Base – Implantação do Lago

Alterações programáticas de natureza cultural — decorrentes da decisão de ampliar os anexos no piso inferior do Auditório e de criar um Centro de Ballet que se localizaria no limite Sul da propriedade — determinaram que se adquirisse, a Vasco Vilalva, uma faixa de terreno com a largura de 26m  e com uma área de 4883m2 do Parque de Santa Gertrudes.

Estas alterações programáticas determinaram uma revisão do projeto que se traduziu num reforço dos princípios basilares que haviam orientado a proposta apresentada em dezembro de 1961.

anterior desenho do lago modifica-se, amplia-se e surge como o grande tema – o centro a partir do qual tudo se gera, se interliga e se continua.

– O lago é agora alimentado por três ribeiros.

– Os ribeiros a nascente e a poente aumentam a profundidade transversal do lago e, de uma forma subtil, estabelecem um maior vínculo entre o edifício e o parque.

– O contacto entre o lago e a janela do grande auditório torna-se mais eloquente.

Ao ampliar a superfície de água, o desenho do parque ganhou mais rugosidade, dinamismo e profundidade. O jardim oferece agora uma maior complexidade e diversidade mas também, uma maior variedade de situações ecológicas [i].

[i] Perfil Transversal

  • Data de produção: 1968
  • Projetistas (autores principais): TELLES, Gonçalo Pereira Ribeiro
  • Contribuintes (autores secundários): FCG - Serviço de Projectos e Obras
  • Fase do projeto: Revisão de 1966
  • Identificador: Arquivos da Fundação Calouste Gulbenkian

Para consultar a versão original deste documento deverá contactar os Arquivos Gulbenkian através do endereço eletrónico [email protected] e referenciar o identificador