Pintura no Museu Calouste Gulbenkian

Em abril de 1899 Calouste Sarkis Gulbenkian adquiria a sua primeira obra de pintura. Até ao ano de 1953, data da última tela incorporada na Coleção, decorreu entretanto mais de meio século. A diversidade de espécies existentes neste setor da Coleção atravessa quase quinhentos anos de História de Arte e denuncia um gosto particularmente ecléctico, aspecto aliás extensivo à grande diversidade de obras expostas no Museu Calouste Gulbenkian.

Uma tendência dominante do conjunto de duzentas e vinte e nove pinturas adquiridas e conservadas pelo Colecionador, das quais mais de metade se encontram em reserva, prende-se com o interesse especial que devotou ao retrato e à paisagem, géneros de eleição no conjunto visitável na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, desde 2 de outubro de 1969. As cento e doze pinturas expostas em permanência nas galerias do Museu, que conhecem agora publicação integral, confirmam essa preferência.

Ficha técnica

Textos:
Luísa Sampaio
Editado:
2009
Entidade
Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa e Skira, Milão
Dimensões:
300 mm x 230 mm
Páginas:
247
ISBN:
978-972-8848-66-8 (ed. brochada), 978-972-8848-61-3 (ed. encadernada)

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.