Quem é Calouste

A Fundação Calouste Gulbenkian é conhecida em todo o mundo. Sobre o homem que a fundou há todo um mundo por conhecer.

Calouste Sarkis Gulbenkian era um homem invulgarmente inteligente e de ideias inovadoras, o que fazia dele um visionário.

Foi detentor de uma das maiores fortunas do mundo, mas poucos o conheciam porque fugia do protagonismo e até evitava ser fotografado.

Conheça outras curiosidades sobre Calouste Gulbenkian.

 

Os quatro rostos de Calouste Sarkis Gulbenkian

 

Pertencia a uma família arménia com antepassados ilustres. Os negócios do pai envolviam o comércio de tapetes orientais e querosene, um produto derivado do petróleo muito rentável na altura, que era utilizado para iluminação e aquecimento. Além disso, dedicava-se à atividade bancária.

Desde muito cedo que o pequeno Calouste teve contacto com línguas e culturas diferentes.

Quando terminou o ensino secundário foi para Marselha aperfeiçoar a língua francesa. Depois, seguiu rumo a Londres, onde foi admitido no King’s College, completando o curso de Engenharia e Ciências Aplicadas com uma classificação exemplar.

Apesar da sua paixão pela ciência e biologia, o seu percurso profissional acabaria por ser traçado, por insistência paterna, a partir do negócio de família. Mas Calouste Gulbenkian não ficou por aqui. Estudou o setor da exploração de petróleo, que viria a revolucionar. E nunca se esqueceu da sua paixão pela arte, que cultivou até ao final dos seus dias, assim como as causas que abraçava, usando a sua fortuna para as financiar.

Calouste Gulbenkian era, na sua essência, um filantropo, um humanista, um diplomata ou como ele próprio se definia: “um arquiteto de empreendimentos”.

A prova máxima desta sua faceta encontra-se em Lisboa, na fundação com o seu nome, e que deixou como legado “para benefício de toda a humanidade”, dedicada a quatro áreas fundamentais – Beneficência, Arte, Educação e Ciência.

Criado para albergar todas as obras que Calouste Gulbenkian foi adquirindo ao longo de mais de 50 anos e que considerava como “suas filhas”, o Museu Calouste Gulbenkian reúne cerca de 6.500 peças de valor incalculável, acessíveis a todos, naquela que é uma das melhores coleções do mundo.