Igreja de São José dos Carpinteiros vence Prémio Gulbenkian Património

Intervenção em edifício no gaveto da Rua dos Douradores com a Rua de Santa Justa foi distinguida com uma menção honrosa
Sala dos Exames, Casa dos Vinte e Quatro © Márcia Lessa

A reabilitação da Igreja de São José dos Carpinteiros/Casa dos Vinte e Quatro, em Lisboa, levada a cabo pelo Atelier RA Rebelo de Andrade Studio, foi distinguida com o Prémio Gulbenkian Património – Maria Teresa e Vasco Vilalva.

Trata-se de um monumento relevante e com grande peso histórico – a igreja, que data de meados do século XVI, albergou, após o terramoto de 1755, a Casa dos Vinte e Quatro, um órgão deliberativo cuja origem remonta a 1384.

 

Na sua deliberação para a atribuição do prémio – no valor de 50 mil euros – o júri destacou a localização do edifício – “um bairro que mantém ainda hoje uma vivência muito particular” –, a abertura do espaço “à comunidade de que o monumento faz parte”, a “tenacidade dos promotores” e a “pluridisciplinaridade e elevado nível de qualificação da equipa” responsável pela intervenção. “Finalmente, mas não menos importante”, salientou ainda “a tocante exposição de homenagem, patente ao público, a Gonçalo Ribeiro Telles, morador no bairro, recentemente desaparecido”, referiu ainda o júri.

Igreja de São José dos Carpinteiros antes da intervenção © DR
Igreja de São José dos Carpinteiros depois da intervenção © DR
Sala dos Vinte e Quatro antes da intervenção © DR
Sala dos Vinte e Quatro depois da intervenção © DR

 

Para a presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, “com este prémio, a Fundação reafirma, ano após ano, o seu compromisso com a conservação, recuperação, valorização ou divulgação de património privado de inquestionável valor cultural”. Desde 2007, a Fundação distinguiu “dezenas de intervenções exemplares, em bens móveis e imóveis, de norte a sul do país”, referiu ainda Isabel Mota.

Nesta edição do prémio, atribuído anualmente pela Fundação Calouste Gulbenkian, foi ainda distinguida, com uma menção honrosa, a intervenção no edifício do gaveto da Rua dos Douradores com a Rua de Santa Justa, também em Lisboa, realizado por José Adrião, Arquitetos. O júri realçou a “coerência e sensibilidade do projeto, destinado a habitação”, o facto de o arquiteto ter sabido “tirar partido das pré-existências, fazendo-o com rigor conceptual e encontrando soluções adequadas à realidade dos nossos dias”, e o “trabalho de recuperação (sem restauro) de pinturas a fresco nas paredes”.

Rua dos Douradores – exterior © FG + SG
Rua dos Douradores – interior © FG + SG

 

Candidataram-se a esta 13ª edição do Prémio 16 projetos, de norte a sul do território continental, tendo o júri, composto por António Lamas (presidente), Raquel Henriques da Silva, Gonçalo Byrne, Santiago Macias e Rui Vieira Nery deliberado estas duas atribuições por unanimidade.

O Prémio Gulbenkian Património – Maria Teresa e Vasco Vilalva foi criado em 2007 com o intuito de distinguir um projeto de excelência na área da conservação, recuperação, valorização ou divulgação do património cultural português, imóvel ou móvel.

 

Saber mais
Atualização em 27 setembro 2021

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.