11 março 2019 Parcerias para o Desenvolvimento

Residências artísticas nos PALOP

Quatro projetos apoiados para os próximos três anos

Residência artística em fotografia Cabo Verde©DR

Angola, Cabo Verde e Moçambique vão acolher as residências artísticas deste ano, com o apoio da Fundação Gulbenkian, nas áreas das artes visuais, fotografia e vídeo e dança contemporânea.

Criadas para apoiar a internacionalização da produção artística dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, as residências decorrem durante três anos com os seguintes projetos:

  • LUUANDA”, da associação Pés Descalços, vai intervir na área das artes visuais em Angola, entre 1 e 24 de julho de 2019. Inspirada na obra homónima de Luandino Vieira, esta residência vai incidir no que significa viver na Luanda contemporânea, seguindo a construção imaginária tão explorada na literatura de Luandino Vieira, Uanhenga Xito, Ondjaki, entre outros. O programa das residências segue um formato de workshop que inclui atividades para os artistas e para o público: criação em estúdio, visitas a Luanda, visitas a ateliês de artistas e espaços de exposição, apresentações e conversas com artistas.
  • Catchupa Factory – novos fotógrafos”, da associação Olho-de-Gente, centra-se na fotografia e artes visuais no Mindelo, Cabo Verde, entre 30 de maio e 20 de junho de 2019. Esta residência realiza-se anualmente desde 2016, com a dupla vertente artística e educativa, e é dirigida a fotógrafos, videastas e artistas emergentes.
  • Memória Audiovisual Reutilizada”, da associação dos Amigos do Museu do Cinema em Moçambique, decorre de 1 de julho a 23 de agosto em Maputo. O objetivo é conjugar o caráter presencial de uma residência artística, com as vantagens da interação à distância e online, contribuindo para reforçar o intercâmbio entre os artistas e os seus públicos.
  • RIR PALOP: Rede Internacional de Residências Artísticas nos PALOP, da CulturArte, também decorre em Moçambique, entre 10 de junho e 7 de julho de 2019. Centrada na Dança Contemporânea, esta residência destina-se a jovens artistas, sob acompanhamento de dois tutores, na área da coreografia e dramaturgia, e está aberta à participação de dez jovens dançarinos emergentes.