17 Setembro 2020 Parcerias para o Desenvolvimento

Tchiloli: tragédia europeia, património cultural em São Tomé

Conheça o Tchiloli, uma das mais importantes formas de expressão da cultura africana, que conta com o apoio da Fundação Gulbenkian

Tchiloli © Inês Gonçalves
Tchiloli © Inês Gonçalves

Há mais de 500 anos que o Tchiloli é tradição, na ilha de São Tomé. Com base num texto de origem medieval – A Tragédia do Imperador Carlos Magno e do Marquês de Mântua –, que terá chegado a São Tomé no século XVI, esta é a encenação de uma história de morte e traição, paixões e conflitos morais que entusiasma público e atores, onde a música, o movimento e o corpo se fundem numa surpreendente expressão da arte e cultura africanas.

 

Ao longo da sua existência, o Tchiloli foi apoiado várias vezes pela Fundação Gulbenkian sendo, desde janeiro de 2019, apoiado através do projeto “(Re)Criar o Bairro”. Gerida pela ONGD Leigos para o Desenvolvimento, esta iniciativa tem como objetivo a valorização de produtos associados ao património cultural do Bairro da Boa Morte, em São Tomé, através das artes performativas, visuais e da tecnologia.

O grupo “Formiguinha da Boa Morte”, constituído em 1956, é o mais antigo dentro daqueles que atualmente representam o Tchiloli em São Tomé. Os Leigos para o Desenvolvimento trabalham com este grupo numa lógica de capacitação dos seus membros e dirigentes, promovendo e valorizando um património imaterial único dentro e fora do país, por exemplo adaptando o espetáculo – que originalmente pode durar sete ou oito horas – para formatos mais curtos e acessíveis a turistas.

Este vídeo, da autoria da fotógrafa e realizadora Inês Gonçalves, é um retrato fiel da tradição e dos seus protagonistas.

 

Saber mais