O Júri

Prémio Calouste Gulbenkian

Direitos Humanos

 

Dr. Jorge Sampaio

Presidente do Júri

Jorge Sampaio iniciou a sua carreira política enquanto estudante universitário, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Em 1978, aderiu ao Partido Socialista. No ano seguinte, foi eleito deputado da Assembleia da República pelo círculo de Lisboa.

Entre 1979 e 1984, pertenceu à Comissão Europeia dos Direitos do Homem. Tornou-se em seguida presidente da bancada parlamentar do Partido Socialista. De 1989 a 1991, assumiu o cargo de secretário-geral deste partido político. Foi presidente da Camara de lisboa e depois ganhou as eleições presidenciais portuguesas em 1996, tendo sido reeleito para um segundo mandato em 2001, assumindo as funções de Presidente da República até março de 2006. Em maio de 2006, o Secretário Geral das Nações Unidas nomeou-o Enviado Especial para a Luta contra a Tuberculose. O seu mandato terminou em dezembro de 2012. Em maio de 2007, foi nomeado Alto Representante das Nações Unidas para a Aliança das Civilizações. A seu pedido, renunciou ao cargo em 28 de fevereiro de 2013.

Ao longo da última década, o Presidente Jorge Sampaio prestou o seu contributo em diversas áreas, no âmbito dos assuntos europeus, da questão de Timor-Leste e de alguns desafios globais, desde pandemias como o VIH-SIDA, a tuberculose, drogas, ensino superior nas emergências etc.

Atualmente, preside à Plataforma Global para Estudantes Sírios, uma iniciativa destinada a prestar assistência académica de emergência a estudantes sírios. É também membro da Comissão Global de Políticas sobre Drogas e do Clube de Madrid. Pertence ao Conselho Diretivo da Carnegie Corporation of New York e preside ao júri do Prémio Calouste Gulbenkian na área dos Direitos Humanos.


José Ramos-Horta

José Ramos-Horta recebeu o Prémio Nobel da Paz em 1996.

É, desde 2003, Vice-Presidente do Conselho Asiático de Paz e Reconciliação (APRC), Secretariado em Banguecoque, e, desde 2014, Presidente do painel independente de peritos de alto nível sobre as operações de Paz da ONU, responsável pela revisão dos mecanismos de paz e segurança da ONU.

Ramos-Horta foi Presidente da República de Timor-Leste entre 2007 e 2012, Primeiro-ministro e Ministro da Defesa interino entre 2006 e 2007 e Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação entre 2002 e 2006.

Entre 2013 e 2014, foi o Representante Especial do Secretário-Geral da ONU e Chefe da Missão Integrada de Paz das Nações Unidas na Guiné-Bissau (África Ocidental).

É ainda Professor convidado na Universidade de Nova Gales do Sul, Sydney e na Universidade de Victoria, em Melbourne.


Jody Williams

Jody Williams recebeu o Prémio Nobel da Paz em 1997 pelo seu trabalho na proibição das minas terrestres antipessoal, através do International Campaign to Ban Landmines (ICBL).

Uma ativista a favor da Paz que luta pela recuperação do verdadeiro significado da Paz, o qual na sua opinião não é simplesmente definido pela ausência de conflito armado, dando maior importância à Segurança Humana do que à Segurança Nacional. Desde janeiro de 2006, Jody Williams tem trabalhado por uma Paz sustentável, através da Iniciativa Nobel Women, bem como, através, mais recentemente, do Campaign to Stop Killer Robots.


rui_vilar

Emílio Rui Vilar

 Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra em 1961, é, desde o dia 3 de Maio 2012, Administrador não executivo da Fundação Gulbenkian.

Emílio Rui Vilar nasceu no Porto a 17 de Maio de 1939. Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra em 1961, é, desde o dia 3 de Maio 2012, Administrador não executivo da Fundação Gulbenkian.
Foi Presidente do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian desde 2 de Maio de 2002 até 2 de Maio de 2012, tendo sido Administrador desde 1996. Foi Presidente da Partex Oil and Gas (Holdings) Corporation de Julho de 2002 a 2 de Maio de 2012. Assegurou a Presidência do Centro Europeu de Fundações (EFC), de Junho de 2008 a Maio de 2011, tendo presidido também ao Centro Português de Fundações (2006-2012).
Desde 2013 é Presidente do Conselho Geral da Universidade de Coimbra e desde 2012 Administrador não executivo da REN.
Desde 1996 é Presidente do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal.

Em 1966 entrou para a Função Pública, onde esteve até 1969. Nesse ano assumiu funções directivas no Banco Português do Atlântico, onde permaneceu até 1973.

No início dos anos setenta faz parte do grupo de cidadãos que viria a fundar a SEDES, de que foi o primeiro presidente. A sua carreira política começa em 1974 como Secretário de Estado do Comércio Externo e Turismo do I Governo Provisório. No mesmo ano é-lhe confiada a tutela do ministério da Economia dos II e III Governos Provisórios (1974/75). Foi eleito Deputado em 1976. Entre 1976 e 1978, foi Ministro dos Transportes e Comunicações do I Governo Constitucional e, entre 1986 e 1989, Director-Geral da Comissão das Comunidades Europeias, em Bruxelas.

Como gestor, foi Vice-Governador do Banco de Portugal, entre 1975 e 1984, Presidente do Conselho de Gestão do Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa (1985/86). Foi Presidente do Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos (1989-1995), presidiu ao Grupo Europeu dos Bancos de Poupança (1991-94) e foi Presidente do Conselho de Administração da GalpEnergia, entre 2001 e 2002.

Emílio Rui Vilar presidiu à Comissão de Fiscalização do Teatro Nacional de São Carlos (1980-86) e foi Comissário-Geral para a Europália, entre 1989 e 1992. Entre 1989 e 1990, foi Vice-Presidente da Fundação de Serralves. Foi Administrador da Porto 2001, SA, em 1999.


Demetrios G. Papademetriou

Demetrios G. Papademetriou é um distinto Senior Fellow, Presidente Emérito e membro do Conselho de Administração do Migration Policy Institute (MPI), um think tank sedeado em Washington que se dedica exclusivamente ao estudo da migração internacional.

É também Fundador e Presidente do Migration Policy Institute Europe, um instituto de investigação independente e sem fins lucrativos, situado em Bruxelas, com os mesmos objetivos que o MPI.

Papademetriou é responsável por reunir o Concelho Transatlântico para as Migrações, composto por altas figuras públicas, líderes empresariais e intelectuais da esfera pública, da Europa, Estados Unidos e Canadá, que direciona a investigação sobre políticas e oferece assessoria política em todos os aspetos da migração; Papademetriou presidiu ainda o Conselho de Agenda Global para as Migrações do World Economic Forum (2009-2011) e o Conselho Consultivo da Iniciativa Internacional sobre Migrações da Fundação Open Society (OSF) (2010-2015).

Publicou mais de 270 livros, artigos, dissertações e relatórios de investigações sobre os mais variados tópicos relacionados com as Migrações. Papademetriou aconselha Fundações e organizações, assim como altos funcionários do governo e de partidos políticos, em dezenas de países.


Leymah Gbowee

Leymah Gbowee é uma ativista liberiana pela paz e pelos direitos das mulheres, tendo desempenhado um papel fundamental na construção da paz e na promoção da liderança das mulheres nos processos de paz que tiveram lugar no seu país devastado pela guerra.

Gbowee liderou o movimento Women of Liberia Mass Action for Peace, que pôs fim à Segunda Guerra Civil da Libéria em 2003 e abriu caminho para a consolidação da paz nesta nação politicamente instável. Juntamente com a ativista dos direitos das mulheres, Ellen Johnson Sirleaf, Leymah Gbowee trabalhou incansavelmente para melhorar a condição das mulheres liberianas, que foram as maiores vítimas da guerra naquele país.

Quando terminou o liceu, Gbowee tinha grandes planos para o futuro, mas em 1989 rebentou a Primeira Guerra Civil da Libéria e a sua vida ficou virada do avesso. Passados alguns anos, ouviu falar de um programa liderado pela UNICEF com o intuito de formar assistentes sociais para prestar apoio a todos aqueles que ficaram traumatizados pela guerra. Leymah juntou-se imediatamente ao programa, descobrindo os enormes abusos sofridos pelas mulheres e os desafios e dificuldades que estas enfrentavam. Com o decorrer do tempo, ela tornou-se uma das principais porta-vozes dos direitos das mulheres e liderou o movimento das mulheres pela paz que acabou por pôr fim à Segunda Guerra Civil da Libéria. Leymah Gbowee, juntamente com as suas colaboradoras, Ellen Johnson Sirleaf e Tawakkul Karman, recebeu o Prémio Nobel da Paz, em 2011, pelo significativo trabalho desenvolvido em prol da paz.


 

Prémios Gulbenkian

Conhecimento, Sustentabilidade e Coesão

 

António Feijó

Presidente

António M. Feijó é Professor Catedrático do Programa em Teoria da Literatura e do Departamento em Estudos Anglísticos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Programa de pós-graduação em Teoria da Literatura e Departamento em Estudos Anglísticos).

Foi Diretor da Faculdade de Letras e é, atualmente, Vice-Reitor da Universidade de Lisboa.

PhD (Literatura Inglesa e Norte-Americana), Brown University; MA (Literatura Inglesa e Norte-Americana), SUNY Albany.

Tem publicações sobre tópicos de literatura inglesa, norte-americana e portuguesa, bem como traduções e versões dramatúrgicas (Shakespeare, Otway e Fernando Pessoa, entre outros).

Em 2015, publicou Uma Admiração Pastoril pelo Diabo – Pessoa e Pascoaes (Imprensa-Nacional Casa da Moeda).

Em 2016, publicou uma versão levemente alterada da sua tradução de Hamlet, de Shakespeare. 

Em 2017 publicou, com Miguel Tamen, A Universidade como Deve Ser (Fundação Francisco Manuel dos Santos).

Comissariou exposições sobre literatura (Fundação Calouste Gulbenkian 2008 e Fundação Cupertino de Miranda, 2018, em colaboração).

É presidente do Conselho Geral Independente da RTP e Administrador não executivo da Fundação Calouste Gulbenkian.

 


Henrique Leitão

Henrique Leitão é investigador principal no Centro Interuniversitário de História da Ciência e da Técnica (CIUHCT), e atualmente presidente do Departamento de História e Filosofia das Ciências, na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Os seus interesses de investigação estão centrados na história da ciência nos séculos XVI e XVII, e na história das bibliotecas e do livro científico. É o responsável da comissão científica encarregue da publicação das Obras de Pedro Nunes, pela Academia das Ciências de Lisboa e Fundação Calouste Gulbenkian. É membro de várias associações académicas, entre as quais a Academia das Ciências de Lisboa e a Académie International d’Histoire des Sciences. Foi galardoado com o Prémio Pessoa, 2014.


João Ferrão

João Ferrão, licenciado em Geografia, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Doutorado pela UL em Geografia Humana, é atualmente investigador coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e coordenador do Grupo de Investigação “Ambiente, Território e Sociedade” e do Conselho dos Observatórios do ICS-UL.
Docente no departamento de Geografia da Faculdade de Letras de Lisboa (1976-95) e na Universidade Atlântica (1996-2000). Presidente da APDR - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (1987-1990). Secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades (2005-9). Membro do Conselho Científico das Ciências Sociais e Humanidades da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (2010-13).
Foi coordenador nacional de diversos projetos e redes de investigação internacionais, nomeadamente no âmbito de vários Programas - Quadro da Comissão Europeia e da European Science Foundation.
Desenvolveu atividades de consultoria na área da geografia económica e social e do desenvolvimento regional e urbano. Foi consultor da OCDE (Programa de Desenvolvimento Rural, 1993). Coordenou diversos estudos de avaliação de políticas públicas, para o Governo português e para a Comissão Europeia, incluindo a avaliação ex-ante dos Quadros Comunitários de Apoio II e III (Portugal).
Publicou, individualmente ou em colaboração, dezenas de artigos em revistas nacionais e estrangeiras e diversos livros sobre temas relacionados com geografia, ordenamento do território e políticas de desenvolvimento local e regional.
É representante do Conselho dos Reitores das Universidades Portuguesas no CNADS (Conselho Nacional do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável). É pró-reitor da Universidade de Lisboa para a sociedade e comunidades locais.


Miguel Tamen

Miguel Tamen (PhD University of Minnesota, 1989) é professor catedrático de Teoria da Literatura na Universidade de Lisboa, membro eleito do seu Conselho Geral, e diretor do seu Programa em Teoria da Literatura.

Foi, entre 2000 e 2014, professor visitante regular na University of Chicago, e ainda senior fellow no Stanford Humanities Center (2003/4) e Rockefeller Fellow  no National Humanities Center (2010/11). Escreveu nove livros, entre os quais Friends of Interpretable Objects (2001), What Art Is Like, In Constant Reference to the Alice Books (2012). Escreve regularmente na revista Common Knowledge e é colunista semanal no jornal Observador. As suas colunas de 2014-16 foram recentemente publicadas como Erro Extremo (2017).


Teresa Mendes

Teresa Mendes licenciou-se em Engenharia Eletrotécnica pela Universidade de Coimbra em 1975 e obteve o grau de Doutor pela Universidade de Manchester em 1980.

É Professora Catedrática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, no Departamento de Engenharia Informática onde realizou investigação nas áreas das Tecnologias da Informação e Simulação na Educação. Foi pró-reitora e vice-reitora da Universidade de Coimbra no período 1990-98. Nesses cargos, deu início à concretização do Pólo II da Universidade, com a construção dos departamentos das diversas engenharias, bem como desenvolveu o Plano Geral das Instalações da Universidade. Em reconhecimento do trabalho desenvolvido nesse âmbito, foi agraciada pelo Presidente da República com o grau de Grande-Oficial da Ordem da Instrução Pública, em 2000.
É, desde 1999, Presidente da Direcção do Instituto Pedro Nunes e, desde 2003, da IPN-Incubadora, sua Incubadora de Empresas. O Instituto Pedro Nunes transfere conhecimento e tecnologias para empresas locais, nacionais e internacionais. A sua Incubadora acolheu, nos últimos 20 anos, mais de 260 empresas de base tecnológica, muitas delas premiadas em diversos fóruns nacionais e estrangeiros, tendo recebido em 2010 o primeiro prémio no concurso “Best Science Based Incubator”, organizado pela associação Technopolicy Network.


António Miguel

António Miguel é o cofundador e diretor executivo da MAZE – decoding impact, um intermediário de investimento de impacto criado pela Fundação Calouste Gulbenkian.

António Miguel é o cofundador e diretor executivo da MAZE – decoding impact, um intermediário de investimento de impacto criado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Liderou a estruturação de quatro Títulos de Impacto Social em Portugal, prestou apoio técnico e aconselhamento para a criação da Iniciativa Portugal Inovação Social e gere atualmente os programas de aceleração para startups de impacto social, ajudando-as a tornarem-se aptas para receber investimento. Anteriormente, o António trabalhou na Social Finance UK, tendo estado envolvido em projetos de desenvolvimento de novos mercados de investimento de impacto (Canadá, Japão) e no desenvolvimento de Títulos de Impacto Social. É professor de Microfinance and innovative social finance instruments na NOVA SBE. Tem um MsC em Business Administration pela Católica Lisbon e é um Global Shaper do Fórum Económico Mundial.


Elisabete Figueiredo

Elisabete Figueiredo é Professora Auxiliar de Nomeação Definitiva no Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território e Investigadora do GOVCOPP – Unidade de Investigação em Governação, Competitividade e Políticas Públicas, Universidade de Aveiro.

Socióloga (ISCTE – IUL) e Doutorada em Ciências Aplicadas ao Ambiente (Universidade de Aveiro). É Professora Auxiliar de Nomeação Definitiva no Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território e Investigadora do GOVCOPP – Unidade de Investigação em Governação, Competitividade e Políticas Públicas, Universidade de Aveiro. Os seus principais interesses de Investigação relacionam-se com a sociologia e estudos rurais; sociologia do ambiente; desenvolviemnto sustentável; turismo rural e perceções sociais de risco ambiental.

Tem estado envolvida em diversos projetos de Investigação, financiados pela União Europeia e pela FCT, como investigadora responsável e/ou membro de equipa de Investigação. Atualmente é a Coordenadora da equipa Portuguesa do projeto Susplace – Sustainable Place Shaping, desenvolvido no âmbito das Ações Marie Curie ITN.

Entre 2010 e 2012 foi membro do Grupo de Peritos do Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Português para a discussão e negociação da Política Agrícola Comum no pós-2013.

Entre 2012 e 2017 foi a Presidente da Direção da SPER – Sociedade Portuguesa de Estudos Rurais. Atualmente é Co-Coordenadora da Secção Ambiente & Sociedade da APS – Associação Portuguesa de Sociologia e membro da Comissão Executiva da ESRS – European Society for Rural Sociology.

É autora e co-autora de mais de 30 artigos em revistas nacionais e internacionais; mais de 35 capítulos de livros nacionais e internacionais, co-editora e co-autora de 4 livros internacionais e 3 nacionais. É também autora ou co-autora de mais de 150 comunicações em conferências nacionais e internacionais.


 

Atualização em 18 Fevereiro 2019