Apresentação

A Fundação Calouste Gulbenkian foi criada em 1956 por testamento de Calouste Sarkis Gulbenkian, filantropo de origem Arménia que viveu em Lisboa entre 1942 e 1955, ano em que faleceu.

De nacionalidade Portuguesa e instituída em perpetuidade, a Fundação tem como propósito fundamental melhorar a qualidade de vida das pessoas através da arte, da beneficência, da ciência e da educação. A Fundação desenvolve as suas atividades a partir da sua sede em Lisboa e das delegações em Paris e em Londres, tendo também intervenção através de apoios concedidos desde Portugal nos PALOP e Timor-Leste bem como nos países com Comunidades Arménias.

A Fundação conta com um museu, que alberga a coleção particular do Fundador e uma coleção de arte moderna e contemporânea; uma orquestra e um coro; uma biblioteca de arte e arquivo; um instituto de investigação científica; e um jardim, que é um espaço central da cidade de Lisboa, onde decorrem também as atividades educativas.

Em articulação com as atividades culturais, a Fundação cumpre a sua missão através de programas inovadores que desenvolvem projetos piloto e apoiam, através de bolsas e subsídios, instituições e organizações sociais.

Para o período 2018-2022, os três domínios prioritários — coesão e integração social, sustentabilidade e conhecimento – deverão ser refletidos em toda a estratégia de intervenção.

 

 

Missão

A Fundação é uma instituição perpétua de nacionalidade portuguesa com fins caritativos, artísticos, educativos e científicos.

Comprometida com a sua plena independência e preservação do seu património, a Fundação define como principal prioridade para a sua atividade a construção de uma sociedade que ofereça iguais oportunidades e que seja sustentável.

 

Visão

Instituição filantrópica privada de referência, aberta ao mundo, que contribui para uma sociedade mais justa e solidária preparando os cidadãos do futuro.

 

Valores

Integridade – Independência – Transparência – Responsabilidade

 

Relação com a Sociedade

  • Afirmar a Fundação como espaço aberto ao mundo, e à participação alargada dos grupos sociais com que se relaciona, criando um processo de consulta que abarque a Fundação como um todo, garantindo adequada composição quanto a competências, gerações e âmbito internacional;
  • Afirmar a Fundação como parceira fundamental no fortalecimento das organizações da sociedade civil;
  • Participar nas principais redes internacionais de fundações e ser parceira em projetos que marquem a reflexão sobre os grandes temas da atualidade;
  • Valorizar as redes de beneficiários e de contactos da Fundação;
  • Projetar a atividade da Fundação para além da sua Sede;
  • Promover uma cultura de prestação de contas, transparência, e maximização de impacto social e maximização de impacto social.