Asma Jahangir

Asma Jahangir, destacada advogada e ativista dos direitos humanos paquistanesa, que integrava o júri do Prémio Calouste Gulbenkian na área dos Direitos Humanos, morre aos 66 anos, vítima de ataque cardíaco, em Lahore, cidade onde residia.

Defensora corajosa dos direitos dos marginalizados, das minorias e das mulheres oprimidas, Asma Jahangir enfrentou as autoridades do seu país, tendo sido presa ou posta em prisão domiciliária em diversas ocasiões. A sua ação fê-la conquistar o respeito internacional, que esteve na base do convite que lhe foi dirigido para integrar o Júri do Prémio Gulbenkian. Asma Jahangir esteve em Lisboa no verão passado para assistir à cerimónia de atribuição do Prémio, concedido ex-aequo à Hungarian Helsinki Committee e à professora e investigadora australiana Jane McAdam.