Mulheres nas Artes: Percursos de Desobediência

Uma conferência da libanesa Joumana Haddad, autora do livro “Eu Matei Xerazade: Confissões de Uma Mulher Árabe em Fúria”, e a antestreia do novo filme da realizadora britânica Sally Potter, “A Festa“, destacam-se no encontro internacional que em outubro de 2017 debate na Fundação Calouste Gulbenkian o que tem sido a afirmação das mulheres na literatura, na música, no cinema, nas artes visuais e nas artes de palco.

“Qualquer forma de criação nasce da desobediência, isto é, da capacidade de questionar o que existe”, dizem Inês Pedrosa e Patrícia Reis, comissárias deMulheres nas Artes: Percursos de Desobediência. Na apresentação deste encontro, relembram também que “a metade feminina da humanidade esteve aparentemente confinada ao silêncio e à obediência até há pouco mais de cem anos”, evocando Clarice Lispector e Virginia Woolf como símbolos de uma contracultura de resistência. Assim é dado o mote para várias questões que se querem discutidas ao longo de dois dias, num encontro internacional que junta cerca de duas dezenas de artistas e que se desdobra entre palestras, debates, e “conversas de vida”, entre outros eventos.

Com uma voz lúcida e desassombrada, a escritora e jornalista libanesa Joumana Haddad (Beirute, 1970), que lançou, em 2009, a revista em árabe Jasad sobre o corpo, é a conferencista convidada deste encontro. Haddad tem-se dedicado a destruir os tabus e equívocos sobre criatividade, arte e relação entre homens e mulheres, tanto no Oriente como no Ocidente. Estará em Lisboa para o lançamento da tradução portuguesa do seu livro _ Eu Matei Xerazade: Confissões de Uma Mulher Árabe em Fúria_. Na sua palestra, falará sobre o que significa ser hoje uma mulher árabe. Para Joumana Haddad, não faz sentido que a antiquíssima figura literária de Xerazade, uma sedutora que tem a vida suspensa da sua habilidade de manter um homem interessado nela, continue a representar a realidade e a atitude das mulheres árabes.

 

Conversas de vida

Três figuras marcantes da cultura portuguesa serão homenageadas no segmento “Conversas de Vida”: as autoras Lídia Jorge e Maria Teresa Horta, e a pintora Graça Morais; esta última teve recentemente os seus trabalhos de pintura e desenho expostos na Fundação Gulbenkian em Paris.

Mulheres nas Artes: Percursos de Desobediência será marcado também pela antestreia de A Festa, o novo filme de Sally Potter, realizadora do premiado Orlando (1992), entre outros filmes memoráveis. Com um elenco de luxo, que inclui Patricia Clarkson, Bruno Ganz, Timothy Spall, Cillian Murphy e Kristin Scott Thomas, o filme acompanha uma celebração entre amigos – a anfitriã acaba de ser nomeada para um novo cargo político –, mas a festa acaba em tragédia, depois de algumas revelações dramáticas. Estreado no Festival de Berlim, o filme é descrito por Sally Potter como uma “comédia política” e poderá ser visto em Portugal, em primeira mão, na Fundação Gulbenkian.

 

Ver evento