CAM em Movimento. Jane & Louise Wilson, «Hypnotic Suggestion», 1993

Programa «CAM em Movimento» / Ciclo «O espaço é real?»

Última mostra do ciclo de vídeos integrado na programação do «CAM em Movimento», dedicado à vivência e interpretação dos espaços, que assinalou, neste caso, o "devaneio ou os mundos paralelos situados na passagem entre o consciente e o inconsciente".

Em 2021, entre confinamentos e o definitivo encerramento do edifício do Centro de Arte Moderna (CAM) – para obras visam ampliar a área expositiva e criar um novo jardim aberto ao público, num projeto do arquiteto Kengo Kuma (Japão, 1954) – o CAM iniciou um «programa fora de portas» intitulado «CAM em Movimento».  

Guiado pelo desejo de uma arte mais democrática e feita para as pessoas, este novo ciclo, gerado num momento de transição, sustentava o seu modelo na espontaneidade, reunindo uma programação capaz de suscitar a curiosidade do público, que se concretizava na invasão da paisagem comum e na tentativa de disrupção do quotidiano na cidade. Através de um exercício de experimentação e reflexão, pretendia-se questionar criticamente a instituição, explorando o leque de possibilidades, papéis e funções a adotar no presente e no futuro, em contexto local, nacional e internacional.  

Para Benjamin Weil, crítico de arte francês e novo diretor do CAM desde dezembro de 2020, estes eram os elementos fundacionais do programa. Nesse sentido, a instituição conseguiria cumprir os seus objetivos se durante o período do fecho conseguisse alargar a sua área de influência para lá do perímetro da Fundação Calouste Gulbenkian, procurando relacionar-se com outros públicos que, por uma ou outra razão, habitualmente se escusam a interagir com a arte (Conversa on-line: Alargar e diversificar geografias, nov. 2021).

Afinal, para o novo diretor do CAM, a obra do edifício oferecia à instituição «uma oportunidade (…) [de] se reinventar e construir um futuro dinâmico, criar e estreitar laços de colaboração com outras áreas da Fundação, e explorar novos modos de se dar a conhecer e de atrair novos públicos» aproximando-os da arte contemporânea (Cruz, Expresso, 20 dez. 2020). Como admitiu numa entrevista dada aos jornalistas da RTP (15 out 2021), a instituição queria aproveitar a situação de exceção para «estender a mão aos visitantes», permitindo que a experiência da arte faça parte da vida quotidiana de todos».

Em outubro de 2021, o programa inaugural do «CAM em Movimento» incluiu várias iniciativas. A escultura de Miguel Palma (1694) Cemiterra-Geraterra (1991) viajou até Loures para ser instalada no Parque Quinta dos Remédios, na Bobadela. Os artistas Didier Fiúza Faustino (1968) e Fernanda Fragateiro (1962) intervieram no exterior das carruagens dos comboios da CP das linhas de Sintra e de Cascais, respetivamente. Vinte e quatro obras da Coleção do Centro de Arte Moderna viajaram até à Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, para a exposição «Coleção de Arte Britânica do CAM». O ilustrador António Jorge Gonçalves iniciou o projeto de desenho para os tapumes que circundavam o perímetro das obras do edifício do CAM, que viria a inaugurar em novembro. Um contentor de carga e transporte de mercadorias foi instalado no jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, para servir de sala de projeção de vídeos da Coleção do CAM, ao qual, mais tarde, e até final de 2022, se juntariam outros contentores espalhados pela cidade para acolher novos projetos artísticos site-specific, como o de Rui Toscano na praça do Centro Comercial Fonte Nova, Carlos Bunga na Praça do Comércio e António Pedro no Parque da Bela Vista em Chelas, um projeto desenvolvido em colaboração com os moradores desse bairro.

Para Benjamim Weil, a criação de uma sala de projeção dentro de um contentor marítimo colocado no meio de um jardim, era um acontecimento inusitado. No entanto, seguia a linha do programa «CAM em Movimento», favorecendo o encontro com a arte em locais onde este seria, à partida, inesperado.

Entre outubro de 2021 e o final de 2022, o contentor recebeu quatro ciclos de vídeos. O primeiro entre eles foi dedicado a questões políticas e sociais como a solidão e a guerra, tendo a paisagem e a natureza como cenários de fundo. Contou com obras de João Onofre (1976), Lida Abdul (1973), Pedro Barateiro (1979) e Fernando José Pereira (1961) e curadoria de Patrícia Rosas e Rita Fabiana (Centro de Arte Moderna / Agenda / CAM em Movimento. João Onofre).

O segundo ciclo refletia em torno da condição feminina, da angústia e da solidão, do prazer ou mesmo das questões de género, através das obras de Vasco Araújo (1975), Ana Vidigal (1960), Maria Lusitano (1971) e Gabriel Abrantes (1984) (Centro de Arte Moderna / Agenda / CAM em Movimento. João Onofre).

No terceiro ciclo, intitulado «Ecos Latentes», a curadoria ficou a cargo do grupo 15-25 IMAGINA, um coletivo de jovens integrado no projeto de programação cultural da Gulbenkian. Entre a morte e a transformação, o ciclo trabalhou sobre o desaparecimento da presença humana, a sua desmaterialização e a coexistência entre os vestígios por esta deixados e outras formas de vida (Centro de Arte Moderna / Agenda / CAM em Movimento. Ecos Latentes: presença presença presença).

O quarto e último ciclo dedicou-se ao espaço, numa reflexão sobre a perceção instintiva que temos dele. De acordo com Leonor Nazaré, curadora do ciclo ao qual chamou «O espaço é real?», a ideia que temos do espaço não é objetiva, «mas resulta de um ponto de vista e de uma disposição e propósito interiores» que construímos porque o vivemos, percorremos ou visitamos.

Composto por seis obras exibidas entre setembro de 2022 e janeiro do ano seguinte, o ciclo dividia-se em três partes: uma primeira, que tratou os espaços reais da Fundação Calouste Gulbenkian; uma segunda, sobre abordagens ficcionais da natureza; e uma terceira, dedicada aos mundos paralelos entre o consciente e o inconsciente (Centro de Arte Moderna / Agenda / CAM em Movimento. Emily Wardill).

Hereditas (2006) de Vasco Araújo (1975), e Hypnotic Suggestion 505 (1993) de Jane e Louise Wilson (1967), completavam a terceira e última parte do ciclo.

Artistas e irmãs gémeas, Jane e Louise trabalham como dupla artística há mais de duas décadas. Apesar de se terem formado inicialmente em cidades diferentes — Louise em Dundee, na Duncan of Jordanstone College of Art, e Jane em Newcastle, no Newcastle Polytechnic —, as irmãs prepararam a exposição de final do curso de Belas-Artes em conjunto, recorrendo uma à outra como tema e realizando sempre duas provas de cada obra. Considerando a existência de dois projetos expositivos idênticos, as universidades uniram-se, determinando a avaliação conjunta de Jane e Louise que, a partir de então, passaram a admitir uma produção artística única como fruto da sua colaboração (RCA Talks: Jane & Louise Wilson, 2016).

Para as irmãs Wilson, o fato de enveredarem na realização de uma obra conjunta nasce naturalmente da vontade de experienciar o mundo em diálogo, num gesto que reconhecem como familiar. Nesse duplo papel — de gémeas e dupla artística —, o gesto é o de encontrar o eco na dupla (Tate Shots / Jane e Louise Wilson: We push and challenge each other, 2017).

Quer na forma quer no conteúdo das suas obras, as artistas propõem-se analisar perspetivas diádicas e estereoscópicas, através da ideia de divisão, de reflexo espelhado ou estrutura geminada e do seu desdobramento para sistemas de vigilância institucional e atividades paranormais, como a telepatia (Artbrain / Jane & Louise Wilson: Hypnotic Suggestion 505).

Adquirida em 2010 pela Fundação Calouste Gulbenkian para a Coleção do CAM, Hypnotic Suggestion 505 é um desses primeiros trabalhos de colaboração; segundo Jane talvez a primeira instalação-vídeo que criaram juntas (RCA Talks: Jane & Louise Wilson, 2016). A peça é destinada a ser apresentada em conjunto com uma série fotográfica e uma instalação com o mesmo nome (Centro de Arte Moderna / CAM em Movimento: Jane e Louise Wilson).

Com duração de aproximadamente 18 minutos, Hypnotic Suggestion 505 apresenta Jane e Louise lado a lado, sentadas em cadeiras de escritório contra uma pesada cortina azul. Na primeira parte do filme, as irmãs são hipnotizadas na sua língua materna, o inglês «e, de seguida, em português, uma língua que nenhuma delas entende, num espaço de palco que evoca o ambiente de um teatro ou de um cinema» (Ibid.). Recorrendo ao método de hipnose desenvolvido pelo psiquiatra e psicólogo Milton Erickson (1901-1980), o hipnotizador vai solicitando gestos, a que as gémeas respondem com prontidão, seguindo as instruções praticamente em sincronia.

Depois de assistirmos à entrada no estado hipnótico, acompanhando o braço que levita e a moeda que se deixa cair, a câmara desvia-se das jovens e mergulha no imenso azul da cortina. Tal como Jane a Louise, conduzidas a um estado de semiconsciência, também o espetador pode ser induzido numa mudança de perceção — afinal, o que se passa por detrás do ecrã?

Embora integrada na programação do «CAM em Movimento», amplamente divulgada pelos meios de comunicação social, a divulgação do segundo ciclo de vídeos e da iniciativa em causa, não teve registos críticos na imprensa que a destacassem em particular. Para uma contextualização do «CAM em Movimento» nos meios de comunicação social, destaque para a crítica de Luísa Santos na Contemporânea (Santos, Contemporânea, ed. 01-02-03, 2022), para as menções em artigos nas revistas Time Out (Moreira, Time Out, 19 out. 2021) e Umbigo (Duarte, Umbigo, 3 nov. 2021), e para as peças nos programas de rádio e de televisão Jornal da Noite (SIC, 15 out. 2021), As Horas Extraordinárias (RTP3, 29 out. 2021) e Portugal em Direto (RTP1, 3 nov. 2021).

Dada a natureza e condições do espaço de apresentação dos vídeos — um contentor marítimo de livre circulação — não se realizou relatório de exposição, questionário ao público — no que diz respeito ao grau de satisfação pela visita —, ou contagem do número de visitantes. 

Madalena Dornellas Galvão, 2023


Ficha Técnica


Coleção Gulbenkian

Hypnotic Suggestion 505

Jane & Louise Wilson (1967-)

Hypnotic Suggestion 505, Inv. IM31


Material Gráfico


Documentação


Periódicos


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

Este website usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. Podendo também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.