Prémio Vilalva 2013

O presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, Artur Santos Silva, entregou ontem o Prémio Vilalva 2013 ao diretor do Museu do Caramulo, Tiago Patrício Gouveia.

A requalificação do espaço expositivo do Museu do Caramulo foi o projeto vencedor do prémio que distingue obras de  recuperação e valorização do património, no valor de 50 mil euros. A celebrar 60 anos de existência, o Museu vê reconhecido o trabalho de modernização das suas salas de exposição e de atualização do discurso museográfico, num projeto da arquiteta Teresa Nunes da Ponte.

O projeto propõe uma requalificação baseada no respeito pelo espaço existente, mas capaz de conferir uma leitura contemporânea através de uma nova distribuição das peças, do desenho de novos suportes expositivos, da introdução de novas tecnologias de iluminação e de uma nova proposta gráfica (da autoria do ateliê Pedro Falcão).

O projeto prevê também o aumento da área de exposição do acervo de arte contemporânea, que tem vindo a receber novas doações, e a criação uma sala dedicada à história do museu e dos seus fundadores, Abel e João de Lacerda. Serão também corrigidos alguns problemas como fendas ou marcas de humidade nas paredes. A nova apresentação da exposição vai destacar alguns núcleos de modo a valorizar a coleção e a sua relação com o público. Para tal, foram selecionadas duas dezenas de obras maiores, representativas da diversidade deste conjunto.

Atualização em 07 Novembro 2016