Obra Completa de Fernando Oliveira II – Arte da Guerra do Mar

Edição anotada – Fernando Oliveira

A originalidade da Arte da Guerra do Mar no respetivo campo de saber é reclamada desde logo pelo próprio autor no prólogo: «Da qual nenhum autor, que eu saiba, escreveu antes d’agora arte nem documentos, ou se alguém dela escreveu, confesso que não veo a minha notícia sua escritura, somente de Vegécio cousa pouca. Eliano prometeu escrever das ordenanças desta guerra, mas não creo que o fez. Eu me atrevi a tomar esta empresa por servir Vossa Mercê e aproveitar à nossa gente, e ordenei este pequeno tratado no qual brevemente trato todas as partes da dita guerra do mar».

Henrique Lopes de Mendonça, primeiro autor a estudar em Portugal a obra de Fernando Oliveira, editando o Livro da Fábrica das Naus, chamara a atenção para essa originalidade do autor na escrita de um tratado de tática naval. Quirino da Fonseca concorda parcialmente; contudo, identifica um manuscrito anterior, da primeira metade do século XVI, Espejo de Navegantes, do espanhol Alonso de Chaves.

São vários os estudiosos da obra de Fernando Oliveira que convergem em considerar este autor como um insigne representante do humanismo renascentista em Portugal, além de ter sido pioneiro, entre nós, na teorização de matérias ligadas às atividades náuticas, nomeadamente a navegação (Ars Nautica) e a construção naval (Livro da Fabrica das Naus).

Os contributos de Oliveira para a teorização da guerra no mar são relevantes e variados. Nesta matéria, e para a época, a Arte da Guerra do Mar representa muito de inovador. Na primeira parte da obra, debruça-se, de uma forma sistemática, sobre os diversos elementos que contribuem para a preparação de uma nação para a guerra, desde questões do direito da guerra até à edificação de capacidades, tanto a nível de navios como de pessoal. Na segunda parte, o autor explica como devem ser conduzidas as operações navais, analisando os diversos fatores que podem influenciar o sucesso dessas operações, desde a meteorologia até à recolha de informações ou ao uso de ciladas, entre muitos outros.

As matérias abordadas e a forma organizada como são expostas, aliadas à validade nos nossos dias de muitas das ideias apresentadas, fazem de Fernando Oliveira um precursor em termos de análise teórica de questões de estratégia naval.

 

(Da introdução de António Costa Canas)

Ficha técnica

Outras Responsabilidades:

Colaboradores: José Eduardo Franco (direção), António Costa Canas (coordenação, estudo introdutório e anotação)

Idioma:
Português
Editado:
Lisboa, 2022
Entidade
Fundação Calouste Gulbenkian
Dimensões:
170 x 230 mm
Capa:
Encadernado
Páginas:
236
ISBN:
978-972-31-1635-9
Atualização em 17 novembro 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.