Patrícia Garrido

Lisboa, 1963

Formou-se em pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (ESBAL).

Participou em inúmeras exposições coletivas das quais se destacam: Mais Tempo, Menos História, Fundação de Serralves, Porto (1996); O Império Contra-Ataca, Galeria ZDB, Lisboa (1998); Squatters, Galeria do CRUARB, Porto (2001). Das exposições Individuais destacam-se: T1, Fundação de Serralves, Porto (1998); Móveis ao Cubo, Desenhos ao Acaso, TREM Galeria Municipal de Arte, Faro (2009); Peças Mais ou Menos Recentes, Galeria Fundação EDP, Museu Nacional Soares dos Reis e Galeria Fernando Santos, Porto (2013). O seu trabalho encontra-se representado nas seguintes coleções: Museu do Chiado, Fundação de Serralves, Museu de Arte Contemporânea do Funchal, Fundação EDP, Coleção António Cachola e também Coleção Banco Privado. Recebeu o Prémio União Latina em 2001.

A partir dos princípios da assemblage, da apropriação intervencionada e da construção abstrata, a artista realiza objetos que apelam à leitura atenta dos seus próprios processos, surpresa e natureza intrínseca. Isolados ou pensados para diálogos no espaço, têm a presença e o apelo táctil da escultura, mas também a desenvoltura do desenho e o desafio intrigante da sua referência simbólica latente.