Publicado volume X da Obra Completa de Eduardo Lourenço

Com a recente edição de Jorge de Sena, Contemporâneo Capital, soma-se um novo volume às Obras Completas de Eduardo Lourenço, que estão a ser publicadas pela Fundação Gulbenkian no âmbito da série de Cultura Portuguesa.

Com coordenação, introdução e notas de Gilda Santos, reúnem-se ensaios, artigos, depoimentos e a extensa correspondência trocada entre Eduardo Lourenço e Jorge de Sena, “camaradas de letras”, cuja amizade ao longo de três décadas, foi pautada, nas palavras de Mécia de Sena, por “respeito e admiração mútua”. Entre os vários artigos e ensaios incluem-se Sinais de Fogo: a invenção de um poeta, O Regresso do (In)desejado, A Imagem camoniana de Jorge de Sena e A Amarga fúria. Na não-morte de Jorge de Sena.

Especialista na obra de Jorge de Sena e uma das maiores divulgadoras da obra do autor de “O Físico Prodigioso”, Gilda Santos tem uma extensa atividade ligada à literatura e ao ensino, edição e divulgação de livros e escritores de língua portuguesa e é membro da direção, há cerca de duas décadas, do Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro.

Este novo volume segue-se a Pessoa Revisitado. Crítica Pessoana I, 1949 – 1982 (volume IX),  Requiem para Alguns Vivos (volume VIII), Antero, Portugal como Tragédia (volume VII), Estudos sobre Camões (volume VI), Tempo da Música (volume V), Tempo Brasileiro (volume IV), Tempo e Poesia (volume III), Sentido e Forma da poesia neo-realista e outros ensaios (volume II) e Heterodoxias (volume I).

Os três últimos volumes serão publicados até ao final de 2022.

Filósofo e ensaísta português, Eduardo Lourenço (1923- 2020) é autor de uma vasta obra que reflete magistralmente sobre uma grande variedade de temas filosóficos, políticos, culturais, religiosos e literários. Parte importante dos seus estudos críticos e literários foram dedicados à poesia, com ênfase em Camões, Pessoa e Antero. Colaborador de longa data da Fundação Calouste Gulbenkian, foi seu administrador não executivo entre 2002 e 2012.

Ao longo da sua vida, recebeu numerosas distinções, entre as quais o Prémio Europeu de Ensaio Charles Veillon (1988), o Prémio Camões (1996), o Prémio Pessoa (2011) e o Prémio da Academia Francesa (2016). Entre outras condecorações, foi agraciado com as Grã-Cruz da Ordem de Sant’Iago da Espada da Ordem do Infante D. Henrique e da Ordem da Liberdade. Foi ainda nomeado Officier de la Légion d’Honneur e consagrado Doutor Honoris Causa pelas Universidades do Rio de Janeiro (1995), Universidade de Coimbra (1996), Universidade Nova de Lisboa (1998) e Universidade de Bolonha (2006).

Os volumes desta Coleção podem ser adquiridos na loja da Fundação.