Música Cigana Camões Yanomami / A Soma dos Seus

António Poppe e La Família Gitana

BoCA Bienal de Artes Contemporâneas 2021

Slider de Eventos

A materialização do gesto artístico passa tanto pela pintura quanto pela palavra escrita. O mesmo se pode dizer inversamente, tratando-se de António Poppe. Ou seja, a poesia que escreve transparece no papel como em outros media artísticos. António Poppe é poeta e artista visual, ou talvez algo permanentemente em trânsito entre os dois, no ato implicado de consciencializar o presente e o estar junto, ou não fosse a meditação também parte fundamental do artista que é. La Família Gitana são Ari, Rui, Leandro,  Ângelo, Alexandre e Mário, que além dos laços de sangue que os unem enquanto família, fazem da herança e da tradição um prazer diário.

“Música Cigana Camões Yanomami / A Soma dos Seus” consiste numa performance/espetáculo que combina a poesia de Camões, textos de Davi Kopenawa (dos indígenas Yanomami), com Música Cigana. Este encontro cria uma composição comunicante entre expressões originais. Somam-se também textos da Índia, Os Upanishad. Poemas escritos com Mumtazz, “O Agitador e a Corrente”. Vozes inspiradas em Camaron de La Isla, Ibra Galissa, Buika. E tantos outros que visitam os artistas através do ar do oxigénio a arder.

O convívio da aprendizagem plural é vivificante. A comunidade é isto. Criar em conjunto e tocar na memória de composição plural. É uma pedra a cantar a luz na água. Harmónio de vértebras. O mesmo tronco do coração. A música.

A composição da música e da poesia, para contemplar a natureza única do mundo. A firme determinação de desalojar a violência da exclusão. Um conjunto para contemplar a mistura que nunca pára a revelação da natureza.

A seguir ao espetáculo, os artistas estarão à conversa com o público.


FICHA TÉCNICA

António Poppe Criação e direção
La Família Gitana Co-criação e música
BoCA Produção 
Fundação Calouste Gulbenkian Apoio 

“Música Cigana Camões Yanomami / A Soma dos Seus” é um projeto comissionado pela BoCA Bienal de Artes Contemporâneas 2021


A Fundação Calouste Gulbenkian reserva-se o direito de recolher e conservar registos de imagens, sons e voz para a difusão e preservação da memória da sua atividade cultural e artística. Caso pretenda obter algum esclarecimento, poderá contactar-nos através de [email protected].