Cinemas e Independência II

Ciclo de Cinema ao ar livre com a curadoria de Olivier Hadouchi

Slider de Eventos

Qual é a herança, o alcance e o significado das independências africanas – por vezes adquiridas após lutas particularmente violentas e difíceis – para os descendentes de africanos, filhos de impérios desfeitos que vivem na Europa ou em África e mantêm relações com os dois continentes? Mesmo quando surgem indiretamente, as convulsões das guerras pela independência africana alimentam as obras de artistas nascidos várias décadas depois.

Na mesma data, as cineastas Ariel de Bigault e Amalia Escriva estarão presentes na conversa sobre Cinema e pós-memórias com o realizador Silas Tiny e o curador do ciclo, Olivier Hadouchi.


FILMES

Margem Atlântica (2006)
Ariel de Bigault / Portugal – França / 57 min

Este documentário parte ao encontro de artistas que têm em comum uma ligação pessoal com África, terra das suas origens, famílias, infâncias. Esta íntima relação alimenta as suas criações e sustem as suas atitudes. A dinâmica do filme suscita encontros num percurso lisboeta, real e poético, desenhando um enredo artístico multifacetado e mestiçado.

Com Mariza, José Eduardo Agualusa, Amélia Muge, João Afonso, Zézé Hurst, Kalaf Ângelo, Ângelo Torres, Teatro Pau Preto e a banda Cool Hipnoise.
Argumento e realização Ariel de Bigault
Imagem Leonardo Simões
Som Olivier Blanc
Captação de música Paulo Abelho
Montagem Claudio Martinez e Gaetan Le Martelot
Mistura Paul Scemama
Produção Anne Marie La Toison (FMC) e Hubert Niogret (Filmoblic), Rui Simões (Lisboa), FMC e Filmoblic (França) e Real Ficção (Portugal).
Apoios
ICAM, RTP, TV5, CNC, France Ô, Lalocale

 

Dans les fils d’argent de tes robes (1996)
Amalia Escriva / França / 52 min

Um filme que explora o legado da guerra da Argélia, a dor causada pela perda de um país, de lugares queridos, da juventude, o desaparecimento de um tio. Mas parece que, para a segunda geração, descendente de repatriados criados na França e proibidos de falar, a dor dos seus pais era tão grande que ocupava muito espaço.

Realização Amalia Escriva
Argumento Amalia Escriva e Sophie Reiter
Imagem Robert Escriva e Jean-René Duveau
Montagem Sophie Reiter
Som Stéphane Thiébaut
Mistura de som Valérie Cadène
Voz cantada Laure Stern
Com os testemunhos de Agnès Escriva, Caroline Escriva, Christine Escriva, Emmanuelle Escriva, Jean-Claude Escriva, Sophie Escriva, Yves Escriva.
Produção IO Production Dominique Pailler, Jackie Chavance
Copyright 1996. IO Production, Telessonne


Jardim de Verão: Ciclo de Cinema

Este ciclo de cinema ao ar livre realiza-se em 6 sessões no âmbito da exposição Europa Oxalá e está integrado na programação do Jardim de Verão 2022.

Saber mais

A Fundação Calouste Gulbenkian reserva-se o direito de recolher e conservar registos de imagens, sons e voz para a difusão e preservação da memória da sua atividade cultural e artística. Caso pretenda obter algum esclarecimento, poderá contactar-nos através de [email protected] .

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.