Esculturas Infinitas. Do Gesso ao Digital

Visita orientada para escolas e grupos

Incorporando obras de 18 artistas contemporâneos e gessos da coleção da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, a exposição Esculturas Infinitas procura olhar de forma atenta para o papel desempenhado pela moldagem não só na escultura, mas também em vários aspetos do quotidiano.
Este processo tem permitido a reprodução de obras de arte, de objetos do quotidiano, de elementos da natureza e de edifícios, tanto no passado como no presente. Embora o molde em gesso continue a ser utilizado na produção artística, pretende-se também mostrar outras tecnologias mais modernas, incluindo a impressão 3D. Estes diferentes métodos e materiais recordam-nos que a escultura raramente é única: uma das suas características intrínsecas é a multiplicidade. Os gessos permitem perpetuar momentos especiais – o crescimento de uma criança, o rosto de um defunto, um edifício importante –, mas também podem ser usados para reproduzir objetos de uso quotidiano, como casas ou utensílios domésticos. Esta técnica tem tido uma importante função documental e, em particular, na medicina: a sala de anatomia assume-se como um espaço de aprendizagem entre a medicina e a arte.

Conceção e orientação
Ricardo Mendes e Sara Inácio

Palavras-chave
Escultura, moldagem, impressão 3D, obras de arte, quotidiano

Instituição

Data de Marcação

Local

Dados do grupo

Requer marcação

Entre em contacto connosco para que possamos organizar uma sessão que se adapte às suas necessidades.

Sobre a atividade:

Duração: 60 minutos

Mínimo de participantes: 10

Máximo de participantes: 25

Língua: Português

Preço: 1,50 € (Preço por pessoa)

Onde:

Ponto de encontro: Edifício Sede — Galeria principal

Abrir Google Maps