Integrar filhos de pais migrantes

Já está disponível o relatório sobre “Jovens filhos de pais migrantes”, lançado esta semana num evento coorganizado pela OCDE e a Fundação Calouste Gulbenkian.

O relatório Jovens filhos de pais migrantes (“Youth with migrant parents”) é o resultado de um estudo realizado pela OCDE, com o apoio das Fundações Rei Balduíno (Bélgica) e Mercator (Alemanha), em que se analisa a experiência dos países membros da organização no que se prende com a integração de jovens filhos de pais migrantes.

De acordo com o estudo, nos 37 países que integram a OCDE, um em cada cinco jovens entre os 15 e os 34 anos nasceram ou são filhos de pais que nasceram fora do país em que residem. O estudo revela ainda que a sua representatividade na população está em crescimento e a sua performance escolar e no mercado de trabalho, estão frequentemente abaixo daqueles obtidos pelos filhos de pais nativos, o que ameaça a coesão social destes países.

Para contrariar esta realidade, o relatório apresenta um conjunto de recomendações, resultantes das várias experiências analisadas e aprendizagens obtida, nomeadamente:

  1. Usar linguagem inclusiva, para referir jovens filhos de migrantes;
  2. Garantir que todas as crianças iniciam o percurso escolar em pé de igualdade;
  3. Disponibilizar percursos educacionais flexíveis para crianças que nasceram fora do país de acolhimento;
  4. Envolver os pais no processo de integração dos seus filhos;
  5. Reduzir a concentração de crianças desfavorecidas, filhas de pais migrantes;
  6. Prevenir o abandono escolar, implementando programas de segunda oportunidade;
  7. Promover a excelência na educação e a existência de exemplos a seguir;
  8. Facilitar a transição da escola para o mercado de trabalho;
  9. Combater a discriminação e incentivar a diversidade;
  10. Fomentar a integração através de associações e da prática desportiva.

Esta é a quarta publicação feita no quadro da iniciativa “Making Integration Work”, que agrega aprendizagens resultantes do trabalho da OCDE em matérias e políticas de integração.

O relatório pode ser consultado no site da OCDE em oecd-ilibrary.org