Bolseira Gulbenkian ganha Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa 2020

Emília Pinto, médica no Hospital Central de Maputo, recebeu prémio pelo projeto “Cuidados Paliativos em Moçambique”.
Emília Pinto, responsável pela unidade da dor do Hospital Central de Maputo

O prémio, no valor de 7500 euros, é atribuído anualmente pela Câmara de Comércio Portugal Moçambique e tem como objetivo reconhecer individualidades ou organizações que, pela sua relevância e pelo trabalho desenvolvido, se tenham distinguido na área da Responsabilidade Social em Moçambique.

Emília Pinto é bolseira de doutoramento da Fundação Gulbenkian e médica responsável pela área dos cuidados paliativos do Hospital Central de Maputo, apoiado no âmbito do projeto “Melhoria do diagnóstico e tratamento das doenças oncológicas – Onco-Moçambique”, gerido pela Fundação.

O projeto vencedor promove a integração dos Cuidados Paliativos no sistema nacional de saúde moçambicano, tema que Emília Pinto aborda no seu trabalho final de doutoramento, na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. A abertura da primeira “Unidade de Dor e Cuidados Paliativos” do país, no Hospital Central de Maputo, contou com o apoio do projeto gerido e financiado pela Fundação Gulbenkian, em parceria com o Camões IP, o Millenium Bim e a Fundação Millenium BCP.

O Prémio foi criado em homenagem a Maria das Neves Rebelo de Sousa, uma das primeiras assistentes sociais de Portugal, que dedicou parte da sua vida às causas sociais e humanitárias em Moçambique. A cerimónia, realizada via zoom, contou com a intervenção do Presidente da República Portuguesa, do antigo Presidente da República de Moçambique, Joaquim Alberto Chissano e do antigo Ministro da Saúde de Moçambique, Leonardo Simão.