Hack for Good

Criar melhores soluções para a integração dos refugiados a nível global é o objetivo da 2ª edição da maratona de tecnologia com impacto social nos dias 24 e 25 de junho, na Fundação Calouste Gulbenkian.

Mais de 150 pessoas, entre programadores, engenheiros informáticos, designers, gestores, psicólogos e estudantes universitários, vão participar na 2ª edição do Hack for Good, uma iniciativa promovida pela Fundação Calouste Gulbenkian, demonstrando que é possível colocar a tecnologia ao serviço da resolução de problemas sociais. Os participantes, com idades entre os 18 e os 55 anos, vêm de todo o país para uma maratona que durará cerca de 30 horas e onde vão responder ao desafio de criar soluções tecnológicas destinadas a melhorar a vida dos refugiados. Esta iniciativa realiza-se em parceria com o Techfugees, um movimento global que se dedica a facilitar a integração de refugiados e o trabalho das ONGs focadas neste tema.

Pretende-se que as 37 equipas que participam no Hack for Good, nas instalações da Fundação Calouste Gulbenkian, desenvolvam soluções que permitam maior conectividade e acesso à internet e tecnologia, soluções de educação formal e não formal online e offline, soluções para reconhecimento de diplomas e documentação que permitam a integração dos migrantes nos países que os acolhem, desenvolvimento de inovações tecnológicas que facilitem a integração social, cultural e económica de refugiados nas suas comunidades de acolhimento.

Estes desafios foram desenhados a partir de um levantamento de necessidades destas populações realizado junto de organizações que trabalham diariamente estas questões: Alto Comissariado para as Migrações; Câmara Municipal de Lisboa; Conselho Português para os Refugiados; Plataforma de Apoio aos Refugiados/Serviço Jesuíta aos Refugiados; Plataforma Global de Apoio a Estudantes Sírios (APGES); Centro de Acolhimento de Refugiados Menores Desacompanhados; Associação Crescer; Cruz Vermelha Portuguesa; e União das Misericórdias Portuguesas.

No desenvolvimento do trabalho durante a maratona de dois dias, as equipas terão também o apoio especializado de mentores de grandes empresas de tecnologia, como a Microsoft e a IBM, e participarão em workshops de realidade virtual, impressão 3D e prototipagem.

A entrega das propostas finais realiza-se ao início da tarde de domingo, dia 25 de junho, com o pitch dos dez projetos finalistas no Auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian, numa sessão pública com transmissão em streaming. O anúncio dos vencedores e entrega dos prémios acontecerá pelas 17:30.

 

 

 

 

 

Ver site Hack for Good