Colecção da Fundação Calouste Gulbenkian. Artes Plásticas Francesas de Watteau a Renoir

Quando foi inaugurada a primeira exposição da Coleção Calouste Gulbenkian em Lisboa (1961), o diretor do Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, manifestou à Fundação Gulbenkian o desejo de realizar ali idêntica mostra. Essa aspiração seria concretizada em 1964, com a apresentação do núcleo de artes plásticas francesas dos séculos XVIII e XIX.
Show held in 1964 featuring an exhibit of 18th and 19th century French fine art pieces from the Soares dos Reis National Museum in Porto. The event was initiated by the director of the museum who, at the opening of the Calouste Gulbenkian Collection's first exhibition in Lisbon in 1961, expressed to the Foundation his wish to stage a similar show at the venue.

Por ocasião da inauguração da primeira exposição da Coleção Calouste Gulbenkian em Portugal («Pinturas da Colecção Calouste Gulbenkian», 1961), o diretor do Museu Nacional de Soares dos Reis (MNSR), Manuel de Figueiredo, manifestou à Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) o desejo de realizar idêntica mostra na instituição que dirigia, o que viria a concretizar-se em junho de 1964, coincidindo a inauguração com a realização, no Porto, do 8.º Festival Gulbenkian de Música.

A exposição apresentada no Porto não correspondeu inteiramente à realizada em Lisboa: houve peças ausentes por motivos de conservação e transporte e foram apresentadas obras «desconhecidas entre nós e no estrangeiro» (Colecção da Fundação Calouste Gulbenkian…, 1964). Optou-se por centrar a narrativa expositiva na apresentação de um conjunto de obras representativas das artes plásticas francesas dos séculos XVIII e XIX, organizadas em diferentes núcleos: Pintura, Desenho, Gravura e Escultura.

No catálogo da exposição, são reconhecidas algumas lacunas «na representação de artistas e escolas», compensadas, porém, «pela excepcional qualidade da maior parte das obras expostas, que constituem, no seu conjunto, um valioso instrumento para o conhecimento da arte francesa de Setecentos e Oitocentos e que sobremaneira enriquecem o nosso património artístico» (Ibid.).

A exposição foi instalada no primeiro andar do MNSR, cujas galerias foram intervencionadas de modo a salvaguardar cuidados de conservação que a variedade e características dos objetos expostos exigia, conforme testemunha Maria Teresa Gomes Ferreira em artigo dedicado aos «aspectos museológicos» desta mostra: «O sistema de apresentação, os materiais e o tipo de iluminação foram escolhidos de forma a valorizar as espécies e a garantir a sua boa conservação. Havendo objectos particularmente sensíveis aos efeitos da luz, foi adoptado para as duas salas mencionadas um sistema de iluminação artificial fluorescente devidamente controlada, quer em modalidade de luz zenital de ambiente para a sala dos desenhos, quer localizado no interior das vitrines para as espécies dos livros, quer ainda por meio de utilização de projectores de incidência directa para as espécies de gravura.» (Colecção da Fundação Calouste Gulbenkian. Artes Plásticas Francesas…, 1964)

A montagem da exposição centrou-se num sistema de painéis que permitia isolar e criar para cada obra um enquadramento próprio, de modo a facilitar «a comunicação da sua mensagem estética», tendo sido escolhida seda em tom esverdeado e cinzento-azulado para a apresentação das obras do século XVIII, e um pano alinhado para as obras do século XIX. Foram ainda retiradas as molduras de algumas pinturas, «por não serem autênticas nem tampouco adaptadas às espécies a que pertenciam» (Ibid.).

As esculturas foram apresentadas maioritariamente em núcleo próprio, instalado na grande sala da escultura do MNSR (preparada para o efeito), ainda que algumas obras tivessem sido integradas nas galerias da pintura, devido à sua «natureza e dimensão» (Ibid.).

Aproveitando a organização deste evento a direção do Museu Nacional de Soares dos Reis reformulou a apresentação de algumas obras da sua coleção, com o propósito de «prestar homenagem aos artistas portugueses da 2.ª metade do século XIX que souberam marcar posição a par dos artistas franceses de igual época e dos quais, de certo modo, sofreram influências indirectas quando não influência directa, caso de Silva Porto, discípulo estimado de Daubigny» (Figueiredo, Mvsev, dez. 1964, pp. 37-38)

Numa pequena sala, à entrada do museu, e na antecâmara do corredor, à saída, foram exibidas obras de Soares dos Reis, Silva Porto, Marques de Oliveira, Henrique Pousão, Artur Loureiro, Aurélia de Sousa, Columbano Bordalo Pinheiro e António José da Costa, «artistas sem fama além-fronteiras unicamente por terem nascido, vivido e trabalhado neste pequeno recanto afastado da velha Europa, num pequeno país escondido nas brumas do velho mar Atlântico, com rota e destino marcado na descoberta do Mundo» (Ibid.).

Fazendo jus ao seu programa de difusão cultural, a FCG organizou, de acordo com o texto de Maria Teresa Gomes Ferreira, um vasto conjunto de visitas à exposição, tendo como público-alvo as «instituições culturais, escolares e fabris que serviram de comentário directo ao certame» (Colecção da Fundação Calouste Gulbenkian. Artes Plásticas Francesas…, 1964). Estas visitas foram orientadas pelos técnicos do MNSR.

Os trabalhos de investigação e de preparação do catálogo contaram com a colaboração de consultores do Musée du Louvre (Pierre Pradel), da Bibliothèque National de France (Jean Porcher e Jean Adhémar) e de Charles Sterling.

Joana Baião, 2015

When the first exhibition of the Calouste Gulbenkian Collection opened, Pinturas da Colecção Calouste Gulbenkian [Paintings of the Calouste Gulbenkian Collection], 1961, the director of the Museu Nacional de Soares dos Reis (MNSR), Manuel de Figueiredo, expressed his interest to the Calouste Gulbenkian Foundation (FCG) in holding a similar exhibition at the museum he led. His wish became a reality in June 1964 and the exhibition opening also coincided with the 8th Gulbenkian Music Festival in Porto.
The event in Porto was not exactly the same as the Lisbon exhibition: some pieces were excluded, for conservation and transport reasons, and other works were included that were unknown to us and abroad (Colecção da Fundação Calouste Gulbenkian..., 1964). It was decided that the exhibition narrative would focus on presenting a range of works representing the French visual arts of the 18th and 19th centuries, with pieces organised into different blocs: painting, drawing, printmaking and sculpture.
The exhibition catalogue acknowledges some gaps in the representation of artists and schools that are nonetheless made up for by the exceptional quality of most of the works exhibited, which together form a valuable instrument for insight into 17th- and 18th-century French art and largely enrich our artistic heritage (ibidem).
The exhibition was held in the galleries on the first floor of the MNSR, where work was carried out to fulfil the conservation care required by the variety and characteristics of the exhibits, as Maria Teresa Gomes Ferreira attests in an article on the museological aspects of the event:
The display system, the materials and the type of illumination were chosen to highlight the pieces and ensure they remain in a good state of conservation. Since there were some objects that were particularly sensitive to the effects of light, a system of duly controlled fluorescent artificial lighting was adopted in the two rooms mentioned. These included ambient ceiling lighting for the room containing the drawings and lighting inside the display cases containing books and the use of direct projection for the prints (Colecção da Fundação Calouste Gulbenkian. Artes Plásticas Francesas ..., 1964).
The exhibition structure was based around a system of panels that made it possible to isolate and create a specific context for each piece in order to allow for the communication of its aesthetic message. A green and blue-grey silk was chosen to display the 18th-century works and a lined cloth for the 19th-century pieces. The frames of some paintings were removed because they were neither authentic nor suitable for the pieces to which they belonged (ibid.).
The sculptures were mostly displayed in a particular section located in the large sculpture room of the MNSR (prepared for the purpose), although some pieces had been included in the painting galleries due to their nature and size (ibid.).
Making the most of this event, the management of the MNSR reorganised the display of some works in its collection in order to pay homage to the Portuguese artists of the latter half of the 19th century who were able to assert themselves alongside french artists of the same period and by whom they were in some way indirectly, when not directly, influenced, as in the case of Silva Porto, who was an esteemed disciple of Daubigny (Figueiredo, Mvsev, Dec. 1964, pp. 37-38).
A small room at the museum's entrance and the antechamber to the hallway, at the exit, were used to exhibit works by Soares dos Reis, Silva Porto, Marques de Oliveira, Henrique Pousão, Artur Loureiro, Aurélia de Sousa, Columbano Bordalo Pinheiro and António José da Costa, artists not famous abroad solely because they were born , lived and worked in this little corner tucked away from old Europe, in a small country hidden in the mists of the old Atlantic Sea, with a determined course and destiny in the discovery of the world (ibid.).
Living up to its cultural dissemination programme, the FCG organised, according to the text by Maria Teresa Gomes Ferreira, a wide range of tours of the exhibition aimed at cultural institutions, schools and manufacturers to provide a direct commentary on the event (Colecção da Fundação Calouste Gulbenkian. Artes Plásticas Francesas ..., 1964). These tours were guided by staff at the MNSR.
The research work and preparation of the catalogue involved the cooperation of consultants from the Musée du Louvre, Pierre Pradel (1892-1966), the Bibliothèque National de France (Jean Porcher and Jean Adhémar) and Charles Sterling (1901-1991).

Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Coleção Gulbenkian

Estatueta de Criança (Statuette d'Enfant Nu)

Aimé-Jules Dalou (1838-1902)

Estatueta de Criança (Statuette d'Enfant Nu), 1902 - 1905 / Inv. 564

Três Estudos da Cabeça de uma Jovem

Antoine Watteau (1684-1721)

Três Estudos da Cabeça de uma Jovem, c. 1716-1717 / Inv. 2300

Retrato de Homem

Anton van Dyck (1599-1641)

Retrato de Homem, c. 1621 / Inv. 113

Le Rendez-Vous pour Marly

Carl Guttenberg (1743-1790)

Le Rendez-Vous pour Marly, Gravada em 1777 / Inv. 1801

Retrato do Marquês de Marigny

Charles Nicolas Cochin, filho (1715-1790)

Retrato do Marquês de Marigny, 1781 / Inv. 458

Margens do Oise

Charles-François Daubigny (1817-1878)

Margens do Oise, 1865 / Inv. 444

Nascimento de Luís

Charles-Nicolas Cochin, o Jovem (1715 - 1790)

Nascimento de Luís, 1753 / Inv. 459

Ninfa e Sátiro (Satyre pressant le jus d'une grappe de raisin dans la bouche d'une bacchante étendue)

Claude Michel, chamado Clodion (1738-1814)

Ninfa e Sátiro (Satyre pressant le jus d'une grappe de raisin dans la bouche d'une bacchante étendue), Séc. XVIII - 1764 / Inv. 2325

Natureza-Morta

Claude Monet (1840-1926)

Natureza-Morta, c. 1872 / Inv. 450

O Degelo

Claude Monet (1840-1926)

O Degelo, 1880 / Inv. 451

Sátiros

Desconhecido

Sátiros, Segunda metade do século XVIII / Inv. 2298

Autorretrato ou "Degas Saluant"

Edgar Degas (1834-1917)

Autorretrato ou "Degas Saluant", c. 1863 / Inv. 2307

Autorretrato ou "Degas Saluant"

Edgar Degas (1834-1917)

Autorretrato ou "Degas Saluant", c. 1863 / Inv. 2307

Retrato de Henri Michel-Lévy

Edgar Degas (1834-1917)

Retrato de Henri Michel-Lévy, c. 1878 / Inv. 420

Retrato de Henri Michel-Lévy

Edgar Degas (1834-1917)

Retrato de Henri Michel-Lévy, c. 1878 / Inv. 420

As Bolas de Sabão

Édouard Manet (1832-1883)

As Bolas de Sabão, 1867 / Inv. 2361

O Rapaz das Cerejas

Édouard Manet (1832-1883)

O Rapaz das Cerejas, c. 1858 / Inv. 395

Maré Baixa - Trouville-Deauville

Eugéne Boudin (1824-1898)

Maré Baixa - Trouville-Deauville, 1897 / Inv. 2282

Paisagem num Parque

Eugène-Louis Lami (1800-1890)

Paisagem num Parque, c. 1850 / Inv. 258

François Auguste René Rodin (1840-1917)

Jean d'Aire, Burguês de Calais (Le Bourgeois de Calais- L'Homme à la Clef")/ Figura monumental de Jean d'Aire vestido, 1913 / Inv. 567

Cupido e as três Graças

François Boucher (1703-1770)

Cupido e as três Graças, 1738 / Inv. 433

Figura Feminina Nua Reclinada

François Boucher (1703-1770)

Figura Feminina Nua Reclinada, 1760-1765 / Inv. 515

Par de Cupidos Segurando uma Cesta com Flores

François Boucher (1703-1770)

Par de Cupidos Segurando uma Cesta com Flores, Finais de 1760 / Inv. 172A/B

Pastoral

François Boucher (1703-1770)

Pastoral, c.1745 / Inv. 66

Retrato de Mademoiselle Duplant

François-André Vincent (1746-1816)

Retrato de Mademoiselle Duplant, 1793 / Inv. 264

Retrato de Miss Constable

George Romney (1734-1802)

Retrato de Miss Constable, 1787 / Inv. 427

A Leitura

Henri Fantin-Latour (1836-1904)

A Leitura, 1870 / Inv. 257

Natureza-Morta ou "La Table Garnie"

Henri Fantin-Latour (1836-1904)

Natureza-Morta ou "La Table Garnie", 1866 / Inv. 67

Cena num Parque

Hubert Robert ( 1733-1808)

Cena num Parque, c. 1790 / Inv. 1391

Le Bosquet des Bains d'Apollon

Hubert Robert ( 1733-1808)

Le Bosquet des Bains d'Apollon, c. 1775-77 / Inv. 627

Le Tapis Vert

Hubert Robert ( 1733-1808)

Le Tapis Vert, c. 1775-77 / Inv. 626

A Ponte de Mantes

Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875)

A Ponte de Mantes, c. 1868-70 / Inv. 443

A Ponte de Mantes

Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875)

A Ponte de Mantes, c. 1868-70 / Inv. 443

Veneza vista da Dogana

Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875)

Veneza vista da Dogana, 1834 / Inv. 442

Ville d'Avray - O Caminho da Estação

Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875)

Ville d'Avray - O Caminho da Estação, 1874 / Inv. 185

Ville d'Avray - O Caminho da Estação

Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875)

Ville d'Avray - O Caminho da Estação, 1874 / Inv. 185

«L'Amour à la Folie»

Jean-Baptiste Carpeaux (1827-1875)

«L'Amour à la Folie», 1872 / Inv. 563

Cupido ferido (L'Amour blessé)

Jean-Baptiste Carpeaux (1827-1875)

Cupido ferido (L'Amour blessé), 1873-1875 / Inv. 104

Flora (Flore accroupie)

Jean-Baptiste Carpeaux (1827-1875)

Flora (Flore accroupie), 1873 / Inv. 562

Busto de Robbé de Beauveset

Jean-Baptiste II Lemoyne (1704-1778)

Busto de Robbé de Beauveset, 1765 / Inv. 553

Choix de Chansons mises en musique par M. de La Borde, Premier Valet-de-Chambre ordinaire du Roi, Gouverneur du Louvre. Ornées d'estampes par J.M. Moreau, dédiées à Madame la Dauphine

Jean-Benjamin de La Borde (1734-1794)

Choix de Chansons mises en musique par M. de La Borde, Premier Valet-de-Chambre ordinaire du Roi, Gouverneur du Louvre. Ornées d'estampes par J.M. Moreau, dédiées à Madame la Dauphine, 1774 / Inv. LA68A/D

O Arco-Íris

Jean-François Millet (1814-1875)

O Arco-Íris, c. 1872-73 / Inv. 88

Jean-François Millet (1814-1875)

O Inverno, c. 1868 / Inv. 89

"Qu'en dit l'Abbé?" ou La Leçon de danse ou Le maître de danse

Jean-Honoré Fragonard (1732-1806)

"Qu'en dit l'Abbé?" ou La Leçon de danse ou Le maître de danse, c.1770 / Inv. 2297

A Ilha do Amor

Jean-Honoré Fragonard (1732-1806)

A Ilha do Amor, c. 1770 / Inv. 436

Interior de um Parque Romano

Jean-Honoré Fragonard (1732-1806)

Interior de um Parque Romano, Meados de 1770 / Inv. 2299

O Regato

Jean-Honoré Fragonard (1732-1806)

O Regato, c. 1766-68 / Inv. 103

Busto de Jean-Baptiste Poquelin de Molière

Jean-Jacques Caffieri (1725-1792)

Busto de Jean-Baptiste Poquelin de Molière, 1785 / Inv. 20

Retrato de Miss Frances Beresford

John Hoppner (1758-1810)

Retrato de Miss Frances Beresford, c. 1785 / Inv. 2383

Oeuvres de Molière. Nouvelle édition.

Molière (Jean-Baptiste Poquelin, chamado) (1622-1673)

Oeuvres de Molière. Nouvelle édition., 1734 / Inv. LA247A/F

Retrato de Monsieur e Madame Thomas Germain

Nicolas de Largillierre (1656-1746)

Retrato de Monsieur e Madame Thomas Germain, 1736 / Inv. 431

Festa Galante

Nicolas Lancret (1690-1743)

Festa Galante, Início da década de 1730 / Inv. 958

Fuga para o Egipto

Peter Paul Rubens (1577-1640)

Fuga para o Egipto, c. 1630-32 / Inv. 78

Retrato de Helena Fourment

Peter Paul Rubens (1577-1640)

Retrato de Helena Fourment, c. 1630-32 / Inv. 959

Le Sacre de Louis XV, Roy de France et de Navarre dans l'Église de Reims, Le Dimanche XXV Octobre MDCCXXII

Pierre Dulin (1669-1748)

Le Sacre de Louis XV, Roy de France et de Navarre dans l'Église de Reims, Le Dimanche XXV Octobre MDCCXXII, S. d. [1731] / Inv. LA115

Retrato de Camille Monet

Pierre-Auguste Renoir (1841-1919)

Retrato de Camille Monet, c. 1874 / Inv. 2301

Retrato de Lady Elizabeth Conyngham

Sir Thomas Lawrence (1769-1830)

Retrato de Lady Elizabeth Conyngham, 1824 / Inv. 2360

"L'Estacade"

Stanislas Lépine (1835-1892)

"L'Estacade", c. 1880-85 / Inv. 2288

Apresentação do Menino no Templo/Estigmatização de São Francisco

Stefan Locher (c. 1410-1451)

Apresentação do Menino no Templo/Estigmatização de São Francisco, 1447 / Inv. 272

Paisagem de Outono

Théodore Rousseau (1812-1867)

Paisagem de Outono, c. 1848-50 / Inv. 453

Retrato de Mrs. Lowndes-Stone

Thomas Gainsborough (1727-1788)

Retrato de Mrs. Lowndes-Stone, c. 1775 / Inv. 429


Publicações


Material Gráfico


Fotografias

Visita guiada por funcionários da Câmara Municipal do Porto
Visita guiada por membros do Grupo José de Figueiredo
Visita guiada pelas educadoras do Colégio de Nossa Senhora da Paz
Visita guiada por funcionários da Efacec
Visita guiada por funcionários da Fábrica do Jacinto
Visita guiada por funcionários da Fábrica Leonesa
Visita guiada por funcionários da Câmara Municipal do Porto
Visita guiada por funcionários da Hidro-Electrica do Cávado
Visita guiada por alunos do Liceu Carolina Michaelis
Visita guiada por alunos do Liceu D. Manuel II
Visita guiada por alunos do Liceu Rainha Santa Isabel
Visita guiada por funcionários dos Transportes Colectivos do Porto
José de Azeredo Perdigão (ao centro) e Maria Teresa Gomes Ferreira
Charles Sterling (ao centro), Jean Adhémar (à dir.)
Maria Teresa Gomes Ferreira (ao centro)
José de Azeredo Perdigão (ao centro)
José de Azeredo Perdigão e Maria Teresa Gomes Ferreira

Documentação


Periódicos


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03156

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém correspondência, ofícios internos, orçamentos, restauros, lista de obras, seguros e divulgação. 1961 – 1965

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0311-D00971

40 provas, p.b.: aspetos (Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto) 1964


Exposições Relacionadas

Gluck

Gluck

1970 / Sede Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Definição de Cookies

Definição de Cookies

Este website usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. Podendo também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.