Maria Teresa Gomes Ferreira (1925-2022)

O Conselho de Administração da Fundação Gulbenkian exprime profundo pesar pela morte de Maria Teresa Gomes Ferreira, primeira conservadora-chefe e diretora do Museu Calouste Gulbenkian.
©DR

A presidente da Fundação Calouste Gulbenkian recorda “a sua ação à frente do Museu, que ajudou a modelar”, referindo que “esse legado ainda hoje permanece vivo”. Isabel Mota destaca “a herança deixada por esta figura maior da museologia portuguesa”.

Licenciada em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Maria Teresa Gomes Ferreira iniciou a sua carreira museológica no Museu Nacional de Arte Antiga. Em 1956, ingressou na Fundação Gulbenkian, dando continuidade ao programa de instalação do Museu em sede definitiva. Dirigiu o Museu desde a sua inauguração, em 1969, até 1998, ano em que se jubilou.

Especialista em artes decorativas francesas, Maria Teresa Gomes Ferreira foi responsável pelos setores de Mobiliário, Ourivesaria e Objetos de René Lalique da Coleção Gulbenkian. Internacionalmente, colaborou em diversas exposições retrospetivas da obra de Lalique, na Europa e nos Estados Unidos da América. Foi autora, entre outros, do catálogo René Lalique: Jóias (1997).

Atualização em 08 abril 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.