• França, c. 1775-1777
  • Óleo sobre tela
  • Inv. 627

Le Bosquet des Bains d’Apollon

Decorador de grande reputação, Hubert Robert aderiu à nova moda dos jardins à inglesa e participou, também profundamente inspirado nos modelos da Antiguidade Clássica que encontrou em Roma, na renovação do gosto francês. Em 1777, após ser nomeado dessinateur des jardins du roi, o pintor apresentou a Luís XVI o seu projeto para a nova apresentação dos Bains d’Apollon, que haviam conhecido duas instalações anteriores. Os trabalhos iniciados em 1778 sob a sua supervisão prolongaram-se até setembro de 1780, data em que o conjunto ficou definitivamente instalado.

Numa gruta rochosa artificial, ladeada por colunas de pedra, concebidas com o propósito de sugerir o cenário do palácio de Tétis, foi colocado um grupo escultórico central,Apollon servi par les nymphes [Apolo Servido por Ninfas], acompanhado pelo par  Les Chevaux d’Apollon pansés par les tritons [Tritões com Cavalos de Apolo], situados, em flancos opostos, num plano inferior. Do conjunto dos três grupos esculpidos em mármore por Girardon, Regnaudin, Guérin e G. e B. Marsy, no século XVII, apenas se avista na pintura um destes últimos, assente ainda no seu soco original. 

Conde Tolstoy; D. V. Grigorovitch, 1870; Alexandre III, imperador da Rússia, Palácio Anichkov, 1870-1894; Família Imperial Russa, 1814-1917; Museu do Ermitage, São Petersburgo, 1917-1929. Adquirida por Calouste Gulbenkian por intermédio de Antikvariat, abril de 1929.

A.67 cm; L. 101,7 cm

Washington D. C. 1950

European Paintings from the Gulbenkian Collection, catálogo da exposição. Washington D. C.: National Gallery of Art, 1950, pp. 86-87, cat. 37.

Cayeux 1987

Jean de Cayeux, Hubert Robert et les jardins. Paris: Herscher, 1987, p. 15-19, 70, 72-79, n.º 53.

Sampaio 2009

Luísa Sampaio, Pintura no Museu Calouste Gulbenkian. Lisboa/Milão: Museu Calouste Gulbenkian/Skira, 2009, pp. 104-105, cat. 42.

Lisboa 2011

Museu Calouste Gulbenkian. Lisboa: Museu Calouste Gulbenkian, 2011, p. 160, cat. 136.

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.