9 Agosto 2019

Nova programação para escolas e professores

Novo ano letivo, novas atividades © Gonçalo Barriga

Com a entrada do ano letivo 2019/2020, chegam as propostas educativas da Fundação Calouste Gulbenkian.

O Museu Calouste Gulbenkian, no âmbito da exposição Art on Display (que inaugura em novembro de 2019), criou a visita Para onde devo olhar?!, que convida os alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos a refletirem sobre como se constrói uma exposição. Aproveitando a maré de reflexão e questionamento, abrimos uma nova área de debates para grupos escolares do 2.º, 3.º ciclos e ensino secundário e profissional nas galerias do Museu. Pensar em conjunto. Debates no Museu é um espaço pensado sobretudo para responder à disciplina de Cidadania, partindo das obras das Coleções para conversar sobre direitos humanos, interculturalidade, igualdade de género, e muitos mais temas. Na área da Música, além dos habituais concertos comentados e guias de audição, a equipa educativa continua a valorizar as suas visitas musicais, desafiando os alunos a abandonarem o papel de meros espectadores e a abraçarem o de fazedores e criadores, para aprenderem mais sobre exploração sensorial, sonora e musical. No Jardim e Edifício, propomos também visitas e oficinas que visam explorar e divulgar este valioso património nos seus mais variados aspetos, ensaiando novas formas criativas de ensinar e aprender, em contacto direto com o mundo vivo, e promovendo uma cultura informada da paisagem. A Biblioteca de Arte volta a abrir as suas portas a todos aqueles que precisem de informação especializada nas áreas da história da arte, da arquitetura, das artes visuais e do design. E a Fundação continua a ter propostas artísticas destinadas a ser tocadas, dançadas, desenhadas, ouvidas, ou somente observadas, especialmente pensadas para o público com necessidades educativas especiais, que neste ano letivo disporá de várias novidades, como a visita tátil com audiodescrição na Coleção Moderna, ou uma visita em língua gestual portuguesa na Coleção do Fundador.

Por sua vez, o Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), em Oeiras, criou um leque apetecível de propostas, para várias idades. Aos mais novos do 1.º e 2.º ciclos, o IGC convida-os a serem cientistas no dia da criança, com a atividade Cientistas no Jardim Gulbenkian. Já os mais velhos, das academias e universidades seniores, serão muito bem-vindos no IGC, onde poderão vivenciar O dia do fascínio das plantas, com várias atividades que darão a conhecer a importância que a investigação na área da biologia das plantas tem para a nossa sociedade.

2019, um ano para celebrar Calouste
O homem das mil moradas é um acontecimento teatral que acontece na galeria renascentista da Coleção do Fundador, para alunos do 1.º e 2.º ciclos. Este acontecimento dá a conhecer Calouste, a sua vida e história, e as peripécias da constituição da sua coleção de arte. E até dezembro de 2019, grupos escolares a partir do 3.º ciclo e outros grupos organizados podem, e devem, visitar a exposição Calouste: uma vida, não uma exposição, pela qual se dá a conhecer o notável percurso de um homem que soube conciliar com espantosa mestria negócio, colecionismo e filantropia. A visita a esta exposição é umas das propostas para celebrar os 150 anos do nascimento de Calouste Gulbenkian.

Mais novidades
Para o ensino superior, não esquecer as duas datas em que ocorrerá o Dia aberto universidades, que terão lugar na Fundação Calouste Gulbenkian e no IGC. Na Fundação prometemos um dia para conhecer os bastidores e as pessoas, mediante uma programação abundante e diversificada. Já no IGC, os alunos do ensino superior são convidados a conhecer a investigação científica que ali se faz, através de visitas aos laboratórios, mesas-redondas e speed dating com os cientistas.


E para os professores

Chamamos a atenção para os cursos que preparámos. No âmbito da música, gizámos dois cursos: um para falar sobre (Quase) tudo o que sempre quis saber sobre música clássica e teve medo de perguntar, e outro para compreender as ligações entre Rússia, música e literatura durante o Romantismo e o Modernismo.

No campo das práticas criativas, colaborativas e coletivas em sala de aula, e investindo na familiaridade das crianças com o mundo natural, sugerimos o curso Aula no Jardim – ensinar a aprender com a natureza. E no âmbito da formação pedagógica estão pensados dois cursos: Aqui eu conto!, em que se vai ensinar o uso de práticas teatrais para o ensino-aprendizagem do português como língua não materna, e, por último, Museu acessível: práticas artísticas com públicos especiais, no qual se visa partilhar práticas e metodologias desenvolvidas pela equipa da Fundação no trabalho desenvolvido com públicos com necessidades educativas especiais.

As marcações para o próximo ano letivo começam a 9 de setembro. Consulte a brochura com as novas atividades. 

Ver brochura