Relatório Portugal Mais Velho

Por uma sociedade onde os direitos não têm idade

Apesar do aumento da esperança média de vida, as perspetivas sobre o envelhecimento não são as melhores: as pessoas idosas, mesmo que ativas, são globalmente encaradas como pessoas frágeis, doentes e dependentes, o que promove fenómenos de desrespeito pelos seus direitos, exclusão, marginalização e, não raras vezes, situações de crime e violência. A OMS estima, de facto, que uma em cada seis pessoas com 60 ou mais anos seja vítima de violência.

Foi neste contexto que a Fundação Calouste Gulbenkian e a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima – APAV se propuseram desenvolver, entre janeiro de 2019 e junho de 2020, o projeto Portugal Mais Velho, que procurou identificar as lacunas das políticas públicas e da legislação em relação ao envelhecimento da população e à violência contra pessoas idosas. O presente relatório reúne as principais conclusões desse trabalho.