Ciclo de oficinas de fotografia experimental

Química fotográfica experimental, sombras, fitograma

Slider de Eventos

Este ciclo consiste numa série de oficinas sobre várias técnicas de fotografia experimental, baseadas na obra de diversos autores ao longo da história da fotografia – de meados do século XIX até à atualidade – de Anna Atkins a Floris Neussus. Em cada oficina será trabalhada uma técnica específica, e produzida uma série de imagens inspiradas no Jardim Gulbenkian que se materializarão em pequenos objectos-livro de diferentes formatos.

Conceção e orientação: Imagerie – Casa das Imagens


SESSÕES

Em janeiro de 1843, o químico e astrónomo John Herschel, uma das mais importantes figuras do início da história da fotografia, publicou na revista da The Royal Society um artigo com o nome “Sobre a ação dos raios do espetro solar em cores vegetais e sobre alguns novos processos fotográficos”. Deste artigo nasceriam alguns processos de impressão tais como a antotipia e a cianotipia, e lançar-se-iam as bases para o aparecimento de outros, como o Van Dyck Brown. A partir das experiências vagamente descritas por Sir John Herschel no artigo, os participantes criarão uma pequena série de fotogramas de objetos encontrados no Jardim Gulbenkian recorrendo a diferentes combinações químicas e processamentos, não necessariamente os que ficaram cristalizados na história dos processos fotográficos.

Em 1978, o artista plástico Floris Neussus e a sua mulher Renate Heyne criaram um fotograma da janela de treliça de Lacock Abbey - a casa de Fox Talbot - trazendo a criação de fotogramas de dentro do laboratório para o terreno. Esta obra está carregada de simbolismo, por ser uma reprodução em tamanho real do objeto registado no primeiro negativo fotográfico permanente criado com uma câmara, por Fox Talbot em 1835. À semelhança do trabalho desenvolvido por Floris Neussus em Lacock Abbey, os participantes nesta oficina levarão papel fotográfico para o Jardim Gulbenkian para criar uma série de imagens em tamanho real dos desenhos das sombras que o Jardim proporciona.

Em 2014, o artista visual e cineasta australiano Karel Doing iniciou um projeto de investigação sobre ecologia e media, do qual resultou a invenção do Fitograma, um processo que trabalha a interação entre as propriedades fitoquímicas das plantas e as emulsões fotoquímicas.

Partindo da tradição do fotograma como processo de “cameraless photography” por excelência e passando por outros mais recentes tais como o quimigrama, Karel Doing aplicou este processo tanto a película de filme como a papel fotográfico. Nesta oficina, os participantes utilizarão plantas encontradas no Jardim Gulbenkian para criar as suas próprias imagens com base neste processo. O resultado será um pequeno objecto-livro.


INFO ADICIONAIS

  • Ponto de encontro na entrada do Edifício Sede (lado exterior);
  • Bilhete único para as 3 sessões (ciclo inteiro).