A Invasão da Ucrânia: Desafios para a Europa e o Mundo

A invasão da Ucrânia é, provavelmente, o evento geopolítico mais importante do pós-guerra fria, superando mesmo as consequências do 11 de setembro de 2001. Por agora, a Rússia tem sido colocada pela comunidade internacional na posição de quase total isolamento, mas isso não evita que o que aconteceu, e o que pode vir ainda a acontecer, leve muitos a questionar a eficácia do direito internacional e dos instrumentos multilaterais atuais.

Ao mesmo tempo, a União Europeia tem reagido com notável coesão, se bem que a eficácia dos instrumentos da sua política externa seja novamente contestada. A NATO, pelo seu lado, tem sido revalorizada no atual contexto, o mesmo acontecendo com a relação entre os EUA e a Europa, num mundo que parecia cada vez mais centrado no Pacifico. Se bem que esta guerra tenha tornado clara a necessidade de um reforço da componente militar e de defesa da União Europeia (bem como da sua autonomia estratégica), tal não tem acontecido por contraposição com a NATO, mas, antes, como complemento e reforço da própria NATO.

Esta curta conferência pretende abordar alguns destes temas, discutindo o impacto que a guerra na Ucrânia terá quer para diferentes dimensões do projeto de integração europeia (da autonomia estratégica em setores económicos chave ao pilar de defesa), quer em termos geopolíticos mais amplos (no contexto das relações dentro da Europa e com a Rússia, mas também com os EUA, ou a China). Os oradores têm uma experiência notável, tendo nomeadamente exercido funções no âmbito da política externa que lhes oferecem um conhecimento único da realidade regional na zona do conflito, mas também do impacto deste na União Europeia e nos equilíbrios geopolíticos mais amplos.

 

Conferência

Saiba mais acerca da conferência, o seu programa e oradores.

Atualização em 24 março 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.