faznoticia

FAZ – Ideias de Origem Portuguesa

COTEC e Gulbenkian recebem a partir de hoje candidaturas aos prémios FAZ

A partir de hoje estão abertas as candidaturas para uma nova edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa e do Concurso Ideias de Origem Portuguesa, que formam a iniciativa FAZ – Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa, promovida pela COTEC Portugal e pela Fundação Calouste Gulbenkian com o objetivo de aproximar a diáspora portuguesa do seu país.

Esta parceria decorre da convicção de ambas as entidades na importância inequívoca da diáspora portuguesa, do valor do seu envolvimento e capitalização da riqueza das suas experiências, para o desenvolvimento de Portugal a nível económico, social e cultural.

Desta forma, e sob a assinatura FAZ – Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa, a COTEC Portugal e a Fundação Calouste Gulbenkian têm, conjuntamente, vindo a dar a conhecer portugueses notáveis desde 2013.

Os interessados devem submeter as candidaturas nos respetivos sítios: www.cotecportugal.pt/diaspora e www.ideiasdeorigemportuguesa.org.

 

Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa

Candidaturas até 29 de fevereiro de 2016

O Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa pretende distinguir e divulgar publicamente cidadãos portugueses que se tenham destacado pelo seu papel empreendedor e inovador no meio empresarial, mas também social ou cultural, no contexto das respetivas sociedades de acolhimento, onde se encontrem há mais de 5 anos.

O Prémio, promovido pela COTEC Portugal desde 2007 e contando com o alto patrocínio do Presidente da República, tem contribuído para fortalecer a ligação dos portugueses ao seu país de origem e para reforçar a imagem e prestígio de Portugal no estrangeiro, procurando também promover reflexos na internacionalização da economia e na atração de investimento, bem como na valorização da língua e da cultura nacional.

Trata-se de um projeto impulsionador do papel que a diáspora pode desempenhar na economia portuguesa, elevando o valor dos portugueses da Diáspora junto das empresas e da opinião pública residentes.


No decorrer das suas oito edições
, o Prémio Diáspora deu a conhecer importantes personalidades que se afirmaram em sociedades da mais elevada exigência como EUA, Austrália e França. A última edição deste Prémio reuniu até agora o número recorde de candidaturas: 201. Os candidatos da 8.ª edição são oriundos de diversos setores de atividade com predominância para os setores de comércio/serviços (53), construção civil (27), indústrias criativas (26), tecnologias (19), restauração/turismo (16) e associativismo/social (13). Salienta-se a diversidade dos perfis empresariais dos candidatos, oriundos de várias áreas como os setores financeiro, imobiliário, comunicação, ensino ou formação.

José Neves, que venceu a edição de 2015 do Prémio, criou a sua primeira empresa aos 19 anos, a Grey Matter, que desenvolvia software de gestão para a indústria da moda.  Desde cedo, revelou o seu perfil empreendedor ao ter a visão de aproximar dois mundos aparentemente tão distintos: a tecnologia e a moda. O seu envolvimento com o mundo da moda começa nos anos 90 ao lançar a sua marca de calçado, Swear. Seguem-se vários marcos associados ao retalho de moda. Em 2001, José abre a conceituada B Store, que recebe inúmeros elogios e prémios, incluindo o Prémio Britânico de Moda para Retalhista do Ano em 2006.

O grande marco da sua carreira acontece em 2008 quando funda a Farfetch, um projeto que materializa a sua experiência como fashion designer e retalhista. Conhecendo os inúmeros desafios dos retalhistas de moda, José Neves teve a visão de criar um único espaço online capaz de garantir a ponte entre boutiques de luxo de todo mundo e uma audiência global. Hoje, a empresa tem escritórios em sete países: Portugal, Reino Unido, Brasil, Estados Unidos, Japão, Rússia e China. O site agrega mais de 300 boutiques de 27 países, sendo possível comprar mais de 125 000 produtos de luxo de cerca de 2000 marcas, à distância de um clique. Recentemente avaliada em mil milhões de dólares, a Farfetch tornou-se um unicórnio da moda e consegue ser a única startup portuguesa com esta avaliação. José Neves continua a desenhar o futuro assente num objetivo  estratégico: tornar a Farfetch a empresa líder mundial no comércio online de roupas de luxo no ano 2016.


FAZ – Ideias de Origem Portuguesa

Candidaturas até 29 de fevereiro de 2016

Encontrar projetos de empreendedorismo social que façam a diferença nas áreas do Ambiente e Sustentabilidade, do Diálogo Intercultural, do Envelhecimento e da Inclusão Social é o propósito do concurso FAZ – Ideias de Origem Portuguesa.

Para participar basta constituir uma equipa que integre um cidadão português ou lusodescendente residente no estrangeiro e submeter um vídeo ilustrativo da ideia que se propõe. 

Criado pela Fundação Calouste Gulbenkian em 2010 para usar a experiência, o talento e o dinamismo dos emigrantes portugueses em benefício do seu país de origem, o Concurso Ideias de Origem Portuguesa registou grande adesão nas edições anteriores, com cerca de 400 ideias provenientes de mais de 30 países dos 5 continentes.

Entre os projetos vencedores de edições passadas, destaca-se a Orquestra XXI que reúne músicos portugueses espalhados pelas melhores orquestras do mundo para tocar com regularidade. Aplaudida pela qualidade dos seus músicos, do seu repertório e das suas atuações, a 16 de dezembro a Orquestra XXI irá encerrar a 13.ª Mostra Portuguesa, que se desenrola em todo o território espanhol com exposições de pintura, concertos e ciclos de cinema de autores nacionais. O projeto de combate ao desperdício alimentar Fruta Feia, vencedor da edição do concurso em 2013 e que deu origem à criação de uma cooperativa de consumo para distribuição de frutas e legumes, também se tem destacado: obteve recentemente financiamento da União Europeia para replicar o seu modelo de trabalho a nível nacional, para estar envolvida com a comunidade escolar e para monitorizar o seu impacto socio-ambiental.

Na última edição do concurso venceu o projeto Rio Frio – Território Criativo, que propunha instalar rebanhos comunitários em terrenos baldios como estratégia para minimizar o risco de incêndio no concelho de Arcos de Valdevez. Depois de vários meses de trabalho para a concretização do projeto, no próximo mês de dezembro um primeiro rebanho de 50 cabras autóctones irá para o terreno cobrindo 15 hectares.

Também o projeto da TEIA | Transforming Emigration Into Action, que ficou em 2º lugar na última edição do concurso, está prestes a ser lançado ao público. A plataforma de internacionalização para empreendedores portugueses será lançada em janeiro de 2016. E o projeto Webradio para crianças (3º lugar) inicia as suas emissões experimentais no próximo dia 20 de novembro.

No valor de 50 mil euros, o prémio deste concurso de ideias de empreendedorismo social dirigido à diáspora portuguesa é inteiramente destinado ao financiamento dos projetos, sendo 25 mil euros atribuídos ao vencedor, 15 mil euros ao segundo lugar e 10 mil euros ao terceiro.

 

Mais informações: www.faz.com.pt / www.cotec.pt/diaspora / www.ideiasdeorigemportuguesa.org