28 novembro 2018 Parcerias para o Desenvolvimento

Nova parceria científica com o CISA

Acordo para os próximos três anos assinado no Porto

ES4620181123_800x500
Assinatura de acordo de parceria científica para o CISA

Um novo acordo de parceria científica para os próximos três anos, destinado a reforçar o Centro de Investigação em Saúde de Angola, foi assinado durante a visita do Presidente de Angola. O acordo foi assinado, no dia 23 de novembro, no Palácio da Bolsa, no Porto, pelo administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, Guilherme d’Oliveira Martins, pelo Embaixador angolano em Portugal, Carlos Alberto Fonseca e pelo presidente do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, Luís Faro Ramos.

O objetivo deste acordo é a consolidação do Centro de Investigação em Saúde de Angola, considerado no Programa Estratégico de Cooperação Portugal-Angola 2018-2022 como determinante na capacitação e investigação na área da saúde neste país.

O acordo prevê que a Fundação Calouste Gulbenkian, em coordenação com o Camões IP, contribua para a qualificação e valorização dos recursos humanos angolanos e para a autonomia científica do Centro. Será apoiada a contratação de investigadores ou peritos, a atribuição de bolsas de estudo para os colaboradores do Centro, a participação de investigadores em congressos internacionais e a publicação de artigos em revistas científicas com peer review.

Faz ainda parte do acordo, o apoio complementar para a contratação de investigadores/técnicos qualificados angolanos com o objetivo de incentivar a sua carreira científica, bem como a elaboração e apresentação de candidaturas a financiamentos internacionais e de mecenato. Será disponibilizado um fundo anual para a preparação e lançamento de novos projetos.

A Fundação pode ainda contribuir para promover parcerias internacionais e mobilizar recursos adicionais de forma a garantir a complementaridade das intervenções do CISA.
Os resultados conseguidos ao longo dos 10 anos do CISA provaram o seu elevado potencial na produção do conhecimento ao nível da investigação na área da saúde, da formação de recursos humanos jovens nas áreas técnicas e científicas e na capacidade de mobilizar parcerias.