L’exposition d’un rêve

7 Outubro – 17 Dezembro 2017

 

Sonhos de Gabriel Abrantes, Genesis Breyer P-Orridge, FM Einheit, Tim Etchells, Alexandre Estrela, Susie Green, David Link, Pierre Paulin, Emilie Pitoiset, Lee Ranaldo, Susan Stenger e Apichatpong Weerasethakul

Musicados por FM Einheit com Volker Kamp, Robert Poss, Susan Stenger, Erika Stucky, Saskia von Klitzing e os cantores do Coro Gulbenkian

Interpretados atravès das Mandalas de José de Almada Negreiros, Philippe Decrauzat, Myriam Gourfink, Olivier Mosset e Eduardo Terrazas

Uma exposição de Mathieu Copeland

 

 

 

 

Esta exposição foi pensada num local muito preciso: o jardim Gulbenkian. Concebido por António Viana Barreto e Gonçalo Ribeiro Telles nos anos 60, o jardim emoldura hoje em dia o edifício onde o sonho de Calouste Gulbenkian se concretiza diariamente.

A exposição que agora se apresenta inspira-se literalmente nos sonhos de artistas visuais, cineastas e dramaturgos, poetas e escritores. Os seus sonhos foram depois musicados pelo músico alemão F. M. Einheit e gravados no próprio edifício da Fundação e no jardim, com a contribuição de inúmeros músicos e do coro Gulbenkian ao longo de 2017.

Propõe-se aqui um interessante diálogo: o sonho e a imaterialidade de uma exposição e a materialidade muito concreta de uma instituição como a Fundação Gulbenkian. A arquitectura, a instituição, o jardim, nas palavras do curador Mathieu Copeland, vêm “informar a exposição e em retorno a exposição usa a instituição”.  

O sonho – enquanto manifestação de desejos e medos (na leitura freudiana do fenómeno), veículo de vozes do inconsciente (por vezes de vozes do outro mundo), mas também como ferramenta de criação, o sonho como elemento constituivo de mitologias – é o fio condutor desta exposição.

Paralelamente, as abstrações geométricas  (vd. Almada Negreiros)  ou místicas (as mandalas, diagramas simbólicos que desempenham um papel em inúmeras tradições religiosas ou mesmo na escola jungiana de psicologia) cumprirão aqui um papel importante. Este projecto resulta assim naquilo a que o curador chama de polifonia, concebida por um “autor-múltiplo”, explorando as diferentes dimensões da imaterialidade de uma exposição.

 

Exposição aberta segunda, quarta, quinta e sexta-feira das 9:00 as 18:00

Sábado e domingo das 11:00 às 18:00
Exposição fechada à terça-feira

Entrada livre

 

Ver na agenda
L'exposition d'un rêve

L'exposition d'un rêve

Ver o teaser da exposição (video : Change is good)

Encontro com Mathieu Copeland et FM Einheit

Encontro com Mathieu Copeland et FM Einheit

No dia 16 de Novembro as 19:00, discussão entre o curador da exposição e o compositor das peças sonoras.

O catálogo

O catálogo

O catálogo publicado à ocasião da exposição comprende textos de Mathieu Copeland, Jean-Michel Goutier, Dan Graham, Ana Hatherly, Henri Michaux, Paulo Pires do Vale e conversas com Françoise Bonardel, FM Einheit, Myriam Gourfink, Warren Neidich et Eduardo Terrazas.