As Origens de Portugal. História contada a uma criança

Rómulo de Carvalho

Em As Origens de Portugal – história contada a uma criança de Rómulo de Carvalho tem o leitor nas mãos um trabalho que o autor e a génese tornam excecional. Escrito e ilustrado por um jovem professor liceal, no Portugal da década de 1940, em pleno crepitar da Segunda Guerra Mundial, quando a bandeira oficial da Alemanha ostentava a cruz suástica e, em Lisboa, se ensaiava sem convicção a defesa contra ataques aéreos.

O jovem professor de física e química, com interesses intelectuais muito mais vastos, era pai de uma criança de sete anos acabada de entrar na escola primária. Foi esse filho o destinatário e de algum modo terá sido também pretexto amável para um trabalho que exprime com enternecedora simplicidade uma visão da vida e do mundo e reflete, no conteúdo e na forma, as preocupações didáticas do educador.

Leva o autor o seu jovem pupilo numa breve viagem às terras onde nasceu Portugal, de visita aos povos que aí viveram, trabalharam e lutaram, apresentando-lhe, com grande à vontade, homens de carne e osso, fidalgos, clérigos e plebeus, o rei, o papa, chefes e subordinados, ricos e pobres, um chamado Viriato, outro Afonso, outro Sancho, os primeiros destes nomes que reinaram em Portugal. Na expressão e no movimento do relato, alegre, às vezes jocoso, mas também sério e profundo quando apropriado, adivinha-se o mestre e o aluno de mãos dadas, palmilhando a história, respeitosa e comovidamente.

Estamos perante um “divertimento” magistral a que a ausência da intenção de publicar terá dado um sabor especial. Há sim a intenção clara de abrir janelas sobre o mundo, a história e a vida dos homens com uma abordagem abrangente, animada por variadas excursões à volta do tema central sobre o qual se discorre, deixando entrever a formação humanista que conhece e reconhece a ciência, sem preconceito, como elemento da unidade do mundo.

No plano educativo, o texto vale muito pelos valores que procura transmitir, como: humildade perante o saber, amor à verdade (mesmo se desagradável), disciplina e trabalho, como atividade social, respeito pela diversidade e pela liberdade de consciência.

 

(Do Prefácio de Frederico Gama Carvalho)

Ficha técnica

Edição:
7.ª
Idioma:
Português
Editado:
Lisboa, 2001
Entidade
Fundação Calouste Gulbenkian
Dimensões:
320 mm x 230 mm
Capa:
Encadernado
ISBN:
978-972-31-1152-1

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.