Sabe quem ganhou a 5.ª edição do Blue Bio Value Acceleration 2022?

As vencedoras deste ano são a portuguesa Exogenus Therapeutics, a polaca Proteon Pharmaceuticals e a holandesa Sophie’s BioNutrients, três startups na área da Bioeconomia azul.
Vencedores da 5ª edição do Blue Bio Value Acceleration 2022 © Pedro Pina

A Exogenus Therapeutics é portuguesa e procura transformar subprodutos da produção de macroalgas em soluções para a indústria de cuidados de saúde, baseadas na tecnologia nanovesicle. Estas soluções comercializáveis têm origem na recuperação de vesículas extracelulares, provenientes de águas residuais – a água “purificada” volta para o sistema, reduzindo o desperdício de água.

A Proteon Pharmaceuticals, polaca, desenvolve soluções para modelar o microbioma e melhorar a saúde animal e humana. Esta empresa remove antibióticos da cadeia alimentar através do desenvolvimento de um cocktail à base de bacteriófagos, que é adicionado às rações de aquacultura.

Por fim, a Sophie’s BioNutrients, startup holandesa, aproveita subprodutos da indústria alimentar para desenvolver uma proteína com base vegetal a partir de macroalgas – uma alternativa a produtos alimentares existentes.

A edição deste ano do Blue Bio Value Acceleration que teve uma duração de 7 semanas (5 remotas e 2 presenciais) a contou com a participação de 18 startups provenientes de 12 países (Canadá, Chile, Croácia, Emirados Árabes Unidos, Espanha, Estados Unidos da América, Holanda, Lituânia, Noruega, Polónia, Portugal e Suíça).

As três startups premiadas recebem um valor global de €45.000, que deverá ser aplicado no desenvolvimento dos projetos de cada uma, através da Blue Demo Network, uma rede de serviços de bioeconomia azul, sediada em Portugal, cuja missão é apoiar as startups a encontrar nas infraestruturas e serviços portugueses respostas às suas necessidades de desenvolvimento tecnológico e de mercado.

Participaram também nesta edição startups que desenvolvem negócios ligados ao restauro de ecossistemas marinhos, à produção sustentável de algas para fins como a alimentação e a cosmética, ligados às tecnologias para monitorização costeira e prevenção de riscos associados às alterações climáticas ou à sustentabilidade das atividades piscatórias.

Este ano, candidataram-se ao programa 84 startups de 39 países, de entre as quais foram selecionadas 18, oriundas de 12 países distribuídos por 4 continentes. O número e abrangência geográfica dos participantes reforça a relevância desta iniciativa e do dinamismo do setor, tanto em Portugal como internacionalmente.

 

Sobre o Blue Bio Value

O programa Blue Bio Value é promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela Fundação Oceano Azul, em parceria com a MAZE e a Bluebio Alliance. Integra as vertentes de Ideação e de Aceleração e tem como objetivo promover modelos económicos mais responsáveis, com impacto positivo na sustentabilidade do oceano e assentes no aproveitamento de biorecursos marinhos, segundo princípios de circularidade, desperdício zero e descarbonização. Com este Programa, a Fundação Oceano Azul e a Fundação Calouste Gulbenkian unem esforços para contribuir para que Portugal se torne num polo internacional relevante e inovador no desenvolvimento da mais inovadora bioeconomia marinha, promovendo também uma utilização mais sustentável do oceano.

Enquanto o Blue Bio Value Ideação procura impulsionar projetos inovadores de bioeconomia azul sustentável, estabelecendo a ponte entre a academia e o mercado e fornecendo aos participantes as ferramentas, a rede e o financiamento inicial necessários para transformar ideias inovadoras e aplicações de biotecnologia azul em novas soluções de negócios circulares e sustentáveis, o Blue Bio Value Aceleração visa apoiar startups já estabelecidas, que atuam ao longo da cadeia de valor dos biorecursos marinhos e oferecem serviços ou produtos sustentáveis que contribuam para um uso mais saudável do oceano.

Desde 2018, o Blue Bio Value Acceleration já acelerou 77 startups de 24 nacionalidades, as quais reuniram, até 2021, 7,9 milhões de euros de investimento para os seus projetos.

Saber mais
Atualização em 03 novembro 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.