Obras. II – Manuscritos e Impressos (1780-1849)

– Mouzinho da Silveira

José Xavier Mouzinho da Silveira (1780-1849), personalidade maior da revolução liberal, operou com a sua obra de legislador as mais profundas modificações institucionais do Antigo Regime. Preso durante a Abrilada, tomou-se intransigente defensor da Carta e exilou-se em 1828. Tendo regressado em 1834 ao Parlamento, para defender a sua obra legislativa, exilou-se de novo em 1836. Retirou-se da vida política durante os últimos dez anos da sua vida.

Apresentam-se neste livro alguns dos seus mais importantes escritos políticos de reflexão e intervenção, assim como os seus discursos parlamentares, de cuja leitura poderá colher-se uma ideia concreta da modernidade do seu pensamento jurídico e político. Deles emerge uma personalidade extraordinária, porventura, com Herculano, uma das mais intelectualmente ricas do liberalismo português.

Empreender o estudo do pensamento de um homem de Estado assenta num pressuposto metodológico que é a admissão da necessidade de conhecer a função desempenhada pelas grandes figuras políticas no processo histórico.

O papel do indivíduo na história foi durante longo tempo menosprezado em favor do estudo das «leis» gerais de desenvolvimento da sociedade. Nos últimos anos, contudo, as biografias tornaram-se de novo objeto de interesse dos historiadores e cientistas sociais. […] O estudo individual de grandes figuras renasceu igualmente, renovado por uma metodologia que, beneficiando da contribuição da história social, política e cultural, permite situá-las na sua dimensão real dentro da sua época.

Situar o pensamento e a ação de Mouzinho da Silveira exigia um conhecimento razoavelmente exato da realidade do final do Antigo Regime, em todos os seus vetores. Ora, o estudo das últimas décadas de setecentos e do dealbar de oitocentos aguarda ainda os seus historiadores. É certamente um dos períodos menos conhecido da nossa História. E não é só a história económica e social que está por fazer. A própria carência de estudos globais sobre as origens do liberalismo enquanto corrente de pensamento, nos seus diferentes aspetos, económico, financeiro e político, cerceou parcialmente as possibilidades de dispor de termos de comparação e de situar Mouzinho no contexto do quadro ideológico-político da época.

 

(Da nota preliminar de Miriam Halpern Pereira)

Ficha técnica

Outras Responsabilidades:

Edição crítica coordenada por Miriam Halpern Pereira. Estudos de Magda Pinheiro e Valentim Alexandre

Idioma:
Português
Editado:
Lisboa, 1989
Entidade
Fundação Calouste Gulbenkian
Capa:
Encadernado
Páginas:
960
ISBN:
972-31-0738-4_II
Atualização em 05 abril 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.