to go to. Jorge Queiroz | Arshile Gorky

Slider de Eventos

Data

08 jul – 17 out 2022
  • Encerra à Terça

Local

Galeria de Exposições Temporárias Museu Calouste Gulbenkian
A exposição reúne desenhos e pinturas dos artistas Jorge Queiroz e Arshile Gorky, ambos representados na Coleção do Centro de Arte Moderna.

Esta exposição resulta da aproximação entre dois artistas, um moderno, Arshile Gorky (Khorkom, Arménia, c. 1904 – Sherman, Connecticut, 1948), e um contemporâneo, Jorge Queiroz (Lisboa, 1966). A ideia inicial era simplesmente observar o modo como a obra de Gorky «fala» a Queiroz. E Queiroz transformou o projeto numa instalação onde acolhe, ou recebe, a visita de Gorky. Como refere num texto que escreveu para a exposição, «frequentou Gorky até o acolher na sua visão da exposição (…) e Gorky estava lá [na exposição, no estúdio] quase sempre sentado a preto e branco como na sua fotografia».

Fruto da relação sempre mantida viva com a Arménia, a Fundação Gulbenkian detém um depósito de 57 obras de Arshile Gorky, propriedade da Diocese da Igreja Arménia de Nova Iorque (Oriental), e ainda três obras no acervo do Centro de Arte Moderna. Foi a partir deste conjunto que Queiroz selecionou as pinturas e desenhos de Gorky apresentados na exposição, todos pertencentes ao último período da sua obra, da década de 1940, unanimemente considerado a sua melhor fase, aquela em que o artista atinge a plena maturidade e uma linguagem visual totalmente própria.

A este conjunto veio ainda juntar-se o empréstimo de uma pintura excecional, proveniente do Museo Thyssen-Bornemisza. Intitulada Last Painting (The Black Monk) e datada de 1948, é conhecida como sendo provavelmente a última pintura de Gorky, uma vez que foi encontrada no cavalete do estúdio no momento do seu suicídio.

Procuram-se ressonâncias entre os trabalhos dos dois artistas, ecos e diferenças, ainda que toda a exposição seja uma criação de Queiroz, um convite à presença de alguma forma tutelar e fantasmática de Gorky.

A realidade surge através das obras expostas, elas são o corpus visível onde o trabalho dos dois artistas momentaneamente se encontra. Nessa medida, a presença da última pintura de Gorky torna-se ainda mais poderosa, tendo sido criada a partir da leitura do conto de Tchekhov pelo título do qual é conhecida. Publicado em 1893, O Monge Negro conta os dois últimos anos da vida de um jovem e erudito investigador, que sofre um esgotamento nervoso, com delírios de grandeza, em que é visitado pela aparição de um monge negro que o convence ser o escolhido por Deus para um desígnio superior. Embora experimente a felicidade breve de um casamento, o jovem acha-se cada vez mais mergulhado na mediocridade sem a companhia do monge, e acaba por morrer tuberculoso, numa alucinação final em que é por este conduzido à glória. Gorky terá encontrado analogias entre a sua vida e o trágico destino de Andrey Kovrin, o protagonista do conto de Tchekhov.

Frente a esta pintura, do outro lado da sala, Queiroz expõe cinco telas realizadas para a exposição, nas quais pintou sobre linhas serigrafadas, como se fossem papel de carta, evocando a leitura que fez da extensa correspondência de Gorky recentemente publicada[1]. As pinturas de Queiroz comentam e adensam o mistério que rodeia este encontro, que aceitou organizar, embora tateante como num sonho, ou mesmo num pesadelo. Gorky foi um artista que Queiroz conheceu desde cedo, exposto na Gulbenkian em 1984, ano da chegada a Lisboa da Coleção Mooradian. A exposição inclui ainda três outras pinturas e um vídeo de Queiroz, expressamente realizados para este projeto, além de vários seus trabalhos anteriores, sobre tela e sobre papel.

O título da exposição, «to go to» é da autoria de Queiroz, que sobre ele escreveu «Penso que é uma imagem gráfica que vai em duas direções: tanto para trás como para a frente dá um mesmo resultado. Para mim, graficamente, uma cara. Também dois homens com chapéus, a atravessar uma ponte.» Sugerindo uma correspondência biunívoca, esta capicua de palavras sintetiza a posição relativa entre as obras expostas, os dois artistas e o observador. É necessário «ir para», é necessário mexermo-nos para ver, para comparar ou, simplesmente, para sair do lugar em que estamos. Ao observador é pedido que se desloque, pisando um macio tapete amarelo onde os seus passos ficam marcados.

 

 

[1] Arshile Gorky. The Plow and the Song. A Life in Letters and Documents, Matthew Spender (ed.), Zurich: Hauser & Wirth Publichers, 2018

 

Curadoria: Ana Vasconcelos


VISTAS DE EXPOSIÇÃO


VÍDEO


PUBLICAÇÃO


Programação complementar

Visitas orientadas 
Com Cristina Campos / Em português 
Sáb, 01 out, 16:00 

Saber mais

Visita e conversa com a curadora e o artista 
Com Ana Vasconcelos e Jorge Queiroz / Em português 
Sex, 08 jul, 16:00

Saber mais

Oficina de desenho para famílias
Entre gestos, formas e cores
Com Mariana Wemans e Rita Luiz / Em português
Dom, 09 out, 10:30

Saber mais

Visitas orientadas 
Com Cristina Campos / Em português

Saber mais

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.