50 Anos de Arte Portuguesa

50.º Aniversário da Fundação Calouste Gulbenkian

Exposição coletiva organizada pelo Serviço de Belas-Artes, integrada nas Comemorações do cinquentenário da Fundação Calouste Gulbenkian. Comissariada por Raquel Henriques da Silva, Ana Filipa Candeias e Ana Ruivo, a mostra reuniu cerca de uma centena de obras da coleção do Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão.
Collective exhibition organised by the Fine Arts Service, included in the events to celebrate 50th years of the Calouste Gulbenkian Foundation. Curated by Raquel Henriques da Silva, Ana Filipa Candeias and Ana Ruivo, the show included around 100 artworks from the Modern Art Centre José de Azeredo Perdigão.

Exposição coletiva organizada pelo Serviço de Belas-Artes da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) e integrada nas comemorações do cinquentenário da Fundação, que deu a conhecer ao público cerca de uma centena de obras com as quais assinalou cinquenta anos de produção artística portuguesa. Comissariada por Raquel Henriques da Silva, a mostra integrou obras da coleção do Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão (CAMJAP), articuladas com documentação dos arquivos sobre os artistas apoiados pela FCG, com bolsas ou subsídios, desde 1957 até à data da exposição.

Além de Raquel Henriques da Silva, professora de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa e ex-diretora do Museu do Chiado, a curadoria do projeto e o trabalho de investigação (que teve como fonte principal os Arquivos Gulbenkian) ficaram a cargo de Ana Filipa Candeias, especialista em Arte do Século XX, e Ana Ruivo, licenciada em História da Arte e, então, colaboradora permanente do jornal Expresso e da revista Op.

A seleção dos artistas presentes na exposição – Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992), Bartolomeu Cid dos Santos (1931-2008), José Malhoa (1855-1933), Alberto Carneiro (1937-2017), José de Almada Negreiros (1893-1970), António Charrua (1925-2008), entre muitos outros nomes que fizeram parte das dinâmicas criadas no período entre 1957 e 2007 – teve como critério-base não tanto as obras de arte acabadas, mas a qualidade e singularidade dos documentos presentes nos arquivos do Serviço de Belas-Artes, que diziam respeito, na sua maioria, às bolsas e subsídios concedidos pela FCG (Memória descritiva, 2007, Arquivos Gulbenkian, SBA 21313). O conceito da exposição foi construído em torno dos «textos, esquemas, esquissos, cadernos ou livros de artista, fotografias, diapositivos, ou registo vídeo», privilegiando mais os processos e as experiências presentes em cada uma das obras expostas (ou não, conquanto em alguns casos foi decidido que se destacaria apenas a documentação relativa a estes trabalhos) (Ibid.).

O critério utilizado acabou por ser bastante alargado: por um lado, apesar de alguns artistas não possuírem documentação nos arquivos, foram integrados nesta iniciativa por terem feito parte das primeiras exposições de artes plásticas organizadas pela Gulbenkian; por outro lado, artistas que não figuravam na coleção do CAMJAP foram escolhidos com base na qualidade dos seus processos (Ibid.).

O projeto expositivo desenvolveu-se ao longo de vários espaços da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG): na Galeria de Exposições Temporárias, pisos 0 e 01, da Sede e no Bar do Museu Calouste Gulbenkian. As curadoras propuseram que a exposição saísse, igualmente, para fora deles, procurando integrar «as obras dispostas nas áreas de circulação (caso de Artur Rosa, Palolo, Almada, Victor Fortes e Victor Pomar [sic]) e recebendo outras (caso da “Floresta…” de Alberto Carneiro» (Ibid.).

O início da exposição foi pontuado por duas obras, Cegos de Madrid (1957), de Júlio Pomar, e Os Cegos de Praga XII (1998), de Pedro Cabrita Reis. A seleção destas obras como ponto de partida da mostra justificou-se pela sua cronologia, pelos seus autores, pelo destaque, não de uma hierarquia, mas sim de uma homenagem a sucessivas gerações e pela sua carga iconográfica, uma vez que a «cegueira é um território metafórico: representa-se o que se vê, o que se sonha, o que se esquece?» (50 Anos de Arte Portuguesa [Jornal de exposição], 2007, p. 10).

As obras e a documentação expostas no piso 0 foram dispostas segundo uma organização temática em torno de cinco núcleos: «Meios/Processos»; «Signos/Códigos»; «Corpo/Identidade»; «Espaço/Lugares» e, finalmente, «Tempo/História».

A categoria «Meios/Processos», caracterizada pela quebra dos modelos académicos, surgia como uma «espécie de coluna vertebral da exposição», e todas as outras se desenvolviam em seu redor.

No piso 01, o discurso expositivo era acompanhado pela apresentação de uma faixa cronológica com os principais momentos da atuação da FCG no panorama artístico português ao longo do século XX. Esta cronologia, que era completada com documentação e material fotográfico, serviu de porta de entrada para os núcleos aí apresentados (Memória descritiva, 2007, Arquivos Gulbenkian, SBA 21313).

Iniciando em dezembro de 1957, com a «I Exposição de Artes Plásticas» (a primeira grande ação por parte da FCG no âmbito do apoio às artes plásticas nacionais), o percurso da exposição no piso 01 desenvolvia-se posteriormente com a referência a outros momentos fundamentais: a «II Exposição de Artes Plásticas», organizada em 1961, depois do sucesso da primeira edição, dando destaque à inclusão da arquitetura; a «III Exposição de Artes Plásticas», em 1986, que criou uma abertura às áreas da instalação, fotografia e vídeo e ao núcleo do grupo KWY, constituído por Lourdes Castro (1930), René Bertholo (1935-2005), José Escada (1934-1980), António Costa Pinheiro (1932-2015), João Vieira (1934-2009), Gonçalo Duarte (1935-1986), Christo (1935-2020) e Jan Voss (1936), que organizou a sua primeira exposição com subsídio da Fundação Calouste Gulbenkian. Para concluir, este piso apresentava uma categoria dedicada ao evento «Sete Artistas ao Décimo Mês», ciclo expositivo que tinha como propósito escolher artistas sobre os quais ainda não existisse uma visão institucional, constituindo assim uma oportunidade fundamental para divulgar a sua obra.

O meio do percurso era marcado pela «extraordinária» Bandeira Nacional do Grupo Puzzle, formado em 1976 por Carlos Carreiro (1946), João Dixo (1941-2012), Albuquerque Mendes (1953), Graça Morais (1948), Pedro Rocha (1945), Jaime Silva (1947), Dário Alves (1940), Fernando Pinto Coelho (1951) e Armando de Azevedo (1946-2020), e que em 1978 ganhou uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian para levar a cabo um levantamento sobre o tema «O Kitsch e o Mau Gosto em Portugal» (Memória descritiva, 2007, Arquivos Gulbenkian, SBA 21313).

Outro espaço (não muito comum) que foi integrado nesta iniciativa foi o Bar do Museu Calouste Gulbenkian, que, após alguns anos, voltou a apresentar o conjunto de oito pinturas encomendadas em 1968 para decorar o seu interior. As comissárias decidiram então propor a reconstrução da antiga Brasileira do Chiado (instalando o conjunto neste espaço), cujas obras tinham sido selecionadas, na sua maioria, por José Sommer Ribeiro, que distinguira, na altura, «os principais renovadores da arte portuguesa dos anos 50, Resende e Lanhas no Porto, Pomar, Azevedo, Rodrigo e Menez em Lisboa» (50 Anos de Arte Portuguesa [Jornal de exposição], 2007, p. 8).

A exposição foi alvo de uma extensa divulgação, tendo sido acompanhada pela publicação de um catálogo que contém a reprodução fotográfica das obras, inúmeros textos e a lista dos artistas representados na exposição. Antes de entrar no detalhe de cada núcleo e das peças expostas, o catálogo apresenta um ensaio redigido pela comissária principal, Raquel Henriques da Silva, intitulado «50 Anos de Arte Portuguesa. Do Projecto à Exposição», no qual a historiadora aborda a motivação que a levou à organização desta mostra, destacando a importância dos arquivos do SBA, «capazes de ampliar, questionar e densificar a história actualmente existente» (50 Anos de Arte Portuguesa, 2007).

Foi ainda organizado um amplo programa cultural com o principal intuito de recuperar o ambiente de «tertúlia» que se viveu, por exemplo, na cafetaria do museu. Este programa compreendeu, além de um grande número de visitas guiadas, um ciclo de eventos audiovisuais sobre os artistas, três mesas-redondas e um curso livre.

A sessão de audiovisuais, que decorreu no Auditório 3 da Sede da FCG entre 18 e 22 de junho de 2007, disponibilizou a reprodução de um conjunto de 18 filmes, todos eles sobre artistas representados na exposição, como no caso de Ana Hatherly. A Mão Inteligente (2002), de Luís Alves de Matos, ou Julião Sarmento. Flashback (2000), de Renata Sancho.

As mesas-redondas, que decorreram nos dias 27, 28 e 29 de junho de 2007, contaram com a presença de especialistas, como Manuel da Costa Cabral, diretor do Serviço de Belas-Artes da FCG, o crítico de arte João Pinharanda, o poeta e político José Augusto Seabra, entre outros, que debateram temas relacionados com a arte contemporânea.

O curso livre, orientado por Carla Mendes, colaboradora do Serviço de Educação e Animação Artística do Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, foi dirigido especialmente a estudantes e professores.

Num artigo de 18 de janeiro de 2006, Manuel da Costa Cabral sublinhava que, com esta exposição, a Gulbenkian pretendeu «"ajudar a fazer novas leituras" sobre os últimos 50 anos da arte portuguesa e "questionar hierarquias estabelecidas"» (Canelas, Público, 18 jan. 2006).

Joana Atalaia, 2019

A group exhibition organised by the Fine Arts Department of the Calouste Gulbenkian Foundation (FCG) as part of the Foundation’s fiftieth anniversary celebrations, showcasing almost a hundred pieces spanning fifty years of Portuguese art history. Curated by Raquel Henriques da Silva, the exhibition featured works from Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão (CAMJAP) [José de Azeredo Perdigão Modern Art Centre (CAMJAP)], alongside archive documents about artists supported by the FCG’s Central Department, through grants and scholarships, from 1957 until the date of the exhibition.

In addition to Raquel Henriques da Silva, professor of Art History at Universidade Nova de Lisboa and former director of Museu do Chiado, exhibition curation and research (drawing mainly on the Gulbenkian Archives) fell to Ana Filipa Candeias, an expert in 20th century art, and Ana Ruivo, an Art History graduate, working for newspaper Expresso and magazine Op at the time.

The artists selected for the exhibition – Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992), Bartolomeu Cid dos Santos (1931-2008), José Malhoa (1855-1933), Alberto Carneiro (1937-2017), José de Almada Negreiros (1893-1970), António Charrua (1925-2008), among many other figures active in the period from 1957 to 2007 – were chosen less for their finished works than the quality and uniqueness of the documentation held by the Fine Arts Department archives, mainly relating to grants and scholarships awarded by the FCG’s Central Department (Descriptive Memory, 2007, Gulbenkian Archives, SBA 21313). The exhibition concept was based on “texts, designs, sketches, artists’ notebooks or sketchbooks, photographs, slides and video recordings”, foregrounding the processes and experimentation visible in each of the works displayed (or not, as in certain cases the decision was taken only to display background documentation about these works) (Ibid.).

The selection criteria were later broadened considerably: on one hand, though some artists were not documented in the archives, they were included in the initiative for their participation in the first art exhibitions organised by the Gulbenkian, while on the other, certain artists that did not feature in the CAMJAP collection were chosen due to the quality of their processes (Ibid.).

The exhibition spanned several spaces within the FCG’s Central Department: the ground and lower ground floors of the Temporary Exhibition Gallery of the Main Building, and the Calouste Gulbenkian Museum Bar. The curators also proposed extending the exhibition outside these spaces, seeking to incorporate “works displayed in the corridors (in the case of Artur Rosa, Palolo, Almada, Victor Fortes and Victor Pomar [sic]) and containing others (in the case of “Floresta…” by Alberto Carneiro” (Ibid.).

The entrance to the exhibition was marked by two pieces, Cegos de Madrid (1957), by Júlio Pomar, and Os Cegos de Praga XII (1998), by Pedro Cabrita Reis. These works were selected as a point of departure due to their dates of production, their authors, a focus, not on hierarchies, but on paying homage to successive generations, and their iconographic significance, as “blindness is a terrific metaphor: does represent what is seen, what is dreamed, or what is forgotten?” (50 Anos de Arte Portuguesa [Journal of the exhibition], 2007, p. 10).

The works and documentation displayed on the ground floor were arranged into five themed areas: “Means/Processes”; “Signs/Codes”; Body/Identity”; “Space/Places”; and, finally, “Time/History”. The “Means/Processes” category, a striking departure from academic norms, formed a “kind of backbone of the exhibition”, from which the other themes emerged.

On the lower ground floor, the exhibition text featured a timeline of key actions by the FCG within the Portuguese art world over the course of the 20th century. This chronology, which was supported by documentary and photographic materials, acted as a gateway to the themed areas listed above (Descriptive document, 2007, Gulbenkian Archives, SBA 21313).

Beginning in December 1957, with the “I Exposição de Artes Plásticas” [1st Exhibition of Fine Arts], the first major art event staged by the FCG’s Central Department in Portugal, the ground floor of the exhibition traces a path through other key moments: the “II Exposição de Artes Plásticas” [2nd Exhibition of Fine Arts], which took place in 1961, following the successful first edition, which set itself apart for its inclusion of architecture; the “III Exposição de Artes Plásticas” [3rd Exhibition of Fine Arts] in 1986, which devoted space to installation, photography and video and the works of the KWY group, formed of Lourdes Castro (1930), René Bertholo (1935-2005), José Escada (1934-1980), António Costa Pinheiro (1932-2015), João Vieira (1934-2009), Gonçalo Duarte (1935-1986), Christo (1935-2020) and Jan Voss (1936), who staged their first exhibition using a grant from the Calouste Gulbenkian Foundation. This floor concluded with a space dedicated to the event “Sete Artistas ao Décimo Mês” [Seven Artists in the Tenth Month], an exhibition cycle that aimed to select artists that had never been exhibited in a major institution, offering them an indispensable opportunity to showcase their work.

The mid-point of the exhibition was marked by the “extraordinary” Portuguese flag by the Puzzle Group, formed in 1976 by Carlos Carreiro (1946), João Dixo (1941-2012), Albuquerque Mendes (1953), Graça Morais (1948), Pedro Rocha (1945), Jaime Silva (1947), Dário Alves (1940), Fernando Pinto Coelho (1951) and Armando de Azevedo (1946-2020), which was awarded a grant by the Calouste Gulbenkian Foundation in 1978 to carry out a survey on the subject of “Kitsch and Bad Taste in Portugal” (Descriptive document, 2007, Gulbenkian Archives, SBA 21313).

Another space (somewhat unusually) incorporated into the exhibition was the Calouste Gulbenkian Museum Bar, where a set of eight paintings commissioned in 1968 to decorate its interior went back on display after a few years of absence. In this space, the curators decided to recreate the old Brasileira café in Chiado, where most of the works on display were selected by José Sommer Ribeiro, who chose to showcase “the major forces for renewal in 1950s Portuguese art, Resende and Lanhas in Porto, Pomar, Azevedo, Rodrigo and Menez in Lisbon” (50 Anos de Arte Portuguesa [Journal of the exhibition], 2007, p. 8).

The exhibition received extensive coverage and was accompanied by the publication of a catalogue containing photographs of the works, countless texts and a list of the artists featured in the exhibition. Before describing each area in detail, the catalogue opened with an essay by lead curator, Raquel Henriques da Silva, entitled “50 Anos de Arte Portuguesa. Do Projecto à Exposição”, in which the historian described her motivations in organizing the exhibition, highlighting the importance of the SBA archives “capable of expanding, amplifying, interrogating and adding depth to the existing history” (50 Anos de Arte Portuguesa, 2007).

An extensive programme of cultural events aimed, first and foremost, to revive the spirit of the “tertúlia”, or artistic gathering, in spaces such as the museum cafe. This programme also included a large number of guided tours, a series of audio-visual events about the artists, three round tables and a free course.

The audio-visual event, which took place in Auditorium 3 of the FCG Main Building between 18 and 22 June 2007 included screenings of 18 films about artists featured in the exhibition, such as Ana Hatherly. A Mão Inteligente (2002), by Luís Alves de Matos and Julião Sarmento. Flashback (2000), by Renata Sancho.

The round tables, which took place on 27, 28 and 29 June 2007 were attended by experts including Manuel da Costa Cabral, director of the Fine Arts Department of the FCG, art critic João Pinharanda and poet and politician José Augusto Seabra, among others, who discussed subjects related to contemporary art.

The free course, led by Carla Mendes, who works for the Serviço de Educação e Animação Artística do Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão [Education and Artistic Events Department of the José de Azeredo Perdigão Modern Art Centre], was specifically aimed at students and teachers.

In an article published on 18 January 2006, Manuel da Costa Cabral stressed that with this exhibition the Gulbenkian aimed to “help foster new interpretations” of the past 50 years of Portuguese art and “question established hierarchies” (Canelas, Público, 18 Jan. 2006).


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Coleção Gulbenkian

Uma floresta para os teus sonhos

Alberto Carneiro (1937-2017)

Uma floresta para os teus sonhos, 1970 / Inv. 96E379

S/Título

Alexandre Conefrey (1961-)

S/Título, 1998 / Inv. 98DP1731

S/Título

Alexandre Conefrey (1961-)

S/Título, 1998 / Inv. 98DP1730

The Nails’ Feedback

Alexandre Estrela (1971-)

The Nails’ Feedback, 1998 / Inv. IM17

Os Criminosos e as suas Propriedades

Álvaro Lapa (1939-2006)

Os Criminosos e as suas Propriedades, 1974/75 / Inv. 75P416

Escrita Descendente

Ana Hatherly (1929-2015)

Escrita Descendente, 1979 / Inv. 04DP2001

Pesquiza textual

Ana Hatherly (1929-2015)

Pesquiza textual, 1965 / Inv. DP1708

sem título

Ana Hatherly (1929-2015)

sem título, 1978-92 / Inv. DP2023

sonhando longamente contigo

Ana Hatherly (1929-2015)

sonhando longamente contigo, Inv. 04DP2026

S/ Título

Ana Léon (1957-)

S/ Título, 1992 / Inv. DP1674

Objecto - Porta

Ana Vieira (1940-2016)

Objecto - Porta, 1975 / Inv. 89E609

Escultura III

Ângela Ferreira (1958-)

Escultura III, 1989 / Inv. 90E1395

86-3-15Q

Ângelo de Sousa (1938-2011)

86-3-15Q, Março 1986 / Inv. 86P579

Chão de Cimento (1)

Ângelo de Sousa (1938-2011)

Chão de Cimento (1), 1972 / Inv. IM1

Homenagem a Fernão Mendes Pinto

António Areal (1934-1978)

Homenagem a Fernão Mendes Pinto, c. 1957-1958 / Inv. DP444

Pintura - B.1

António Areal (1934-1978)

Pintura - B.1, 1960 / Inv. 79P1065

S/Título

António Areal (1934-1978)

S/Título, 1961 / Inv. 79P1081

S/Título

António Areal (1934-1978)

S/Título, 1961 / Inv. 79P1083

S/Título

António Areal (1934-1978)

S/Título, 1961 / Inv. 79P1084

S/Título

António Areal (1934-1978)

S/Título, 1961 / Inv. 79P1052

S/Título

António Areal (1934-1978)

S/Título, 1961 / Inv. 79P1066

S/Título

António Areal (1934-1978)

S/Título, 1960 / Inv. 79P1068

S/Título

António Areal (1934-1978)

S/Título, 1960/61 / Inv. 79P1050

S/Título

António Areal (1934-1978)

S/Título, 1961 / Inv. 79P1051

S/Título (Pintura 4)

António Areal (1934-1978)

S/Título (Pintura 4), 1961 / Inv. 79P1082

Terra Trabalhada

António Charrua (1925-2008)

Terra Trabalhada, 1961 / Inv. 61P1154

Do Sofrimento

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

Do Sofrimento, 1960 / Inv. 60P248

Fonte de Sintra XVI

António Dacosta (1914-1990)

Fonte de Sintra XVI, 1985 / Inv. 86P127

S/Título

António Palolo (1946-2000)

S/Título, 1998/99 / Inv. 99P829 1-16

H - 5

António Sena (1941- )

H - 5, 1979 / Inv. DP1410

P 3

António Sena (1941- )

P 3, 1979 / Inv. DP1084

Espaço II

Artur Bual (1926 - 1999)

Espaço II, 1960 / Inv. 60P242

Homenagem a Cesário

Bartolomeu Cid dos Santos (1931- 2008)

Homenagem a Cesário, 1985 / Inv. 05GP1937

O Barco dos Doidos

Bartolomeu Cid dos Santos (1931- 2008)

O Barco dos Doidos, 1961 / Inv. GP115

desenhos e cortantes para construção com chão branco a partir de dentro

Carlos Nogueira (1947-)

desenhos e cortantes para construção com chão branco a partir de dentro, 1997-1998 / Inv. 02E1411 1-6

We Came in Peace for all Mankind

Carlos Roque (1969-)

We Came in Peace for all Mankind, 2001 / Inv. 02E1242

S/Título

Catarina Leitão (1970-)

S/Título, 2001 / Inv. 02DP1831

S/Título

Catarina Leitão (1970-)

S/Título, 2001 / Inv. 02DP1833

Surface d'Empaquetage

Christo Javacheff (1935-2020)

Surface d'Empaquetage, 1960 / Inv. DE157

I Spy

Daniel Blaufuks (1963-)

I Spy, 2003 / Inv. 03FP428

No chão que nem uma seta

Eduardo Batarda (1943- )

No chão que nem uma seta, 1975 / Inv. DP1340

Espaço Ilusório

Eduardo Nery (1938-2013)

Espaço Ilusório, 1969/70 / Inv. TP13

Fractura / Paisagem II

Eduardo Nery (1938-2013)

Fractura / Paisagem II, 1982 / Inv. 83P434

Escrita Desescrita

Emerenciano da Silva Rodrigues (1946-)

Escrita Desescrita, 1982 / Inv. 83P1408

Skop

Emília Nadal (1938-)

Skop, 1979 / Inv. 83E915

2 - 5 - 83 - B

Eurico Gonçalves (1932-2022 )

2 - 5 - 83 - B, 1983 / Inv. DP1076

Espelho Partido

Fátima Vaz (1946-1992)

Espelho Partido, 1974 / Inv. 75P801

Destruição

Fernando Calhau (1948-2002)

Destruição, 1975 / Inv. IM6

0.41- 69

Fernando Lanhas (1923-2012)

0.41- 69, 1969 / Inv. 69P611

Product Displacement

Filipa César (1975-)

Product Displacement, 2002 / Inv. IM19

Muralha da China

Filipe Rocha da Silva (1954 -)

Muralha da China, 1986 / Inv. 86P435

Pintura

Gonçalo Duarte (1935-1986)

Pintura, c. 1960 / Inv. 60P247

Os cães- Vieiro

Graça Morais (1948- )

Os cães- Vieiro, Fevereiro de 1982 / Inv. DP1655

Pintura (série Porta Etrusca)

Graça Pereira Coutinho (1949-)

Pintura (série Porta Etrusca), 1989 / Inv. 90P185

Bandeira Nacional

Grupo Puzzle (1976-)

Bandeira Nacional, 1976 / Inv. 76P1410

Ouve-me

Helena Almeida (1934-2018)

Ouve-me, 1979 / Inv. IM13

Sem Título

Jan Voss (1936-)

Sem Título, 1960 / Inv. PE57

Arcanjo

João Cutileiro (1937-2021)

Arcanjo, 1962 / Inv. 67E290

Paisagem

João Navarro Hogan (1914-1988)

Paisagem, 1970 / Inv. 70P175

Telhados de Paris

João Navarro Hogan (1914-1988)

Telhados de Paris, 1958 / Inv. 61P173

Instrumental Version

João Onofre (1976-)

Instrumental Version, 2001 / Inv. IM18

Arlequin Glacé

João Penalva (1949- )

Arlequin Glacé, 1988 / Inv. 88P1118

Meu Amor

João Vieira (1934-2009)

Meu Amor, 1960 / Inv. 60P249

Lisboa - Algeciras

Joaquim Rodrigo (1912-1997)

Lisboa - Algeciras, 1969 / Inv. 69P145

S/ Título

Jorge Martins (1940-)

S/ Título, 1986 / Inv. DP1341

Um dia cinzento

Jorge Molder (1947-)

Um dia cinzento, 1981 / Inv. 88FP181

S/Título

Jorge Pinheiro (1931)

S/Título, 1977 / Inv. 80P602

S/ Título (Escultura n.º 3)

Jorge Vieira (1922-1998)

S/ Título (Escultura n.º 3), 1966 / Inv. 66E283

O Ponto de Bauhütte

José de Almada Negreiros (1893-1970)

O Ponto de Bauhütte, 1957 / Inv. 83P64

Porta da harmonia

José de Almada Negreiros (1893-1970)

Porta da harmonia, 1957 / Inv. 83P65

Quadrante I

José de Almada Negreiros (1893-1970)

Quadrante I, 1957 / Inv. 83P63

Relação 9/10

José de Almada Negreiros (1893-1970)

Relação 9/10, 1957 / Inv. 83P62

1º de Maio

José de Guimarães (1939-)

1º de Maio, 1976 / Inv. GP1297

O Búzio

José Escada (1934-1980)

O Búzio, 1976 / Inv. 82DP1061

S/Título

José Escada (1934-1980)

S/Título, 1960 / Inv. 80P1014

S/Título

José Manuel Espiga Pinto (1940-2014)

S/Título, 1971 / Inv. 83P807

S/ Título

José Pedro Croft (1957-)

S/ Título, 1986 / Inv. 86E846

Geometrical Reconstructions and figure with roses (nº12)

Júlia Ventura (1952-)

Geometrical Reconstructions and figure with roses (nº12), 1987 / Inv. 98FP335

Sombra

Julião Sarmento (1948-2021)

Sombra, 1976 / Inv. IM11

Mêlée

Júlio Pomar (1926-2018)

Mêlée, 1968 / Inv. 68P764

Pintura Nº 2

Júlio Resende (1917-2011)

Pintura Nº 2, 1959 / Inv. 83P931

s/título

Júlio Resende (1917-2011)

s/título, 1969 / Inv. 69P470

África - I - II - Saca Rabos (Bicho Empalhado)

Leonel Moura (1948-)

África - I - II - Saca Rabos (Bicho Empalhado), 1982 / Inv. 83P1194

Outubro

Lourdes Castro (1930-2022)

Outubro, 1959 / Inv. 60P245

Espiral (Espaço de Habitar)

Luís Neuparth (1959-)

Espiral (Espaço de Habitar), 1992/93 / Inv. 93E310

S/título

Luís Noronha da Costa (1942-2020)

S/título, 1978 / Inv. 78P618

Linha de demarcação

Luísa Correia Pereira (1945-2009)

Linha de demarcação, 1973 / Inv. GP1192

Opressão nº1

Luísa Correia Pereira (1945-2009)

Opressão nº1, 1973 / Inv. GP1193

BD - 71 - 07

Manuel Alvess (1939-2009)

BD - 71 - 07, 1965 / Inv. 82P736

Relevo-colagem

Manuel Baptista (1936-)

Relevo-colagem, 1973 / Inv. P414

A Instituição

Manuel Botelho (1950- )

A Instituição, 1985 / Inv. DP1534

S/ Título, New York ou Building

Manuel Casimiro (1941-)

S/ Título, New York ou Building, 1978 / Inv. 80DP1437

Óleo 163

Marcelino Vespeira (1925-2002)

Óleo 163, 1961 / Inv. 83P480

Amor Louco

Maria Beatriz (1940-2020)

Amor Louco, 1967 / Inv. GP791

Gravura

Maria Beatriz (1940-2020)

Gravura, 1969 / Inv. GP300

sem título

Maria Beatriz (1940-2020)

sem título, 1967 / Inv. GP787

sem título

Maria Beatriz (1940-2020)

sem título, 1967 / Inv. GP768

sem título

Maria Beatriz (1940-2020)

sem título, 1968 / Inv. GP779

Sem Título

Maria José Aguiar (1948- )

Sem Título, 1974 / Inv. 75P713

Escultura

Marina Mesquita (1940-2006)

Escultura, 1971 / Inv. 71E1027

Pobríssima a Aparência da Casa

Mário Botas (1952-1983)

Pobríssima a Aparência da Casa, 1974 / Inv. DP1433

"Quadro Muito Doente"

Mário Cesariny (1923-2006)

"Quadro Muito Doente", 1977 / Inv. 81P612

S/Título

Menez (1926-1995)

S/Título, 1968 / Inv. 68P474

Torso

Miguel Ângelo Rocha (1964-)

Torso, 1999 / Inv. 00E1037

Objecto não Identificado - XLII

Nikias Skapinakis (1931-2020)

Objecto não Identificado - XLII, 1968 / Inv. 83P932

Pursuit, Left Running

Noé Sendas (1972-)

Pursuit, Left Running, 2000 / Inv. IM25

Relevo Azul

Nuno Barreto (1941-2009)

Relevo Azul, 1968/69 / Inv. 71P1028

Smog #15

Nuno Cera (1972-)

Smog #15, Abril 2000 / Inv. 00FP340

As três cabeças de oiro - Série Os Contos Populares Portugueses

Paula Rego (1935-2022)

As três cabeças de oiro - Série Os Contos Populares Portugueses, (c. 1975) / Inv. DP238

Branca Flor – o diabo e a diaba na cama - Série Os Contos Populares Portugueses

Paula Rego (1935-2022)

Branca Flor – o diabo e a diaba na cama - Série Os Contos Populares Portugueses, (C. 1975) / Inv. DP237

Branca Flor – Pombas a tomar banho - Série Os Contos Populares Portugueses

Paula Rego (1935-2022)

Branca Flor – Pombas a tomar banho - Série Os Contos Populares Portugueses, (C. 1975) / Inv. DP242

Branca Flor – Rapaz a brincar com o Diabo - Série Os Contos Populares Portugueses

Paula Rego (1935-2022)

Branca Flor – Rapaz a brincar com o Diabo - Série Os Contos Populares Portugueses, 1974 / Inv. DP241

O Diabo Gato – Três Diabinhos atados por um cordel branco - Série Os Contos Populares Portugueses

Paula Rego (1935-2022)

O Diabo Gato – Três Diabinhos atados por um cordel branco - Série Os Contos Populares Portugueses, (c. 1975) / Inv. DP240

Os dois Vizinhos separados por um Rio de Sangue - Série Os Contos Populares Portugueses

Paula Rego (1935-2022)

Os dois Vizinhos separados por um Rio de Sangue - Série Os Contos Populares Portugueses, (c. 1975) / Inv. DP239

sem título

Pedro Cabrita Reis (1956-)

sem título, 1983 / Inv. P367

S/Título

Pedro Calapez (1953-)

S/Título, 1986 / Inv. 86P779

S/ Título, da série "Habitar"

Pedro Gomes (1972-)

S/ Título, da série "Habitar", 1996 / Inv. 96DP1704

Matisse, Rothko, Ad Reinhardt

Pires Vieira (1950-)

Matisse, Rothko, Ad Reinhardt, 1974-75 / Inv. P1370

Nuvem com Superfície Variável - III

René Bertholo (1935-2005)

Nuvem com Superfície Variável - III, 1967 / Inv. 01E1215

Pintura

René Bertholo (1935-2005)

Pintura, 1959/60 / Inv. 60P246

S/ Título

Rolando Sá Nogueira (1921-2002)

S/ Título, 1970 / Inv. 70P455

Studio Contents

Rui Calçada Bastos (1972-)

Studio Contents, 2004 / Inv. IM24

Casas

Rui Filipe (1928-1997)

Casas, c.1957 / Inv. 58P1114

Natal

Rui Sanches (1954-)

Natal, 1986 / Inv. 87E475

Four Green Videos

Sérgio Pinhão (1949)

Four Green Videos, 1982/86 / Inv. GP1943

S/Título (Lisboa)

Sérgio Pombo (1947-2022 )

S/Título (Lisboa), 1975 / Inv. 76P592

Ribatejo (Série: Gestos da Cor - Sinais da Terra)

Teresa Magalhães (1944-)

Ribatejo (Série: Gestos da Cor - Sinais da Terra), 1979 / Inv. 81P815

S/ Título (díptico)

Xana (1959-)

S/ Título (díptico), 1988 / Inv. 93E308

Escultura

Zulmiro de Carvalho (1940-)

Escultura, 1986 / Inv. 86E891


Eventos Paralelos

Ciclo de cinema

Miniciclo de Vídeos-Documentários sobre Artistas

18 jun 2007 – 22 jun 2007
Fundação Calouste Gulbenkian / Edifício Sede – Auditório 3
Lisboa, Portugal
Mesa-redonda / Debate

Arte Contemporânea em Debate

27 jun 2007 – 29 jun 2007
Fundação Calouste Gulbenkian / Edifício Sede – Auditório 3
Lisboa, Portugal
Curso

50 Anos de Arte Portuguesa (1957 – 2007)

9 jul 2007 – 27 jul 2007
Fundação Calouste Gulbenkian / Edifício Sede – Auditório 3
Lisboa, Portugal
Visita(s) guiada(s)

Quintas com Arte

jun 2007 – set 2007
Fundação Calouste Gulbenkian / Edifício Sede
Lisboa, Portugal
Visita(s) guiada(s)

Domingos com Arte

jun 2007 – set 2007
Fundação Calouste Gulbenkian / Edifício Sede
Lisboa, Portugal
Visita(s) guiada(s)

Encontros Imediatos

jun 2007 – set 2007
Fundação Calouste Gulbenkian / Edifício Sede
Lisboa, Portugal

Publicações


Material Gráfico


Fotografias


Multimédia


Documentação


Imprensa


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 21315

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém programa cultural, correspondência trocada com as pessoas envolvidas nas atividades culturais, recortes de imprensa e informações sobre o curso livre. 2007 – 2007

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 21312

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém correspondência e material de divulgação. 2007 – 2007

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 21311

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém documentação sobre as traduções, o catálogo e o jornal de exposição. 2007 – 2007

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 21313

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém proposta da exposição, atas de reuniões, documentação sobre a cronologia e utilizada na exposição, informações sobre a montagem e plantas relativas ao projeto expositivo. 2007 – 2007

Arquivo Digital Gulbenkian, Lisboa / ID: 110820

Coleção fotográfica, cor: aspetos (FCG, Lisboa) 2007


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.