Forte presença cultural portuguesa em Paris

O Coro Gulbenkian atua na Philharmonie de Paris, os artistas Rui Chafes, Pedro Costa e Paulo Nozolino apresentam-se no Centro Pompidou e obras-primas do Museu Gulbenkian são expostas no Hôtel de la Marine.
Campanha da exposição "Par lui-même: dans l'intimité d'un collectionneur" no metro de Paris @DR

O Coro Gulbenkian junta-se à Orquestra Filarmónica de Estrasburgo, dirigida por John Nelson, para dar a ouvir a Sinfonia Dramática Romeu e Julieta, de Hector Berlioz. Em três espetáculos, os primeiros nos dias 7 e 8 de junho, em Estrasburgo, e depois no dia 10, em Paris, o Coro Gulbenkian atuará ao lado de cantores como Joyce DiDonato, Cyrille Dubois e Christopher Maltman. Os espetáculos em Estrasburgo serão gravados ao vivo para futura edição em CD, contando também com a atuação do Coro da Ópera Nacional do Reno. Sob a batuta de John Nelson, o Coro Gulbenkian tinha já participado no elenco de A Danação de Fausto de Berlioz, cuja gravação foi distinguida com um Diapason D’Or em 2019.

Já no âmbito da Temporada Cruzada Portugal-França, a Fundação apresenta, no Hôtel de la Marine, a partir do dia 10 de junho, 90 obras da Coleção Calouste Gulbenkian que percorrem várias épocas e culturas. A seleção de peças desta exposição desvenda aspetos menos explorados da Coleção, entrando em diálogo com obras da Coleção, Al-Thani, uma das mais prestigiadas coleções particulares do mundo. A mostra pode ser visitada até dia 2 de outubro.

Também o Centre Pompidou irá abrir as suas salas à cultura portuguesa. A partir do dia 8, a exposição  “O resto é sombra” junta o escultor Rui Chafes, o cineasta Pedro Costa e o fotógrafo Paulo Nozolino, num diálogo entre o cinema, a escultura e a fotografia, que cruza as interrogações plásticas destes artistas. Realizada com o apoio da Fundação Gulbenkian, a mostra pode ser vista até dia 22 de agosto.

Ainda no âmbito da programação da Temporada Cruzada apoiada pela Fundação Gulbenkian, recorde-se que, desde fevereiro, o jardim do Museu do Louvre exibe uma obra monumental em cortiça, de Pedro Cabrita Reis. Nesta obra, intitulada As Três Graças, o artista reinterpreta um dos temas marcantes da Antiguidade clássica, amplamente representado na coleção do Louvre, entrando em diálogo com as esculturas em mármore e bronze do Jardim das Tulherias.

Noutras cidades francesas, a partir de 9 de junho, o Musée Cantini de Marselha recebe a exposição Vieira da Silva. L’oeil du labyrinthe, realizada com o apoio da Fundação Gulbenkian e em colaboração com a galeria Jeanne Bucher Jaeger e com o Museu de Dijon, para onde a exposição viaja em dezembro deste ano. 

Já em Tours, no Centre de Création Contemporaine Olivier Debré, prossegue a exposição itinerante Tudo o que eu quero. Artistas portuguesas de 1900 a 2020, que apresenta cerca de 200 obras da autoria de 40 artistas portuguesas. A primeira edição desta mostra, realizada no ano passado na Fundação Gulbenkian, foi considerada, por vários críticos, uma das melhores exposições de 2021.

Saber mais
Atualização em 06 junho 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.