LEAP – Policy Development Initiative

Um programa de formação para o desenvolvimento de melhores políticas públicas

 

Promotor: Fundação Calouste Gulbenkian
Âmbito territorial: Nacional
ODS: 16. Paz, Justiça e Instituições Eficazes

O LEAP – Policy Development Initiative é um programa de capacitação para a elaboração de recomendações de políticas públicas com base em evidências, para investigadores e colaboradores de organizações não-governamentais, de universidades e da administração pública, nos temas da produção e consumo sustentáveis. É um programa desenvolvido pela Fundação Calouste Gulbenkian em colaboração com parceiros externos – o Internacional Centre for Policy Advocacy e o IES – Social Business School.

O programa tem a duração de 10 meses, ao longo dos quais os participantes frequentam seis workshops e recebem acompanhamento metodológico e temático nas atividades de pesquisa e recolha de informação necessária para a elaboração de documentos de recomendações de políticas públicas.

A primeira edição teve início em setembro de 2019 e conta com 14 participantes que investigam questões relacionadas com alimentação, pescas, recursos marinhos e energia.

O objetivo da Fundação Calouste Gulbenkian ao promover este projeto é contribuir positivamente para os processos de debate que enriquecem a tomada de decisão ao nível das políticas públicas, capacitando para influenciar políticas públicas pessoas com experiência e conhecimento sobre a transição para padrões de produção e consumo mais sustentáveis.

 

Trabalhos de investigação em desenvolvimento:

Cláudia Correia, MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente
Searching for Portuguese Sustainable Management of Anadromous’ Fisheries: Role of Stakeholders’ Groups;

Inês Trigo, Direção-Geral de Política do Mar
How to promote sustainable seafood consumption in Portugal? A glimpse with campaigns as a starting point;

Ana Matias, Sciaena – Associação de Ciências Marinhas e Cooperação
Shaping Portuguese diet towards more sustainable, healthy and eco-friendly seafood eating habits;

Cristina Amaro da Costa, Instituto Politécnico de Viseu – Escola Superior e Agrária, com o tema
What is the best policy to reduce the ‘un’sustainable use of pesticides in Portugal;

Cecília Delgado, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Policy instruments to increase peri-urban land availability for organic food production in Portugal, based on a multi-stakeholder approach;

Lia Cavaleiro, Secretaria-Geral do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social
Equality in the access of the Portuguese population to sustainably-produced food: studies for a behaviourally informed policy;

Denis Hickel, consultor da Fundação Gonçalo da Silveira
Translating National Policies to Place: Co-creative participation to foster sustainable food system in Torres Novas;

Sérgio Pedro, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Analysis of the impact of the ecosystem services provided by the agricultural sector and the viability of an ecosystem services valorisation and incentives policy;

Ana Marta Paz, Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária
Soil and biodiversity conservation in irrigated farming;

Carina Arranja, FENAREG – Federação Nacional de Regantes de Portugal
How to ensure water supply to have irrigation in the future? A path for sustainability;

Ricardo Próspero, GEOTA – Grupo de Estudos em Ordenamento do Território e Ambiente
Expansion of irrigated farming versus water scarcity in Portugal;

Pedro Bragança, AMT – Autoridade da Mobilidade e Transportes
Economics of the transition from fossil fuels vehicles to electric vehicles;

Raquel Gaião Silva, BlueBio Alliance
Substantiating evidences to inform decision making on regulation of Genetic Resources on Mainland maritime territory;

Ekaterina Solomina, consultora da Dolphinaria Free Europe
Food Waste Reduction: Optimising Third Sector Driven Interventions.


Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

 

Este projeto contribui para a seguinte meta

 

Meta 16.7

Garantir a tomada de decisão responsável, inclusiva, participativa e representativa em todos os níveis