Fundação Gulbenkian concede apoio de emergência a deslocados de Cabo Delgado

O apoio, no valor de 80.000 euros, pretende responder à tragédia humanitária que se vive na região, e tem como principais destinatários as famílias com crianças e mulheres grávidas
© Carlos Almeida, Helpo
© Carlos Almeida, Helpo

A violência armada que tem assolado, desde 2019, a província de Cabo Delgado, em Moçambique, conduziu a uma crescente crise humanitária que já provocou centenas de mortos e cerca de 700 mil deslocados. Os recentes ataques a Palma vieram agravar a situação e elevar o número de deslocados, que se vão concentrando nos arredores de Pemba em condições muito precárias. As agências humanitárias presentes em Cabo Delgado carecem de meios para enfrentar uma tragédia humanitária que vai adquirindo contornos cada vez mais preocupantes.

Face a esta situação, a Fundação Gulbenkian decidiu conceder um apoio de 80.000 euros que será canalizado para uma ONG implantada em Cabo Delgado há mais de uma década e que apoia os refugiados desde 2019:  a Helpo. O montante destina-se especialmente a garantir alimentos a um milhar de famílias com grávidas e crianças até aos 5 anos, durante 9 meses, e também a apoiar a integração escolar das crianças e jovens.  A Helpo é já parceira da Fundação Gulbenkian num projeto de desenvolvimento em São Tomé e Príncipe, e tem-se destacado, em Moçambique, no apoio às comunidades próximas da cidade de Pemba como Silva Macua, Mahera, Impere e Miéze.

Com este apoio, a Fundação Gulbenkian quer incentivar também outras instituições a ajudar uma população que vive um momento dramático, com reduzidos apoios e uma escassa intervenção humanitária.