuir para a credibilização e mais ampla divulgação das atividades.

Área-chave: Defesa dos Direitos Humanos e das minorias
Projeto iniciado em dezembro de 2013
Apoio aprovado: 16.432€
Mais informação: http://fundacaoernestoroma.org/atividades/projectos
R. Rodrigo da Fonseca, 1
1250-203 Lisboa


B12-200840

Comunicar +

Promovido por APCAS – Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal
Parceiro: Câmara Municipal do Seixal

O projeto visa melhorar a comunicação de crianças e jovens com paralisia cerebral e doenças neurológicas; disponibilizar ferramentas de informação e comunicação aos estudantes com paralisia cerebral; e dotar as suas cadeiras de rodas com mais e melhores meios tecnológicos. Estes jovens são dos que apresentam mais dificuldades em efetuar o seu percurso escolar com sucesso, não apenas o académico, mas também a nível de integração e participação nas atividades escolares e sociais. A dificuldade na comunicação e/ou mobilidade impede-os de explorarem as suas capacidades na plenitude. Torna-se portanto necessária a avaliação das características e necessidades de cada individuo; a aquisição e instalação de equipamento adequado e software; a formação dos beneficiários, famílias e docentes; a habilitação dos envolvidos no processo para o uso, exploração e manutenção do equipamento; e a sensibilização dos pares em contexto de turma para a problemática em questão. A parceria formal com a CM do Seixal proporciona não só a cedência de um espaço físico, onde irá ser estabelecida a sede da entidade promotora e onde será promovido o projeto, como constitui também um apoio imprescindível em termos da integração dos beneficiários na comunidade local.

Área-chave: Promoção da cidadania ativa
Projeto iniciado em dezembro de 2013
Apoio aprovado: 21.888€
Mais informação: http://paralisiacerebral.pt/comunicar-mais/
Rua Rodrigues Lapa nº 2-A
2845-132 Amora


B12-200843

Formação e Sensibilização – Igualdade de Género, Violência de Género e Tráfico de Seres Humanos

Promovido por Associação Conversa Amiga

Certas questões de direitos humanos, tais como a igualdade de género, violência de género e tráfico de seres humanos, necessitam de conhecimentos específicos que nem sempre estão disponíveis para quem enfrenta os problemas concretos.

O projeto destina-se a preparar agentes sociais como assistentes sociais e voluntários de ONG, ou outras entidades que possam direta ou indiretamente lidar com populações de risco, dando formação que assegure que eles se tornam mais capazes de lidar com as questões referidas. Por outro lado, também serão preparados professores e formadores que podem sensibilizar e proporcionar formação sobre os temas propostos nos seus locais de trabalho e atividades de intervenção. Haverá também ações de sensibilização dirigidas a populações vulneráveis. Após a conclusão das atividades, os beneficiários deverão ser capazes de difundir conhecimento sobre estas problemáticas dentro de suas organizações, o que resultará num efeito multiplicador.

Área-chave: Igualdade de género
Projeto iniciado em dezembro de 2013
Apoio aprovado: 12.438€
Mais informação: http://conversa.pt/aca-formacao/aca-cidadania-ativa/
R. Prof. Maria de Lurdes Belchior Lote 21 Loja a
1900-916 Lisboa

  Formação e Sensibilização - Igualdade de Género, Violência de Género e Tráfico de Seres Humanos

B22-201284

Ativa a tua Cidadania

Promovido por Solidariedade Imigrante – Associação para a Defesa dos Direitos dos Imigrantes
Parceiro: FAIASCA – Federação das Associações de Imigrantes e Amigos do Sector de Calequisse em Portugal

O objetivo do projeto é capacitar mulheres imigrantes para enfrentar situações como a exploração laboral, violência de género, racismo ou discriminação. Através deste trabalho, as duas ONG parceiras esperam tornar-se mais eficazes na sua ação de promoção da coesão social.

O projeto irá capacitar as beneficiárias, através de atendimento individualizado, com informação acerca dos seus direitos e deveres. Pretende ainda detetar outros problemas com que as mulheres se debatam, e dar início a um processo de apoio individual. Serão também realizadas atividades coletivas sobre os temas referidos, com o apoio de trabalho voluntário das próprias beneficiárias. Após o projeto, estas poderão ser integradas em outras atividades e transmitir a sua experiência.

Será também realizado um documentário sobre estas mulheres, destinado ao público em geral, retratando a sua relação com o trabalho e com as instituições, bem como os desafios à sua integração.

Área: Promoção da cidadania ativa
Projeto iniciado em Outubro de 2014
Apoio: 22.381€


B22-201423

Ponto Final

Promovido por Santa Casa da Misericórdia de Oliveira de Azeméis

Este projeto pretende responder ao problema da violência doméstica em Oliveira de Azeméis, através de ações pedagógicas e do apoio a vítimas de violência por parceiro íntimo, bem como às crianças envolvidas nestas situações. Serão realizadas ações articuladas com o sistema de ensino e associações juvenis para conferir visibilidade ao fenómeno da violência doméstica e tentar preveni-lo.

Está prevista a produção e divulgação de materiais informativos e a realização de ações de sensibilização, procurando o envolvimento de alunos, de pais e da comunidade na compreensão de direitos e deveres de cada um, homens e mulheres, e das consequências da violência doméstica. A formação dos técnicos que acompanham estas situações também é contemplada, de modo a melhorar a sinalização dos casos, assim como a abordagem ao agressor. Está ainda prevista a criação de um gabinete de atendimento a agressores e vítimas, que disponibilizará serviços de apoio psicológico, encaminhamento e informação jurídica.

Área: Violência de género
Projeto iniciado em Outubro de 2014
Apoio: 22.586€
https://www.facebook.com/pages/PONTO-FINAL/

Ponto Final

B22-201692

Trafico Humano no sector do turismo – papel das empresas na prevenção e difusão de boas práticas

Promovido por Associação de Estudos Estratégicos e Internacionais

O objetivo deste projeto é a prevenção do tráfico de seres humanos e a reintegração social das vítimas, maioritariamente mulheres alvo de exploração laboral e sexual. Nunca foi realizado em Portugal qualquer projeto especificamente dedicado ao tráfico de seres humanos no setor do turismo, sobre o qual este fenómeno tem particular incidência. O projeto trará as melhores práticas internacionais no setor turístico para Portugal, e procurará mobilizar o setor privado para esta importante questão de direitos humanos, promovendo a cooperação entre as empresas e a sociedade civil.
Serão sensibilizados e capacitados responsáveis e colaboradores de empresas do setor do turismo para a deteção e a prevenção, e promovida uma campanha de sensibilização. O projeto permitirá ainda criar um sistema de referenciação e proteção para as vítimas; e terá uma vertente de diagnóstico e investigação sobre o fenómeno em Portugal.Área: Defesa dos Direitos Humanos e das minorias
Projeto iniciado em Novembro de 2014
Apoio: 23.746€
 

B22-201712

AtivArte – Contra a violência e pela igualdade de género

Promovido por SYnergia – Centro Jovem de Santo Adrião
Parceiros: União de Mulheres Alternativa e Resposta e KRIZO – Educação, Arte e Cidadania

O projeto pretende promover a igualdade de género e a não-violência através da sensibilização de crianças e jovens da região de Braga, realçando a importância da diversidade e da tolerância. Para atingir o objetivo de melhorar a prevenção primária de situações de violência de género e comportamentos de discriminação, o promotor aposta em metodologias participativas que estimulam a criatividade e a expressão artística, como a desconstrução e reconstrução de histórias, tendo por base os direitos fundamentais.

Espera-se que os jovens assumam um papel ativo na construção de uma cidadania plena, sem exclusão social, e que venham a divulgar junto do resto da sociedade os princípios e boas práticas adquiridos no sentido da igualdade, da compreensão entre as culturas e da justiça social. Pretende-se ainda envolver os docentes, capacitando-os para a abordagem integrada da igualdade e da participação cívica junto dos alunos.

Áreas: Jovens; igualdade de género
Projeto iniciado em Outubro de 2014
Apoio: 23.851€

Ativarte - Contra a violência e pela igualdade de género