Prémio Gulbenkian para a Humanidade distingue maior aliança global de cidades

No valor de 1 milhão de euros, o prémio foi atribuído ao Global Covenant of Mayors e vai financiar projetos em cidades da África subsariana

O Global Covenant of Mayors for Climate & Energy – GCoM é a maior aliança global para a liderança climática das cidades, sendo constituída por mais de 10.600 cidades e governos locais de 140 países, incluindo Portugal.

O GCoM é copresidido por Frans Timmermans, vice-Presidente Executivo da Comissão Europeia para o Pacto Ecológico Europeu, e por Michael Bloomberg, antigo presidente de Câmara de Nova Iorque e enviado especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para Ambições e Soluções Climáticas.

 

Michael Bloomberg, copresidente da GCoM, agradece à Fundação Calouste Gulbenkian pelo Prémio

 

O júri da 2ª edição do Prémio Gulbenkian para a Humanidade distinguiu, entre 113 candidatos provenientes de 48 países, o esforço concertado desta aliança para promover a transição das cidades para uma economia de baixo carbono.

O Prémio Gulbenkian para a Humanidade será entregue no dia 9 de novembro na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26), que se realiza em Glasgow, na Escócia.

O montante de 1 milhão de euros do Prémio Gulbenkian vai financiar projetos de grande dimensão em cinco cidades no Senegal (fornecimento de água potável) e numa cidade nos Camarões (desenvolvimento de soluções de eficiência energética). Estes projetos, de elevada ambição climática, foram identificados pela Fundação Gulbenkian, em conjunto com a equipa técnica da organização premiada.  

 

Conheça o projeto da GCoM no Senegal

 

O apoio aos projetos selecionados será realizado em estreita colaboração com o Pacto de Autarcas Regional na África Subsariana, a Cooperação Internacional Alemã e o Banco Europeu de Investimento.

O júri do Prémio refere que a atribuição do Prémio Gulbenkian para a Humanidade “não podia ser mais oportuna e apropriada, já que mais de metade da população mundial vive em áreas urbanas, sendo as cidades responsáveis por mais de 70% das emissões globais de CO2.” Salientando “o papel determinante dos municípios para lutar eficazmente contra as mudanças climáticas e o alcance global desta organização”, o júri frisou o facto de o montante do Prémio “se destinar a apoiar a sua ação concreta na criação de cidades descarbonizadas e resilientes, com um foco especial em dois projetos em África”.  

Relembrando que no ano passado o Prémio distinguiu uma “icónica ativista” como Greta Thunberg, “fundamental para a defesa das causas climáticas”, a presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, Isabel Mota, sublinha que, ao ser atribuído este ano a uma organização como o Global Covenant, este Prémio demonstra “a elevada importância da descarbonização e resiliência das cidades no combate à crise climática e na recuperação económica coesa e sustentável, bem como do impacto da ação local a nível global”. Isabel Mota considera que “o Prémio vai, seguramente, alavancar as ambições climáticas e os planos de ação de diversas cidades africanas em zonas vulneráveis e que necessitam de toda a atenção.”

Em nome da Global Covenant of Mayors e da Comissão Europeia, Frans Timmermans diz-se “verdadeiramente honrado pela atribuição deste prestigiado prémio, que vem reconhecer o papel pioneiro das cidades na transição para uma economia com emissões zero de carbono e também a urgência em combater a crise climática em todo o mundo. Iremos impulsionar o reconhecimento que nos foi conferido pela Fundação Calouste Gulbenkian apoiando os Presidentes de Câmara que se encontram a liderar a implementação de ações climáticas ambiciosas”.

Michael Bloomberg sublinha também que as cidades “são a chave para vencer a batalha contra as alterações climáticas” e que “apoiando-as e ajudando-as a trabalhar em conjunto, podemos fazer muito para acelerar o progresso global”. Bloomberg afirma ainda que “o valor do prémio irá, através do Global Covenant of Mayors, ajudar as cidades da África subsariana a enfrentar as alterações climáticas, de modo que possam também recuperar dos impactos económicos provocados pela pandemia.

Mohamed Sefiani, presidente da Câmara de Chefchaouen, em Marrocos, e membro da GCoM, confirma que o valor do Prémio Gulbenkian para a Humanidadeserá usado para apoiar as cidades subsarianas nos planos e estratégias de ação climática e na preparação de projetos para investimentos futuros”. Acrescenta ainda que “graças ao generoso apoio da Fundação, estamos a trabalhar em direção a uma recuperação verde e justa, o que significa mais emprego, melhor saúde pública, menor desigualdade e um planeta mais saudável para nós e para as gerações vindouras”.

Werner Hoyer, Presidente do Banco Europeu de Investimento (BEI) afirma que “o BEI trabalha muito de perto com cidades de todo o mundo para enfrentar as alterações climáticas através de projetos transformadores. Estamos encantados com esta distinção da Fundação Gulbenkian à Global Covenant que vai permitir desenvolver projetos do BEI com os nossos parceiros do SONES (empresa pública de abastecimento de água), para proporcionar água potável a cinco cidades do Senegal, ajudando a responder aos efeitos das alterações climáticas e a criar resiliência contra a doença”.

As cidades africanas enfrentam grandes desafios associados às alterações climáticas, pois além das múltiplas vulnerabilidades, deparam-se ainda com lacunas de financiamento críticas.

Os projetos identificados no Senegal e nos Camarões têm um elevado potencial de impacto, estando numa fase inicial de planeamento, dependentes de financiamento para avançar. Integram o pipeline do Fundo Gap, que se destina a ajudar cidades de médio e baixo rendimento a fazer a transição para economias de baixo carbono resilientes ao clima, por meio de uma parceria entre entidades financiadoras

A disponibilização de pontos de abastecimento de água para uso doméstico em cinco cidades do Senegal vai beneficiar famílias desfavorecidas e terá um elevado impacto na saúde pública, na economia e na redução das desigualdades de género. Já nos Camarões, o foco será na renovação da rede de iluminação pública na cidade de Garoua, recorrendo a tecnologias mais eficientes e à instalação de novos equipamentos, e prevê o alargamento da rede a locais remotos ou não servidos pela rede pública de eletricidade. A instalação de iluminação pública trará benefícios em termos de segurança, sobretudo de mulheres e raparigas jovens, além da redução de emissões e também de despesa pública.

 

Sobre o GCOM

O Global Covenant of Mayors for Climate & Energy nasceu da fusão do Covenant of Mayors da União Europeia e do Compact of Mayors, duas iniciativas criadas para promover a transição das cidades para uma economia de baixo carbono e resiliente às alterações climáticas. 

 

Além da copresidência de Michael Bloomberg e Frans Timmermans, o Conselho de Administração do GCoM é constituído por 10 presidentes de Câmara, representando as 10 regiões envolvidas na aliança (União Europeia e Europa Ocidental; Europa de Leste; Médio Oriente e Norte de África; África Subsariana; Sudeste Asiático; Sul da Ásia; Leste da Ásia; América Latina e Caraíbas; América do Norte e Oceânia).

Une-as o compromisso de desenvolver, no prazo de dois anos, um plano de ações e projetos com metas de redução de gases de efeito de estufa até 2030. Apesar de representarem apenas 2% do território a nível mundial, as cidades são responsáveis por mais de 70% das emissões de gases de efeito de estufa e por 2/3 do consumo de energia. Adicionalmente, e tendo em conta que 90% das áreas urbanas estão situadas em zonas costeiras, as cidades são particularmente vulneráveis a eventos climáticos extremos, tais como o aumento do nível do mar, cheias ou tempestades.

 

Sobre o Prémio

No valor de 1 milhão de euros, o Prémio Gulbenkian para a Humanidade foi instituído pela Fundação com o propósito de distinguir pessoas ou organizações de todo o mundo que se têm evidenciado no combate à crise climática. Traduz uma das missões centrais da Fundação Calouste Gulbenkian: apoiar o desenvolvimento sustentável, promovendo o bem-estar e a qualidade de vida de grupos vulneráveis da população, em equilíbrio com a proteção ambiental e a prosperidade económica.

 

Entre as potenciais áreas de reconhecimento do Prémio, estão as que possam contribuir para reduzir ou absorver emissões de gases de efeito de estufa; as ações para aumentar a resiliência das pessoas e do ambiente aos impactos das alterações climáticas; e ainda a mobilização de recursos financeiros, públicos ou privados, para acelerar a descarbonização da economia.

O Prémio Gulbenkian para a Humanidade foi atribuído pela primeira vez, no verão passado, à jovem ativista sueca Greta Thunberg, que decidiu distribuir o montante por vários projetos ambientais e humanitários.

 

Sobre o Júri

Presidido por Jorge Sampaio, até à data da sua morte, a 10 de setembro de 2021, com a vice-presidência de Miguel Bastos Araújo (geógrafo, Prémio Pessoa 2018). 

O júri integra personalidades como o Príncipe Constantijn van Oranje (líder do TechLeap.NL, Diretor de Tecnologia Digital e Macro Estratégia na Macro Advisory Partners em Londres e em Nova Iorque e Membro da Deloitte Centre for the Edge), Hans Joachim Schellnhuber (Fundador e Diretor Emérito do Instituto Potsdam de Pesquisas sobre o Impacto Climático), Johan Rockström (Diretor do Instituto Potsdam de Pesquisas sobre o Impacto Climático e Professor de Ciências do Sistema Terrestre na Universidade de Potsdam), Mariana Mazzucato (Professora de Economia da Inovação e Valor Público na University College London - UCL e Diretora do Instituto de Inovação e Propósito Público da UCL), Miguel Arias Cañete (antigo Comissário Europeu da Energia e Ação Climática), Rik Leemans (Diretor do Grupo de Análise de Sistemas Ambientais, Universidade de Wageningen), Runa Khan (Fundadora e Diretora Executiva da ONG Friendship e Presidente da Global Dignity Bangladesh) e Sandra Díaz (Bióloga, Professora de Ecologia na Universidade Nacional de Córdoba e membro da Royal Society) e Sunita Narain (Diretora do Centro de Ciência e Ambiente em Deli e Editora da revista Down To Earth).

Atualização em 26 outubro 2021

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.