A exposição de um sonho em Paris

A 7 de outubro, na Fundação Gulbenkian em Paris, será inaugurada L’exposition d’un rêve [A exposição de um sonho], uma exposição sonora inspirada nos sonhos de artistas visuais, cineastas e dramaturgos, poetas e escritores, onde se pretende sublinhar “a beleza complexa da génese de um sonho”.

O sonho – enquanto manifestação de desejos e medos, veículo de vozes do inconsciente, mas também como ferramenta de criação e como elemento constitutivo de mitologias – é o fio condutor desta exposição, para a qual foram “encomendados” sonhos a artistas como Gabriel Abrantes, Genesis Breyer P-Orridge, Tim Etchells, Alexandre Estrela, Lee Ranaldo e Apichatpong Weerasethakul, entre outros. Os sonhos foram entregues na forma de textos ou canções, posteriormente interpretados pelo músico alemão F.M. Einheit, antigo membro do lendário grupo Einstürzende Neubauten.

As gravações para a exposição realizaram-se em Lisboa, no Grande Auditório e no Anfiteatro ao Ar Livre da Fundação Gulbenkian, ao longo dos últimos meses, com a contribuição de outros músicos de referência da música contemporânea e de elementos do Coro Gulbenkian.

A influência da instituição neste projeto expositivo manifesta-se também no catálogo, que recupera o mítico formato da coleção “Textos Clássicos”, concebido por Sebastião Rodrigues para os livros que a Fundação Gulbenkian edita desde a década de 60, numa homenagem a uma estética que se tornou ela própria “um clássico”. Neste volume, que funciona como libreto para a “polifonia” que constitui esta exposição imaterial, reproduzem-se textos e desenhos de vários artistas, como Almada Negreiros e Ana Hatherly, entre outros.

Será “uma panóplia extensível das possibilidades da exposição vistas pelo prisma da materialidade imaterial dos sonhos”, nas palavras do curador Mathieu Copeland, um dos responsáveis pela organização de Vides. Une rétrospective Vazios. Uma retrospetiva, exposição radical que em 2009 celebrou no Centro Pompidou, em Paris, meio século da “arte do vazio”, que teve como expoentes máximos artistas como John Cage ou Yves Klein.

Esta exposição sonora teve a sua génese na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, onde decorreram gravações com o músico alemão F.M. Einheit (na foto), entre outros.

 

Ver evento