Cientistas descobrem nova espécie de primata

Lounes Chikhi

Lounès Chikhi, investigador do IGC, integra o grupo de investigadores, de seis países, que identificou uma nova população de lémures de ratos (Microcebus) que habita no nordeste do Madagáscar.

A investigação foi publicada em dois artigos científicos, na Systematic Biology e no American Journal of Primatology, e estudou os mais pequenos primatas noturnos. O trabalho evidencia as consequências da desflorestação e eliminação do habitat acelerando a extinção de espécies ainda por descrever.

Madagáscar é um local com uma biodiversidade imensa. Nos últimos 20 anos, novas espécies de lêmures foram descobertas, enquanto os habitats florestais desapareceram rapidamente. Vários relatórios da União Internacional para a Conservação da Natureza – IUCN, identificaram os lêmures como um dos grupos de vertebrados mais ameaçados, com 33 das 107 espécies reconhecidas estando criticamente ameaçadas.

Nas últimas décadas, o número de lêmures ratos (gênero: Microcebus) cresceu de duas para mais de 20 espécies. Muitas destas novas espécies descobertas foram descritas com base em poucos marcadores genéticos e alguns cientistas criticaram a “inflação do número de espécies” questionando a existência de quase metade das espécies atuais, mas sem questionar os seus riscos de extinção.

A nova espécie agora identificada é chamada lémure rato de Jonah (Microcebus jonahi) em honra do primatólogo e biólogo da conservação Malagasy Prof. Jonah Ratsimbazafy, e é uma das espécies de primatas do mundo mais pequenas, com um comprimento total da ponta do nariz à cauda de cerca de 26 centímetros e um peso corporal de cerca de 60 gramas. São animais bastante discretos que habitam uma pequena região nas florestas tropicais das planícies do nordeste de Madagáscar.

 

Ver Comunicado de Imprensa
Atualização em 28 julho 2020

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.