Gulbenkian promove formação de formadores

Duas a três centenas de professores terão formação em competências sociais e emocionais já no ano letivo 2022/2023.

A Fundação Calouste Gulbenkian vai promover a formação de formadores em competências sociais e emocionais com o objetivo de apoiar professores, dos vários ciclos de ensino, a melhor lidar, gerir e promover, nas escolas, competências como a adaptabilidade, a autorregulação, pensamento crítico e criativo, a resolução de problemas ou a resiliência.

Esta formação vai abordar três grandes áreas: a literacia emocional dos professores; o autocuidado, que passa por saber o que se pode fazer para manter a própria saúde mental enquanto adulto; e a apresentação de ferramentas e técnicas para usar na sala de aula.

Esta iniciativa, que será realizada em colaboração com universidades portuguesas e com o Ministério da Educação, terá início no ano letivo 2022/23, podendo alcançar entre 201 e 300 formadores/professores.

A iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian surge no seguimento da criação, entre 2018 e 2021, de 100 Academias Gulbenkian do Conhecimento, que envolveram mais de 54 000 crianças e jovens até aos 25 anos, por via de mais de 450 organizações de todo o País. Cada Academia trabalhou, com estas crianças e jovens, um conjunto de entre sete competências sociais e emocionais chave: adaptabilidade, autorregulação, comunicação, pensamento criativo e crítico, resiliência e resolução de problemas.

A criação de uma bolsa de formadores permitirá, pois, transferir o conhecimento gerado pelas Academias Gulbenkian do Conhecimento (e pelas avaliações realizadas por entidades como as Universidades do Minho, Trás os Montes e Alto Douro, Porto, Coimbra, Beira Interior e Lisboa), ficando os formadores aptos a disseminar, pelos seus pares e nas suas zonas educativas ou agrupamentos, as principais aprendizagens das Academias.

A Fundação Gulbenkian há de contribuir, assim, para a melhoria da Saúde Mental não só de crianças e jovens, mas também dos professores e da restante comunidade escolar.

Recorde-se que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, “a saúde mental traduz-se num estado de bem-estar no qual o indivíduo percebe o seu próprio potencial, é capaz de lidar com o stress normal da vida, trabalhar de forma produtiva e frutífera e de dar um contributo para a sua comunidade.”

 

Sobre a saúde psicológica e bem-estar nas escolas

O estudo Observatório Escolar: Monitorização e Ação | Saúde Psicológica e Bem-estar, promovido pelo Ministério da Educação e coordenado por Margarida Gaspar de Matos (Universidade de Lisboa), com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e da Ordem dos Psicólogos Portugueses, revelou que um terço dos estudantes apresenta “sinais de sofrimento psicológico a exigir atenção e carência de recursos para lhes fazer face”. Entre os docentes, a percentagem sobe para pelo menos 50%. 

Atualização em 24 maio 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.