Apoio de Emergência aos Artistas e à Cultura

Reforço da capacidade de resposta dos artistas nas áreas das Artes Visuais, Dança, Música e Teatro mais diretamente afetados pelo novo coronavírus em Portugal.

Cultura

 

A Fundação Calouste Gulbenkian estabeleceu um Apoio de Emergência aos Artistas e à Cultura dirigido aos domínios e tipologias em que normalmente intervém na área das Artes Visuais, Dança, Música e Teatro.

Este Apoio destina-se a reforçar a capacidade de resposta dos artistas destes setores mais diretamente afetados pela presente pandemia de Covid-19, traduzida no cancelamento de concertos, espetáculos ou exposições, e na consequente perda de rendimento para todos os profissionais deste campo.

Podem candidatar-se ao Apoio de Emergência artistas, técnicos e demais profissionais especializados, bem como instituições privadas sem fins lucrativos de produção artística, que tenham comprovadamente visto a sua atividade suspensa pelo cancelamento de concertos, espetáculos, ou exposições imposto pela resposta à pandemia.

O montante do apoio financeiro será determinado pela Fundação Calouste Gulbenkian, tendo como limite máximo 2.500€ para artistas e técnicos e 20.000€ para estruturas de produção artística.

 

Prazos de candidatura

De 30 março a 6 abril de 2020 (até às 12:00, hora de Portugal continental).

 

Como concorrer

  • Só são aceites candidaturas online.
  • Faça o seu registo.
  • Antes de submeter o formulário de candidatura, verifique por favor todos os critérios de elegibilidade e leia atentamente o Regulamento.
  • A candidatura só será aceite depois de preenchido o formulário. Por fim, clicar no botão “submeter candidatura”

Perguntas Frequentes

No âmbito deste “Apoio de Emergência aos Artistas e à Cultura”, a Fundação Calouste Gulbenkian apoia, prioritariamente, músicos nas áreas de música clássica e jazz, domínios onde habitualmente atua.

Este concurso destina-se a profissionais nas áreas das artes visuais, da dança, da música e do teatro.

Pode concorrer desde que comprove o seu estatuto de trabalhador independente, iniciado no mínimo há 6 meses.

Apenas aquelas que são solicitadas no formulário de candidatura, nomeadamente o comprovativo das iniciativas canceladas.

Pode desde que o pedido não diga respeito ao projeto apoiado pela Fundação.

 A existência de um contrato formal não é obrigatória, mas é necessário apresentar documentação (correspondência, troca de emails, por exemplo) que demonstre a existência de um compromisso.

Só é possível se demonstrar que há um remanescente dos honorários contratados que ainda não foram recebidos.

Não é possível, sendo necessário escolher uma das opções existentes.

 

Em caso de dificuldade na criação de conta ou em efetuar o login, consulte as Perguntas Frequentes.


Este apoio integra o Fundo de Emergência Covid-19, no valor de 5 milhões de euros, que pretende contribuir para reforçar a resiliência da sociedade nos principais domínios de intervenção da Fundação.

Saiba mais