O primeiro Dicionário de Língua Gestual de São Tomé e Príncipe

Melhorar a qualidade de vida e combater o isolamento das crianças surdas em São Tomé

O dicionário, lançado no dia 10 de julho no Centro Cultural Português, foi criado para melhorar a qualidade de vida e combater o isolamento das crianças surdas em São Tomé. Esta iniciativa faz parte de um projeto mais vasto intitulado “Sem barreiras”, promovido pela Universidade Católica Portuguesa, pelo Serviço do Otorrinolaringologia do Hospital CUF Infante Santo e Instituto Marquês Valle Flor. O apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, do Ministério da Educação, Cultura e Formação e do Ministério dos Assuntos Sociais de S. Tomé e Príncipe foram fundamentais para a sua concretização.

A criação de uma estrutura educativa adequada às necessidades das crianças surdas são-tomenses é um dos objetivos do projeto, Além da criação da língua gestual e do seu dicionário, o “Sem barreiras” integra também várias componentes na área da saúde, nomeadamente rastreios auditivos e cognitivos de crianças sinalizadas com surdez. O Ministério da Educação, Cultura e Formação santomense é o responsável pela integração da língua gestual são-tomense no currículo do ensino especial.