Ensaio sobre o Entendimento Humano I

John Locke

O filósofo respeitou a tradição política da Inglaterra e comungou no bom senso pragmático do seu povo: não pôs em causa a monarquia nem as prerrogativas da nobreza. Recordemos que nessa tradição pesava muito a Magna Carta, que foi um pacto político não individualista que os barões feudais impuseram ao rei, assim levantando uma barreira eficaz ao movimento absolutista que então despontava por toda a Europa. Entendeu pois o filósofo que o contratante político ou cidadão de pleno direito era, nesse contexto, todo aquele que gozava de uma efetiva independência civil, vivendo sobre si, podendo pagar impostos, e tendo capacidade para servir na guerra e na função pública. E considerou que aquilo que o levava ao contrato social era o propósito de ver defendidas a sua liberdade e a sua fazenda, mais cómoda, justa e eficazmente do que ele próprio o faria, contando só consigo. Desta forma juntou e igualou, num mesmo grupo, a nobreza e a burguesia. Sustentava, apesar disso, o filósofo uma tese revolucionária que, no seu radicalismo, ameaçava solapar o seu compromisso contemporizador que assumirá; segundo ela, a única fonte inicialmente legítima da propriedade privada era o trabalho, que também deveria servir de critério à distribuição da terra. Deste modo condenava implicitamente a ética castrense, que valorizava as virtudes do guerreiro e aceitava as suas prerrogativas, designadamente quanto à apropriação violenta de bens; e afirmava expressamente o primado do novo homem moderno: o burguês esclarecido e operoso, o novo triunfador nos domínios da economia e da cultura. […]

O perfil da política moderna que despontava era, porém, polifacetado e dividido por tensões internas: tanto preconizava a tirania das maiorias, exposta à cobiça dos demagogos, como a tirânica eficiência dos tecnocratas, como o terrorismo dos revolucionários igualitaristas, como um liberalismo que sem dúvida melhor expressava e melhor poderia realizar os novos valores sociais. Foi à definição teórica e à apologia desta linha liberal que Locke dedicou a sua vida. E toda a sua obra se subordinou a tal propósito.

 

(Da introdução de Eduardo Abranches Soveral)

Ficha técnica

Outras Responsabilidades:

Introd., notas, coord. da trad. Eduardo Abranches de Soveral; rev. da trad. Gualter Cunha, Ana Luísa Amaral

Edição:
5ª ed.
Coordenação editorial:
Fundação Calouste Gulbenkian
Editado:
Lisboa, 2014
Páginas:
Vol. 1, 559 p.
Título Original:
An essay concerning human understanding
ISBN:
978-972-31-0856-9