Espécie de catacrese! 

Ciclo Ler Hergé hoje

Slider de Eventos

Além de um rigoroso aspeto formal, os modos de contar de Hergé reúnem com elegância um conjunto de valores (amizade, conhecimento do outro, viagem e outros talvez não tão óbvios). Procuraremos conversar acerca dos seus contributos para uma grande narrativa do século XX. Incluindo personagens e linguagem.

Conversa com Patrícia Portela e José Pedro Serra, moderada por Nuno Miguel Guedes.


TRADUÇÃO SIMULTÂNEA

Ouvir

BIOGRAFIAS

Nuno Miguel Guedes (1964) é jornalista e argumentista freelancer. Como jornalista, iniciou carreira no Jornal de Letras, esteve no semanário O Independente desde a sua criação até 1990, altura em que sai para fundar a revista Kapa (1990-1993) com Miguel Esteves Cardoso, onde foi editor-geral. Colaborou e colabora em variadas publicações na área do jornalismo cultural. É letrista. Foi corresponsável pela apresentação e programação dos encontros de poesia Poetas do Povo. É autor de vários ciclos de programação cultural para a EGEAC.

É membro regular do coletivo Lisbon Poetry Orchestra.

Patrícia Portela (1974) vive entre Portugal e a Bélgica e é autora de performances e obras literárias. Estudou realização plástica do espetáculo, dramaturgia do espaço, cinema e filosofia. Reconhecida nacional e internacionalmente pela peculiaridade da sua obra, recebeu vários prémios (dos quais destaca o Prémio Madalena Azeredo de Perdigão/F.C.G. para Flatland I – 2005, o Prémio Teatro na Década para Wasteband – 2003). É autora de vários romances e novelas, todos com a chancela Editorial Caminho. Participou no 46º International Writers Program em Iowa City em 2013 e foi a primeira Outreach Fellow da Universidade de Iowa City. Foi uma das 5 finalistas do Prémio Media Art Sonae 2015 com a sua instalação Parasomnia com a qual continua a circular pelo mundo, e foi a primeira bolseira literária em Berlim da Embaixada Portuguesa na Alemanha em 2016. Leciona dramaturgia e imagem com regularidade na Universidade do Minho, na Escola Superior de Teatro e Cinema e no Fórum Dança, em Portugal, ou na Universidade de Antuérpia, entre outros espaços de formação em performance alternativos. É cronista regular e ilustradora do Jornal de Letras, Artes e Ideias desde 2017.
É, desde março de 2020, diretora artística do Teatro Viriato.

José Pedro Serra licenciou-se em Filosofia, em 1980, na Faculdade de Letras de Lisboa. No mesmo ano terminou o 5º ano do Curso de Teologia na Universidade Católica. Em 1989 obteve o grau de Mestre em Literatura Grega na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e em 1999 obteve o grau de Doutor em Cultura Clássica na mesma Universidade. É professor catedrático no Departamento de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Autor de vários artigos e conferências na área da cultura, da literatura e da filosofia, participou em vários eventos na Fundação Gulbenkian, em Serralves, na Culturgest. Em 2006, publicou Pensar o Trágico (Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian; reeditado na Ed. Abysmo, 2018), obra a que foi atribuído o prémio do Pen Club 2007, na categoria de Ensaio. Recebeu igualmente o prémio Jacinto do Prado Coelho da Associação Portuguesa dos Críticos Literários. É atualmente o Diretor da Biblioteca da FLUL.

Utilização de Cookies

Definições de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.
Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Definições de cookies" abaixo.