26 Junho 2020 Cultura

Novos livros para redescobrir Eduardo Lourenço

A Obra Completa de Eduardo Lourenço conhece mais dois volumes com a recente publicação dos títulos “Requiem para Alguns Vivos” e “Pessoa Revisitado. Crítica Pessoana I (1949 – 1982)”.

Eduardo Lourenço © Márcia Lessa

Estas obras correspondem, respetivamente, aos volumes VIII e IX desta série, editada pela Fundação Gulbenkian no âmbito da Coleção Cultura Portuguesa.

Em Requiem para Alguns Vivos, com introdução, transcrição dos textos, notas e revisão final de Isabel Almeida, podem ler-se textos escritos num período de mais de meio século, nos quais evoca o desaparecimento de amigos, poetas, escritores, artistas, músicos, filósofos, professores, mas também de personagens distantes admiradas pela sua aura singular. A lista é longa e inclui  nomes tão distintos como Amália Rodrigues, Albert Camus, Marilyn Monroe, Marcello Mastroianni, João Paulo I, Paul Ricoeur, José de Azeredo Perdigão e Agostinho da Silva. Entre os escritores e poetas figuram Miguel Torga, Virgílio Ferreira,  Jorge de Sena, Vitorino Nemésio, José Régio, Ruben A., José Cardoso Pires, Jorge Amado, David Mourão-Ferreira, Herberto Hélder, Sophia de Mello Breyner, Natália Correia ou Gonzalo Torrente Ballester. Podem também ler-se tributos a artistas como Almada Negreiros, António Pedro, Mário Botas, a cineastas como Manoel de Oliveira e João César Monteiro e a políticos como Humberto Delgado, Mário Soares e François Miterrand.

Já o volume Pessoa Revisitado. Crítica Pessoana I (1949 – 1982), com coordenação, introdução e notas de Pedro Sepúlveda, reúne todos os textos escritos por Eduardo Lourenço que têm como tema central a obra pessoana, contemplando textos publicados e ensaios inéditos, escritos ao longo de mais de três décadas. A edição deste volume surgiu de uma pesquisa iniciada em 2017 no acervo de Eduardo Lourenço, na Biblioteca Nacional.  Dividida em quatro partes: A Crítica da Crítica, Sobre Pessoa, Pessoa Revisitado e O Infinito Pessoa, este volume dedica-se apenas aos textos que tomam o poeta como referência central, já que, como Eduardo Lourenço não se cansa de reconhecer, Fernando Pessoa é uma presença constante na sua obra.

Ambos os livros podem ser adquiridos na loja do Edifício Sede da Fundação.